quarta-feira, 5 de novembro de 2008

QUÉCO?

Tenho a impressão que a eleição do Obama não fará muita diferença no relacionamento do Brasil com os Estados Unidos. Os norte-americanos são pragmáticos e espertos e manterão seus mantos protecionistas onde lhes interessar e abrirão brechas comerciais conforme suas conveniências.


Mas acredito que o fato de ter sido eleito um presidente negro lá poderá agitar um pouco as coisas nos grotões racistas que ainda sobrevivem por aqui. Há quem diga que o Brasil não é um país racista. Não sei, não conheço direito a coisa no nordeste, no norte e tenho pouca vivência no sudeste. Aqui no Sul, entretanto, sempre ouvi piadas racistas, brincadeiras racistas e um menosprezo, nem sempre disfarçado, pelos negros e negras que ocupam alguma função ou posição importante.



Não têm vida fácil, os negros deste Brasil tão miscigenado. Mesmo diante do fato que os “brancos” daqui certamente têm uma quantidade de sangue negro e índio que os tornariam, em países acima do Equador, “mestiços latinos” (no mínimo) essas criaturas insistem em tratar mal os negros. E recusam-se a admitir que os tratam mal. Mas são condescendentes. Admitem suas presenças como atos de generosidade. E alguns ficam indignados quando a gente os chama de racistas porque têm, pelos negros e pelas mulheres o mesmo tipo de bondosa compreensão. A gentileza dos superiores.



Portanto, tal e qual os racistas norte-americanos devem estar assustados com a ascenção do novo presidente, os racistas enrustidos aqui do Sul devem estar preocupados com um eventual efeito que o fato do comandante-em-chefe do exército mais poderoso do mundo ser Mr. Obama, possa ter sobre a auto-estima dos negros do planeta. E é bom que estejam. Porque sempre que eles estiveram tranqüilos, a civilização regrediu. Sempre que foram acuados, demos um passo adiante.

3 comentários:

Daniel disse...

Cesar,
este é um bom exemplo do despreparo da guarda municipal.

Independente da infração de transito cometida, nada justifica o descontrole do smurfizinho. (no final do video fica mais evidente)

Anônimo disse...

Não parece o Hamilton? Quero ver se ele vai ter coragem de mudar o foco da política americana e ajudar seus irmãos africanos, que morrem de fome no Quênia, pessoas esquecidas pela humanidade. Ele tem a faca e o queijo na mão para ser eternizado, é negro, tem opoio popular, tem maioria no Congresso e o respeito da comunidade internacional.

Anônimo disse...

Todo mundo, inclusive nosso iluminado Lula, só enaltece a vitória de um negro. Será que o Obama não tem outra qualidade que não a de ser negro ?
Ele foi senador, fez trabalho comunitário e, como diz, é independente de grupos econômicos, apesar de ter recebido as maiores doações para a campanha eleitoral da história !
Em algum lugar eu já ouvi um discurso bem parecido, mas como diz Chico Buarque, "não existe pecado no lado de baixo do Equador" e o fato do discurso não ser verdadeiro não teve consequências... apenas alguns mensaleiros, outro tanto de aloprados, todos os banqueiros satisfeitos, etecetra e tal...
Não se sabe como será no lado de cima do Equador, se acontecer da população se sentir frustrada em suas espectativas de mudança...
Mas pelo menos as filhas do Obama são muito novas para poderem enriquecer durante o mandato do pai !