sábado, 20 de dezembro de 2008

O verão, esse desconhecido


Já que o verão começa amanhã, dia 21, às 9h4min, relembro aqui historinhas da temporada, pra gente ir se acostumando:

E agora?
A areia é um problema romântico-abrasivo e a água salgada é adstringente...
Não sei como levar adiante esse namoro à beira mar.

Não basta ter, tem que aparentar
Na piscina de casa é preciso fazer bastante barulho com a água, rir alto, comentar quase gritando que “a água está uma delícia”. Para que o vizinho ouça e morra de inveja.

Constatação
Quem ensinou essas mocinhas de hoje a chamar a gente de “tio” deve odiar a humanidade.

Rotina
Banho de mar perto do meio-dia, almocinho leve, sesta literária (pegar no sono lendo livrinho policial), caminhada na praia pra ver a moçadinha remanescente, noitada de canastra, cerveja e camarão e, pra encerrar, o sono dos justos (calor, mosquito, mulher com dor de cabeça e barulho na vizinhança).

Mobilidade básica
O verão é ótimo quando a gente pode sair dele sempre que quiser. “Vou passar o fim de semana em Amsterdam, pra renovar o estoque de Heineken, mas na terça eu volto”.

3 comentários:

Schneider disse...

Belas e oportunas constatações. Temas perfeitospara crônicas digestivas.
Mas, falando sério, o comportamento das pessoas (maioria) no verão é a comprovação de quanto é ridículo o ser humano. Observem e verão.
Bom verão.

Anônimo disse...

bah tio cesar isso nau vale...
qual é a tua einh???
isso é sacanagemmm...hahahaha






abracos

Marcos

jânio disse...

Parabéns. Não é qualquer jornalista que tem um piscina dessas...