sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

A vez do beijo nos catarinenses

Tem muita discussão sobre se um presidente deve ou não ir ao local dos desastres. De fato, a presença física é uma coisa desnecessária do ponto de vista meramente prático: o que for preciso assinar e determinar para recuperar uma região pode ser feito à distância.

Mas tem um outro lado, que o próprio Lula usa muito bem, por onde passa, que é aquela imagem de atenção, de carinho. A mesma coisa que nos faz visitar um amigo no hospital. A gente não pode fazer muita coisa além de levar um abraço, um sorriso e um aperto de mão. Mas isso, pra quem está na cama, ou no nosso caso, sem cama, sem casa e sem terreno, conta muito.

Vocês devem ter notado que, de vez em quando (na coluna do jornal), eu colocava fotos do Lula abraçando e beijando cariocas, pernambucanos e outros brasileiros e dizia que os catarinenses estavam esperando. Tiveram uma visitinha de médico (sim, eu sei, a chuva atrapalhou) e estavam merecendo uma atenção maior.

Escolhi as fotos acima para ilustrar o dia em que o Lula veio cumprir seu dever afetivo, principalmente por causa da simpatia da criança, sorridente com seu cabelão punk, mas acho que são bem representativas da relação que ainda existe, entre o povo brasileiro e seus governantes: parece que muitos ainda sentem-se como crianças indefesas precisando de colo. Pois então aí está: tio Lula deu colinho.

Agora, devidamente abraçados e beijados, façam a sua parte: fiscalizem o uso dos recursos, os prazos, não dêem moleza. Afinal, é seu direito ser bem atendido pelo governo. Ninguém está fazendo favor ou sendo bonzinho.

[A segunda foto é da Neiva Daltrozo/SECOM]

3 comentários:

Lícia Cordeiro disse...

Quem diria que o rei iria ficar tão contente ao posar ao lado do Lula, hem? Cada foto uma pazinha de terra a mais na cova daquele maldito moribundo, nénão??

cristiano disse...

quanta felicidade não? nosso estado quebrado, e luis xv e lulalá na maior farra! coisa hororrosa!

Anônimo disse...

Cuidado q a cuca te pega...