sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

A resposta dos praças

O movimento dos praças publicou hoje à tarde uma nota em resposta à nota do governo. A principal novidade é que dá, de certa forma (e para bom entendedor), uma pista para o final da paralisação: “É preciso dizer que só encerraremos o movimento das esposas e familiares quando for acertado que não haverá punição a nenhum de nossos familiares”. Ah, e a Aprasc desaparece da nota, que é assinada pelo “Mulheres que lutam!”. Naturalmente na tentativa de não configurar desrespeito à ordem judicial e aos regulamentos militares.
NOTA DO MOVIMENTO DAS ESPOSAS E FAMILIARES DE PRAÇAS DE SC

Nós esposas e familiares dos Policiais e Bombeiros militares de SC estamos nos mobilizando junto com todos os nossos em busca do cumprimento da lei 254. Essa lei foi construída por todo o governo e por entidades representativas dos servidores tendo sido sancionada pelo atual governador há cinco anos. Trata da política salarial dos servidores da segurança pública, com o objetivo de restabelecer a justiça salarial numa escala vertical de salários, onde o menor salário seja pelo menos ¼ do maior salário.

Em 2004 e 2005 o governador fez algumas concessões, com abonos que somam R$ 290,00 e 20% da gratificação de atividade. Mas já faz três anos que o governo não apresenta nenhuma proposta de incremento salarial para os servidores da segurança, não obstante todas as nossas tentativas de negociação em todo esse período.

Estamos nessa luta, que é justa e legítima, em busca de dignidade, respeito de valorização de nossas famílias. É preciso esclarecer à população catarinense que conhecemos a realidade de nossos lares, a dificuldade na hora de ir ao mercado, de procurar assistência à saúde, colégio e moradia.

Por todos esses motivos estamos há cinco dias em frente aos quartéis. Passamos o natal e, se preciso for, entraremos 2009 unidos e fortes junto com nossos familiares policiais e bombeiros militares. Não abandonaremos essa luta! Vamos sim buscar fortalecê-la a cada dia.

É importante esclarecer algumas inverdades que o governo Luiz Henrique e outras autoridades vêm divulgando:

1 – O Movimento das Esposas e Familiares é autônomo e independente, sendo assim, estamos aqui por livre e espontânea vontade. Ninguém está nos usando ou forçando a ficar na frente dos quartéis;

2 – Não existe motim de policiais e bombeiros, pois nossa arma mais potente é nossa vida e nossa disposição de persistir. Estamos, sim, em manifestação pacífica!

3 – É preciso que o governador do Estado assuma diante da população de Santa Catarina que a culpa da situação da segurança pública tem nome e sobrenome: Luiz Henrique da Silveira, Nós procuramos vários canais de negociação e não foi apresentada nenhuma proposta. Ou seja, faltou vontade política para resolver ao longo dos três últimos anos e não deixar chegar aonde chegou;

4 – É preciso que a cúpula da segurança pública para de enganar a população, respeite o povo catarinense e os turistas, e fale que a segurança está comprometida;

5- É preciso dizer que só encerraremos o movimento das esposas e familiares quando for acertado que não haverá punição a nenhum de nossos familiares.

Nós esposas e familiares de praças, queremos juntas com nossa família construir outra história para os praças de Santa Catarina, uma história de dignidade e respeito, porque nós temos esse direito e porque a sociedade precisa de policiais e bombeiros conscientes de sua missão.

MOVIMENTO DAS ESPOSAS E FAMILIARES DE PRAÇAS – Mulheres que Lutam!”

EM TEMPO

O blog A política como ela é tem publicado notas muito interessantes sobre o movimento. A de hoje recupera alguns dados do passado recente do deputado Sargento Soares e transcreve o juramento “bolivariano” que ele fez em 1º de janeiro de 2007. Leia aqui.

8 comentários:

Zoir disse...

