quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Obra burra

Transcrição de reportagem publicada na página 9 do DIARINHO de hoje:
Manezinhos alagados querem a cabeça do prefeito Dário Berger

A chuva continua causando preju na Grande Floripa. Na capital, a situação é crítica no bairro Campeche, no sul da ilha, onde mesmo o Sol aparecendo durante a tarde de ontem, mais de 20 casas ainda tão alagadas. Os manezinhos querem a cabeça do prefeito reeleito Dário Berger (PMDB), a quem culpam pelo terceiro alagamento só neste ano. “Tamos vivendo de sacolão, não vamos ter nem Natal. Isso não é vida. Perdi tudo mais uma vez, não dá vontade nem de viver”, desabafou a executiva de vendas, Zenaide de Oliveira, de 34 anos. Ela teve pela terceira vez neste ano a casa em que vive com o marido e dois filhos tomada pelas águas.

Zenaide organizou um abaixo-assinado junto com os moradores para pedir providências à prefa manezinha. “Moramos há 20 anos aqui na rua Tereza Lopes e nunca aconteceu isso. Depois que o Dário fez o asfalto na rua, começaram os problemas. A água e o esgoto não tem por onde escoar. Uma obra bem mal feita e quem está pagando por tudo somos nós”, lascou.

A deficiente física, Alciléia Rodrigues, 42, está desde segunda-feira ilhada na própria casa. Ela mora com a filha de 14 anos e mais uma vez teve grandes prejuízos. Já a dona de casa Rute Oaniel Costa, 64, que mora há 16 anos na região do Castanheiras, no Campeche, estava revoltada: “Perdi tudo. É só ameaçar que vai chover que estamos perdidos. Quando sei que vai chover eu nem durmo. Esqueceram de nós aqui. Pedimos água pra defesa civil e até agora nada. Bateram fotos e esqueceram da gente”, contou a moradora, que não quer nem ver o prefeito na frente.

Deslizamentos

Cerca de 15 ruas continuam alagadas, a maioria no bairro Campeche. A defesa civil também registrou novos deslizamentos e quedas de árvores no Morro das Pedras, no sul da ilha e no Rio Vermelho. Algumas famílias foram orientadas a deixar suas casas devido ao risco de deslizamento.
JF

20 comentários:

Anônimo disse...

Qual o resultado das urnas no Campeche?
Calem-se. A escolha foi de vocês!

Anônimo disse...

Ué...mas não foram eles que votaram no Dário?????

Anônimo disse...

Tio cesar,uffa....a câmara barra...

Agencia Estado - 18/12/2008 14:08
Mesa da Câmara não promulgará PEC dos vereadores
A Mesa da Câmara decidiu não promulgar a proposta de emenda constitucional (PEC) que aumenta o número de vereadores no País e foi aprovada nesta madrugada pelo plenário do Senado. A PEC aprovada aumenta de 51.924 para 59.267 o número total de vereadores no País. O aumento - de 7.343 vereadores -, segundo o relator da PEC, senador César Borges (PR-BA), não significará maiores gastos para os municípios com a manutenção das câmaras de vereadores, mas a Mesa da Câmara não concorda com essa interpretação.


A Mesa da Câmara concluiu que o texto da PEC aprovado pela Câmara antes do Senado foi muito modificado pelos senadores e, portanto, terá que passar por nova análise e votação pelos deputados. "Houve alteração substancial na PEC, e ninguém pode nos assegurar que o que foi separado pelos senadores será votado", disse o 2º vice-presidente da Câmara, deputado Inocêncio Oliveira (PR-PE), ao sair da reunião da Mesa da Câmara. O Senado tirou do texto da Câmara a parte da PEC que reduzia gastos com os vereadores e aprovou apenas o aumento no número de vereadores.


"A Câmara votou uma proposta, e o Senado aprovou outra. A Mesa da Câmara não assinará esta PEC", declarou Inocêncio. Uma proposta de emenda constitucional, quando é aprovada pelas duas Casas, precisa ser promulgada pelas duas Mesas - a da Câmara e a do Senado. Com a decisão adotada pela Mesa da Câmara, o Senado terá que enviar o projeto para nova votação no plenário do Câmara.

Anônimo disse...

