terça-feira, 16 de dezembro de 2008

O dilema do Baú

Ouvi no rádio a história dos moradores do Baú que abriram uma “estrada clandestina” com um trator de esteira (!) numa espécie de ato em legítima defesa do que restou de seu patrimônio. Segundo a própria Defesa Civil informa, saqueadores estavam chegando aos locais abrindo picadas pela mata. O moradores, então, tentaram ir resgatar caminhões e outros pertences antes que os ladrões levassem.

O mais incrível da situação é que parece haver um certo conformismo das autoridades com a inevitabilidade da ação dos ladrões/saqueadores e então concentram-se em tentar evitar que os moradores retornem. Há o risco, é certo. Não deveriam voltar, é claro. Mas ponham-se no lugar de quem percebe que o “isolamento” da área é permeável a malfeitores e só os legítimos donos estão sendo retidos...

E OS DONATIVOS DESVIADOS?

Com que, então, só depois que passou na TV as “autoridades” deram-se conta daquela prática que é a mais comum e antiga de todas? Logo após o dilúvio, quando Noé foi organizar a distribuição de donativos para os sobreviventes, já apareceu um engraçadinho que se ofereceu para fazer a seleção, catalogação e classificação. De lá para cá, em todo lugar onde existir uma montanha de bens doados para necessitados, haverá sempre um descendente dessa estirpe maldita, dos aproveitadores da desgraça alheia.

Portanto, ao abrir as portas de qualquer depósito para receber donativos, a primeira providência é reforçar a segurança. E ficar de olho nos voluntários. A coisa só não funciona quando as pessoas encarregadas da segurança e da lisura dos procedimentos, também entram numas de separar um parzinho de sapato aqui, uma jaquetinha ali, um brinquedinho maneiro acolá, umas cestinhas básicas para uso próprio ou, o que é mais comum, para venda “a preços módicos”.

Quem quiser ver e saber onde e como isso acontece, não terá dificuldades. Mas parece que, como no caso dos saqueadores do morro do Baú, as prioridades são outras. Claro, quando aparece na TV, ainda mais em rede nacional, a prioridade muda. Pelo menos por alguns instantes e enquanto se redigem notas explicativas, justificativas e advertências que, sabemos, em muitos casos serão vãs e apenas para manter as aparências.

6 comentários:

Soldado Cavallazzi disse...

Realmente não dá para agüentar essa RBS TV, o estúdio Santa Catarina apresentou neste domingo dia 14 do corrente mês, uma matéria sobre alguns donativos que estavam sendo “furtados” por alguns soldados do Exército brasileiro.



Horas porra, meia dúzia de roupas velhas e um pouco de comida, meu Deus onde estamos vivendo, nem um País onde um elemento do PT é pego com dinheiro na cueca para pagar mensaleiro, onde um Juiz do tribunal superfatura uma obra porra! Que matéria inútil, que descompasso com as prioridades da “justiça”, porque não se diz nada sobre a moeda verde, sobre a CPI do narcotráfico que não veio para Santa Catarina, pois foi a única vez que oposição e situação sentaram juntos, isso me lembro, sabem porque isso aconteceu, nossa Estado tem dono, grande parte tem rabo preso, façam uma matéria sobre o caminhoneiro que despejou parte da carga de roupas, pois a defesa civil não tem estrutura para armazenar todos os donativos, e digo, vai sobrar e se estragar muita coisa, mas isso não irão mostrar, sabe por quê?


Porque o Governo não irá anunciar mais na TV, é uma pena mesmo, mas é muito mais fácil chutar cachorro morto, não justifica pegar o donativo, mas tratar como se fosse o pior crime do mundo, vá à casa desses soldado do Exército, veja a realidade deles, ou vocês acham que é muito diferente!! Nessa cidade o que não falta é hipócrita, financiador de drogas que ainda reclama da violência, vê se pode isso!

Soldado Cavallazzi
www.soldadocavallazzi.blogspot.com

Anônimo disse...

