quinta-feira, 20 de novembro de 2008

AMASTHA, O “CZAR DA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA”

Talvez nem todos saibam que o colombiano Carlos Amastha, depois de sua passagem... peculiar pela Ilha de Santa Catarina, agora barbariza em outras plagas.

Em seu blog (amastha.wordpress.com) ele informa, em castelhano, modestamente, que “Un costeño deslumbra a Brasil”. E o texto explica que “Un barranquillero es el zar de la educación a distancia en Brasil. Se trata de Carlos Enrique Franco Amastha, creador de la empresa pionera Eadcon, que cuenta con más de 150 mil alumnos de pregrado y postgrado”.

O blog, que embora seja identificado como sendo dele, dá impressão de ser redigido por outra pessoa, o apresenta como cônsul honorário da Colômbia em Tocantins. E dá uma informação que, para mim, era novidade: foi ele que criou a primeira rua 24 horas, aquela famosa, de Curitiba:
“En busca de otras oportunidades Carlos Enrique Franco insiste en nuevas estrategias pedagógicas y es así que, en 1993 en Curitiba, inaugura la primera calle del mundo en la que todos los negocios abren las 24 horas, siete días a la semana y 365 días al año.”

Mas o foco é o enorme sucesso dele na educação à distância, coisa que, literalmente, teria colocado o Brasil a seus pés. Pois bem, parece que alguém, no Ministério da Educação, não concorda com isso.

Segundo reportagem de Paloma Olivetto no Correio Brasiliense de ontem, “o Ministério da Educação (...) já determinou a desativação de 1.337 centros de atendimento pertencentes a quatro estabelecimentos: Universidade Norte do Paraná, Faculdade Educacional da Lapa (Fael), Universidade Estadual do Tocantins (Unitins) e Centro Universitário Leonardo da Vinci (Unisaelvi).”

Pois bem, os polos desativados da Fael e da Unitins eram administrados justamente pela...Eadcon, do Amastha.

Segundo o secretário de Ensino a Distância do MEC, Carlos Bielschowsky, na mesma reportagem, há situações em que os cursos poderão regularizar os problemas encontrados, mas no caso dos pólos das quatro primeiras instituições, cuja análise do MEC já foi finalizada, não tem conversa. “Eles não têm padrões de qualidade aceitáveis, por isso, não são negociáveis. Nesses centros, mandamos encerrar as atividades”, explica o secretário.

E, me informa um leitor preocupado com a situação dos estudantes que ficaram pendurados no mouse, que a Eadcon, que tem sede em Curitiba, teve fechados pelo MEC 1.280 dos seus 1.494 polos de atendimento presenciais. E 89 deles estão situados em Santa Catarina, principalmente na região do Alto Vale.

Bom, mas o MEC deve estar equivocado. Afinal, se o Amastha está colocando US$ 20 milhões na educação à distância... na Colômbia, faz um shopping em Palmas, TO e anuncia vários outros investimentos, é só uma questão de tempo para que os auto-elogios do blog dele virem realidade (ou voltem a ser, porque há um certo movimento pendular, em que ora está tudo tranqüilo, ora aparece algum rolo).

EM TEMPO – Tem um blog paranaense, o blog do Rigon, de Maringá, que também acompanha os passos do Amastha, porque ele andou por lá... fazendo shopping. A nota mais recente está aqui. Ah, e ele publica também a nota oficial da Eadcon explicando (pero no mucho) a situação. Aqui.

11 comentários:

Anônimo disse...

Isso é karma. Tem gente que parece que nasceu com esse dom particular de estar sempre metido em maracutaias e confusões. É um gosto especial, digamos, pela transgressão. Deve dar alguma onda, algum barato (além de um monte de dinheiro, é claro).

Anônimo disse...

Cesar esse Amastha não é aquele do iguatemi?Ele é dono?
É do rolo aquele ambiental c/ a prefa....ou é do floripa shoppig...

Não lebro bem o que foi q aconteceu...tens com avivar melhor a matéria p/ n´s do q aconteceu do rolo do shopping...
Abraços


Marco

Cesar disse...

Marco, era do Floripa Shopping, e tinha uma pinimba com o cara do Shopping Iguatemi. Era defendido, na Câmara, pelo então presidente, vereador Marcílio Ávila (Juarez estava “do outro lado”). E quando teve a operação Moeda Verde, o Amastha foi várias vezes à PF se oferecer para testemunhar (contra ou a favor o quê, não sei).

Anônimo disse...

hahahahah,eu sabia q tinha alguma coisa c/ dario,juares,moeda verde....nau podia tah muito longe neh......kkkk

Obriado,
Marcos

Loli disse...

Engraçado é que a exigência burocrática é enorme em certas áreas. Vejamos os profes ACT (admitidos em caráter temporário), do governo do estado de SC. Sempre vi jovens, alunos meus de períodos iniciais de faculdade, dando aulas como ACTs nas escolas estaduais. Todo ano há muitas vagas. Agora fui me inscrever e quase rejeitaram minha inscrição. Ainda posso ser rejeitada, apenas receberam os papéis porque forcei a barra. Candidatei-me a aulas de português para jovens e adultos. Lecionei em universidade por 17 anos. Na rede particular, lecionei português, espanhol, inglês, literatura, etc. Tenho Mestrado em Letras-Linguística, mas cometi o pecado de fazer graduação em Comunicação Social-Jornalismo (Qualquer um pode ser "jornalista", mas nós não podemos dar aula de português). Morei quase três anos em país de língua espanhola, ainda assim provavelmente não me aceitariam para dar aulas de espanhol para os adolescentes. Não tenho nenhum diploma específico, dizendo que sei espanhol. Só um mestrado feito lá fora, em língua espanhola, na área de comunicação. Tanto cuidado na seleção dos professores temporários deve assegurar muita qualidade de ensino. O que mais se vê é burocrata fazendo corpo mole, os tais pedagogentos ou pedabobos.Tão especializados são, que deveriam ser grande sucesso como professores.

Amilton Alexandre mosquito disse...

Tio César socorro. A rua 24 horas de curitiba não existe mais, faliu é só escombros e local de moradores do rua. A treta do Amastha em Tocantins é o Shopping Capim Dourado cujo laranja lá é o Adir Gentil , ex vereador de Floripa ligado aos Bornahausen.
E a Eadcon é quem patrocina a coluna do Paulo Alceu. Que barulho hein.Vou me meter nisso contigo.

Anônimo disse...

César,
A rua 24 horas de Curitiba foi uma criação da equipe do Jaime Lerner !
É muita cara de pau desse colombiano querer se apropriar da idéia !

Anônimo disse...

Esse "rapaz" colombiano deveria, ao invés de fazer auto-propagandas um tanto estranhas, era pagar as contas deixadas aqui em Maringá-Pr.
Deixa tudo nas mãos de laranjas..... inclusive da própria família.

Angelo Rigon disse...

Obrigado pela citação. Hoje tornou-se pública uma decisão judicial em Maringá que tira os administradores do shopping do Amastha, que volta a ser administrada pela família que era dona do terreno onde ele foi construído e nunca recebeu pela venda do imóvel.

Angelo Rigon disse...

http://angelorigon.blogspot.com/2008/11/pasquinelli-assume-administrao-do-aspen.html

Anônimo disse...

essa eadcon é uma fraude pois a mesma não passou o repasse que era para pagamento dos funcionários da Unitins, e os mesmo estão sem receber o cara so ganha dinheiro as custa da didatica das universidade que junto com seus gestores usão e abusam do nosso dinheiro..