Prezado Cesar, sobre este assunto do asfaltamento em larga escala, contra qq bom senso, escrevi o artigo seguinte, em setembro de 2008, publicado no jornal "Leste da Ilha" em que citava a possibilidade de inundações (mas parece que a população manezinha ficou encantada com tanto tapete preto e votou no Dário, por duas vezes, agora...). Ei-lo;
Carlos X

AS RENDEIRAS SUBIRAM NO TELHADO!
O asfaltamento da tradicional avenida será um absurdo, em todas as suas dimensões.


A piada é antiga, mas ótima. O rapaz manda um e mail à prima, que está viajando. É direto: “Seu gato morreu!”. A notícia causa comoção na pobre moça. Seu marido, então, responde ao e mail, aconselhando o rapaz: “Não se dá uma notícia dessas assim. É necessário ir preparando a pessoa. Você poderia dizer primeiro ‘seu gato subiu no telhado’ e no outro e mail você dizer que ele morreu, entendeu?”. O rapaz concordou. Uma semana depois ele envia outro e mail para a prima: “Sua mãe subiu no telhado!”.
Pois então é essa notícia que quero dar a vocês: “A Avenida das Rendeiras subiu no telhado!”. Constatei isso ao ver as obras de asfaltamento de seu trecho final, na curva que vai para a Joaquina e estrada para a Barra.
Trata-se, claro, de mais uma obra do projeto Tapete Preto, menina dos olhos da Prefeitura. Depreende-se que há o desejo de asfaltar toda a Avenida das Rendeiras, talvez duplicá-la, de forma que se ela transforme numa “moderna” e rápida via de escoamento de veículos. Algo como a Av. Beira Mar de São José. Muita gente acha que isso será ótimo, que isto é progresso.

O PONTO DE VISTA TURÍSTICO

Em recente evento promovido pela RBS e governo do Estado, palestrou o presidente do Conselho Mundial de Turismo (não anotei o nome da pessoa). Deu um mostra de competência e profissionalismo. Sua palestra foi comentada em vários jornais. Um dos conselhos que deu: “Não descaracterizem suas belezas naturais, suas vilas, seus bairros. É isto que o turista vem buscar. Melhorem suas estradas e aeroportos, mas preservem o ar bucólico de suas localidades!”.
Ao asfaltar nossas vilas de pescadores, como a Barra da Lagoa, estamos preservando o quê? Ao transformar a Av.das Rendeiras numa rápida via para carros, que registro histórico e bucólico estaremos preservando?
Um dos locais de turismo mais avançado do país é o Ceará, que recebe durante todo o ano levas de turistas de alto pode aquisitivo, especialmente europeus. Como conseguiram isso? Não foi asfaltando Canoa Quebrada, que continua linda com suas ruas de areia, mas com investimento em treinamento na área de serviços, limpeza e melhorias nas vias de acesso. Asfalto só do aeroporto até as imediações das localidades turísticas. Nelas não. Elas são preservadas, porque, afinal, um europeu não vai atravessar o Atlântico para ficar torrando numa vila asfaltada e com cara de grande cidade.
Ruas de lajota, clarinhas, menos quentes, bem preservadas, mantém o clima de tradicional, de cidade pequena, autêntico, que os visitantes tanto gostam. Parece claro para mim isso. O que você acha?

O PONTO DE VISTA ECOLÓGICO

Várias cidades dos Estados Unidos e da Europa proibiram o asfaltamento comum de suas ruas e estradas. Constataram que este revestimento impermeabiliza o solo, não permitindo que as águas se infiltrem abastecendo os lençóis freáticos. Não infiltrando, provocam poluição, e enchentes na época das chuvas.
O aumento da temperatura ambiente também é levado em conta, pois o asfalto preto absorve calor, elevando a temperatura das ruas em 6 graus, em média, transformando-as num deserto preto. Hoje, lá, só é permitido o asfaltamento de estradas com um novo tipo de asfalto, o poroso, que permite a absorção das águas.
O Aqüífero dos Ingleses, que fornece água para aquela região, já está sofrendo as conseqüências da impermeabilização do solo, fruto do asfaltamento massivo, cimentamento de quintais e extração de água pelas ponteiras. Se o aqüífero baixar muito seu nível, pode ser inundado pela infiltração da água do mar e, com a salinização decorrente, perder sua função, o que acarretará, além de falta dágua, profundas mudanças na região, pois todo o eco sistema será afetado.
As águas das chuvas na região da Av. das Rendeiras penetra pelas frestas das lajotas, é filtrada pela terra e chega à lagoa limpa e fagueira. Com o asfaltamento, a água será rapidamente carreada para a lagoa, levando consigo toda a sujeira que estiver na superfície da avenida, provocando uma inevitável poluição.
Vale lembrar também que a temperatura subirá muito, e os restaurantes da região serão afetados, pois além da comida quentinha terão clientes bem quentinhos, que logo logo vão preferir outros locais mais frescos. Serão surpreendidos também pela poeira asfáltica, bem pretinha, que será levantada pelos carros, e que dará um aspecto torradinho aos pratos servidos e uma sujeira básica no ambiente. Ou seja, o tapete preto vai entrar em nossos restaurantes e narizes.