Meu caro César,
apesar de não ter ligação alguma com o Governo, dessa vez tenho que discordar. há certamente um número limitado de policiais, soldados do exército, etc... em Santa Catarina. Durante semanas, essa turma trocou turnos e trabalhou sem parar (ao menos é o que parece) ajudando desabrigados, tirando gente de locais onde não se podia ficar e até fazendo a segurança para evitar saques. O mínimo que se esperava, creio, é que não fosse necessário desviar pessoal do policiamento ou dos salvamentos para fiscalizar esses vagabundos sem vergonha que foram para os centros de triagem roubar. Fora isso, há outro fato que precisa ser levado em consideração: quantos voluntários e soldados estão atuando em SC? Quantos estão roubando? Não sei os números, mas tenho certeza (ou esperança) que existam mais voluntários honestos do que vagabundos fdp nos centros. Atuei alguns dias em um ginásio aqui de Fpolis e, garanto: não vi ninguém fazer sacanagem. Não sou ingênuo de dizer que ninguém tenha feito, mas acho importante lembrar que um grande número de pessoas doou seu tempo para ajudar os outros sem "cobrar".
Agora, quando aparece uma coisa dessas na TV, com a repercussão que isso tem, tenho até um certo receio em dizer que fui voluntário para os conhecidos. Porque se eu aparecer com uma camisa nova e não tiver a nota fiscal, já vão me olhar de lado, achando que roubei. Obviamente o assunto deve ser tratado como uma safadeza. Mas não se pode perder a perspectiva de que uns poucos fazem sacanagem enquanto muitos trabalham de forma correta. Se não for assim, somos todos, voluntários, doadores, profissionais que atuaram de forma responsável, uns grandes otários. E seria triste demais acreditar que a coisa é assim...

Anônimo disse...

Uma coisa é certa: o Estado não fez nada até agora em prol dos desabrigados, a não ser receber esses donativos e NÃO SABER ADMINISTRAR. É muita incompetência. Ora, sequer saber receber e guardar...é muita incompetência nesse desgoverno. Ao menos isto ele tinha obrigação de mostrar aos doadores, ou seja, que tudo o que estava sendo recebido estava sendo bem guardado e distribuido. Nâo concordo com os anônimos acima: se os voluntários e soldados precisam de roupas e de comida, que levem no final do dia, mas tudo sob controle de quem tem a guarda do material recebido, jamais furtivamente...

Anônimo disse...

Cesar fiqei impressionado qdo li esse
artigo no moacir perera..ele falando do governado?Como pode?
Ele é RBS e RBS só defende o LUISXV.

SC-401

Impressiona a completa desatenção e o desinteresse do Deinfra com a situação da SC-401 e outras estradas estaduais em Florianópolis. Além da emergência da barreira que caiu há uma falha na chamada reta das Três Pontes que é uma indecência. Está lá, há anos, desafiando as autoridades.

A cada novo mes aumenta o desnível entre as duas pontes e o asfalto, na entrada e na saída.

Que o governador Luiz Henrique não se irrite com aquela irregularidade, até se explica. Como lembra o blogueiro Marcelo Pereira "ele se desloca mais de helicóptero do que de carro da Casa da AGronômica para o Centro Administrativo." O Secretário de Infra-estrutura, Mauro Mariani, vive mais em Joinville, onde disputou a Prefeitura e fixou residëncia, do que em Florianópolis. Mas o Diretor do Deinfra e atual Secretário, Romualdo França, deve passar por ali com alguma frequëncia.

E ninguém faz nada? Estão esperando o que? Um acidente?

Anônimo disse...

Vocês não ciram nada... Alto dignatário (?!) catarinense, deslocado para coordenação de central de arrecadação e distribuição, beneficiando, com sua omissão, madames, que, à exemplo daquelas de Blumenau, também sairam escolhendo, aqui e ali, edredons etc. E na foz do Vale do Itajaí...

Anônimo disse...

O jornalista Moacir Pereira merece todo o nosso respeito, ponderado, culto e, além de tudo, profundo conhecedor da realidade catarinense.