César e leitores: Apesar de o Luiz Henrique ser o único responsável por esse motim desastroso, ele deve manter a palavra e a autoridade e acima de tudo, manter a disciplina e a hierarquia militar, não aceitando o pedido de não punição aos grevistas e amotinados. Deixar de punir os trangressores é permitir que esse ato volte mais tarde com mais força, fragilizando cada vez mais a instituição secular, e sempre até então, séria, a fragilizar, a perder a moral, a confiança do povo. O movimento está sucumbindo. Os riscos de qualquer greve tem que ser medida no inicio pelos seus organizadores. Para o bem da Policia MIlitar do Estado de Santa Catarina, devem, sim ser punidos todos os policiais até mesmo com exclusão ou expulsão da corporação. Quem sabe, lá fora, eles não venha a receber um salário digno, como esperam receber. Quem sabe lã fora, no mundo privado, como serventes, operadores, venham a ter a remuneração que medeie entre 1 e 4 o maior salário da empresa, no caso dos diretores. Ou seja, como os diretores ganham R$ 10.000,00 a 20.000,00, quem sabe esses hoje praças, como operários dé fábrica, venham a auferir R$ 2.500,00 a R$ 5.000,00 de piso.

Antônio Carlos disse...

VIVA O SARGENTO SOARES!!!

Enfim, um lider com culhões em nosso estado!

Saudações Socialista e sucesso nesta batalha!

Abraços,

Antônio Carlos

Anônimo disse...

César, não dá pra gente amarrar o Sargento Soares no LHS e soltar os dois com os balões do Padre??!!

Anônimo disse...

o zoir não fala bestera poh,como é q esse pessoal q já ta efetivo vai arriscar num mercado de trabalho tirano,instável,c/ desemprego total,ah p/ oh ,nau fala abobrinha,eles tem mais é q lutarem pelos seus direitos.




Flávio

Carlos disse...

O Zoir tem razão quando fala da ilegalidade da greve da polícia, porém ele omitiu que o Luiz Henrique não precisava ter prometido aumento para os praças, mas o fez para se eleger governador.
O Zoir não disse que o Luiz Henrique não precisava ter encaminhado um projeto de Lei para a Assembléia dando aumento aos praças, mas o fez e ainda mais, sancionou essa Lei, de nº 254.
Para garantir a reeleição Luiz Henrique prometeu um escalonamento na aplicação da Lei 254 e não cumpriu.
Ou seja. não cumpriu nada, não cumpriu a lei e continua impune ??
Zoir, ninguém é obrigado a prometer nada, se prometeu, tem a obrigação de cumprir, ainda mais uma lei ! Ou será que só os praças é que tem que cumprir a Lei ?
Agora Luiz Henrique usa a Lei de Responsabilidade Fiscal para se defender, mas essa mesma Lei proibe a concessão de aumentos de salários sem a correspondente receita !
Portanto o Luiz Henrique descumpriu a Lei da Responsabilidade Fiscal quando encaminhou o projeto de Lei para a Assembléia e agora descumpre a Lei que ele mesmo fez !
Zoir, lei é para todos !

Anônimo disse...

Com todo respeito, mas para mim, o sargento não passa de um praça frustrado. Se o mesmo quer ganhar como os oficiais, por que não se habilitou no concurso onde os oficiais foram? Esse cara não passar de um falastrão, mas com os dias contados. Ninguem nasce lider como ele, através de uma anistia e depois encima de uma empulhação de uma Lei 254 para sua promoção. Como iniciou sua vida politica em cima de uma proposta indecorosa, como a edição da Lei 254, não tem vida longa...

Anônimo disse...

VOTARAM NO HOMEM E ZOMBARAM DO ADVERSÁRIO. DEFENDEREM DE UNHAS DE DENTES. AGORA RESPEITEM A COMUNIDADE, pelo menos, e não coloquem em risco vidas. NÃO ACREDITEM EM PRESENTE DE PAPAI NOEL EM VÉSPERA DE ELEIÇÃO. LEIAM o que dizem a lei, e busquer VER NO ORÇAMENTO, COMPARE se não merece uma LIMINAR...

Anônimo disse...

Engraçada a justiça. Processos de caçação MORIBUNDAM por aí às pencas, mas se é pra reprimir pobres coitados ela vem correndo.