ENFIM, CHEGA DE ASFALTO

Pode ser que para muitos o asfaltamento de ruas signifique conforto e modernidade, tanto que inúmeros moradores da Barra e de outras regiões ficaram encantados com o tapete preto e quente que passou a cobrir as ruas. Claro que é bom andar numa rua lisinha, sem lama. Mas a opção anterior, das lajotas, também oferecia esse conforte, além de serem clarinhas (refletem mais calor), permitirem a infiltração das águas (serem ecológicas) e não agredirem tanto a paisagem de nossos bairros à beira mar (preservacionistas). Tudo de bom.
Se levarmos em conta os prejuízos e benefícios desses dois tipos de calçamento, fica óbvio que a opção das lajotas é infinitamente melhor, sob todos os aspectos.
O alerta e os argumentos contidos neste artigo ficam para a reflexão e inteligência de cada um. Ainda dá para tirar a Av. das Rendeiras de cima do telhado. Mas que ela está lá em cima, está.

amilton alexandre disse...

Tio César eu quero o couro salgado do Dário e o cabeção do Edison Andrino

Anônimo disse...

Tá, isso é jornalismo? Cadê a resposta da prefeitura? Esse repórter deve ser novato na história ou fez pouco 'causo' das autoridades? Que barbaridade. A prefeitura tinha que ter sido ouvido. A reclamação é justa. Mas como disseram acima, votaram nele, né? Agora, si arromba, mo pombo. Querem buscar na imprensa que não houve os dois lados a reposta? Ficaram sem resposta do mesmo jeito! Tolos!

Anônimo disse...

pois é tio cesar essa trupilha saum td sortudo,principalmente o dromedário pq as xuvas soh vieraum depois da eleição.....
É tem jente q tem sorte e esse é um deles pq se as xuvas viessem antes ele nau teria ganho as eleições.
A gora o q o povo pd fazer é nau deixar esse safado assumir e mandar sumir...


Dirlei

Anônimo disse...

Interessante é que a gente não vê o Prefeito se solidarizando com a população, dando entrevista sobre o que vai fazer para solucionar o problemas. Parece que aquela cara de querubim era mesmo só pra ganhar eleição, né??

Anônimo disse...

Este pessoal do Campeche não poderia entrar no TSE solicitando a suspensão do mandato, já que eles jurisprudenciaram contra prefeito pula-pula! Pula de São José para Florianópolis; pula de Florianópolis para a rua (sem tapete furado preto).
Assim nos livraríamos dele!

Anônimo disse...

Quem venceu a eleição no Campeche? Dário ou Amim? Agora vão se queixar ao bispo!

Anônimo disse...

E o amim falou na campanha,e várias pessoas estavão dizendo q aquela capa de tapete ia incomodar a hora q xovesse,eles nau acreditarão...
Para fazer o tapete preto tem q ter td o rojeto de canalização p/ escoamento dagua e isso nau foi feito,ele simplesmente jogo pixe em cima das ruas.....o amim aviso...



RP

Lunar - Jorge Oliveira disse...

Cesar.

A reclamação com relação ao prefeito reeleito, principalmente no Campeche, é grande. Mas uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa.
O Anônimo das 2:59 PM foi ao ponto. Realmente o resultados de todas (TODAS) as seções eleitorais do Campeche deram larga margem de votos ao dito cujo.
Na Avenida Pequeno Príncipe e na Rua da Capela, onde se concentram todas as seções eleitorais do Campeche, os resultados foram os seguintes (não computei os nulos e brancos):

Seção 279 – Dário: 265 – Amim: 81
Seção 280 – Dário: 243 – Amin: 93
Seção 281 – Dário: 211 – Amin: 92
Seção 282 – Dário: 230 – Amin: 79
Seção 283 – Dário: 241 – Amin: 83
Seção 291 – Dário: 219 – Amin: 82
Seção 296 – Dário: 211 – Amin: 82
Seção 300 – Dário: 190 – Amin: 77
Seção 307 – Dário: 204 – Amin: 70
Seção 314 – Dário: 178 – Amin: 71
Seção 325 – Dário: 212 – Amin: 71
Seção 331 – Dário: 192 – Amin: 65
Seção 335 – Dário: 171 – Amin: 81
Seção: 340 – Dário: 222 – Amin: 75
Seção 349 – Dário: 201 – Amin: 60
Seção 359 – Dário: 203 – Amin: 74
Seção 360 – Não encontrei dados
Total
Dário: 3.393 votos
Amin: 1.234 votos

Precisa dizer mais alguma coisa?

Jorge Oliveira
Florianópolis

Anônimo disse...

Não só Prefeitura tem responsabilidade, a Aeronáutica (União) poderia resolver o problema de acumulo de água no seu terreno no Campeche, resolvendo o escoamento, porque toda essa água é distribuída para os terrenos vizinhos que não dão conta de drená-la.

Anônimo disse...

Pois é, o Amin sifu. O Amin não avisou nada. O que ele disse é que a qualidade do asfalto era uma M... Mas não tem problema, na próxima a gente vota no Amin e aí ele soluciona tudo

Anônimo disse...

sim jorge Oliveira tem mais uma coisa: forão eles q escolherão!!!

Pierre Alfredo disse...

Ah, claro. Eles votaram no Dário, então, agora, que se danem. Que se afoguem aí no Campeche. Nada de ajuda pra eles. Não deveria haver sequer espaço na imprensa. Que chorem na prefeitura. Bem feito!

É esse tipo de pensamento, que infelizmente impregna a maioria, que me faz perder esperança.

Pierre Alfredo disse...

Ah, claro. Eles votaram no Dário, então, agora, que se danem. Que se afoguem aí no Campeche. Nada de ajuda pra eles. Não deveria haver sequer espaço na imprensa. Que chorem na prefeitura. Bem feito!

É esse tipo de pensamento, que infelizmente impregna a maioria, que me faz perder esperança.

Anônimo disse...

E a resposta da prefeitura? O repórter ainda não foi atrás disso? Ou seja, fizeram a matéria, não ouviram o outro lado e o povo ficou sem voz. De nada adianta esse tipo de jornalismo...tsc tsc tsc

Anônimo disse...

E adianta o povo ir na prefeitura reclamar? Agora que o homem está eleito, o povo que expluda. Nunca foi diferente o comportamento do Dário.

Lunar - Jorge Oliveira disse...

Pierre Alfredo.

A colocação que fiz (Precisa dizer mais alguma coisa?) não foi no sentido que mereceu o seu entendimento.
Concordo plenamente que a comunidade deva ser assistida em tudo e por todas as autoridades.
Tivesse o Amin ganho as eleições e não obtido nenhum voto no Campeche lhe caberia idêntica ação, afinal de contas vivemos em uma democracia e assim temos que respeitar a vontade da maioria mesmo não concordando com ela (a maioria).
O que me causa espécie, na verdade, é o descaso e o abandono que a cidade passou a viver após as eleições de 2008.
A comunidade tem responsabilidade, os vereadores têm responsabilidade, e mais ainda o prefeito deveria ter responsabilidade e estar ao lado do povo num momento difícil como este.
A comunidade do Campeche, tendo votado maciçamente em Dário Berger, tem muito mais legitimidade de cobrar urgentes providências da principal autoridade do município.
É no mínimo um deboche deixar a cidade ao deus-dará sob a batuta de pessoas desqualificadas ou descompromissadas com o bem comum. Assim não funciona. Assim não vale!

Jorge Oliveira
Florianópolis