sexta-feira, 28 de novembro de 2008

CADA CASO É UM CASO...

Estava olhando meio de longe essa discussão sobre se o Desafio das Estrelas (a brincadeira de kart dos famosos, na Ilha) deveria ter sido cancelado, adiado ou realizado e lembrei-me, não sei por que de dois outros eventos (bem menores em custo e repercussão, claro):

– A festa em comemoração ao Jubileu de Ouro Sacerdotal do Pe. Edgard, com missa e jantar, foi mantida e realizada, ontem, em Florianópolis. Naturalmente, as vítimas dos desastres foram lembradas, fizeram orações por elas e algumas pessoas que têm parentes e amigos nas regiões afetadas, disseram que se sentiram reconfortadas por terem participado da celebração.

– A festa de final de ano dos funcionários do jornal Diarinho foi cancelada e a verba que a empresa tinha reservado para financiar um dia da turma num hotel fazenda, será usada para ajudar os 20 colegas que tiveram prejuízo com a enchente em Itajaí. Alguns perderam tudo (a água chegou ao teto das casas deles) e estão em abrigos.

Portanto, cada um sabe onde lhe aperta o sapato e toma a decisão conforme sua consciência. No caso da festinha do kart, o problema não é só o luto estadual, mas principalmente o caos no trânsito para o norte da Ilha. Só que, a esta altura, não tem mais como recuperar o dinheiro público investido. Mesmo que fosse cancelado o evento, o prejuízo estava feito. Portanto, trata-se de chorar sobre o leite derramado. Tinha que reclamar meses atrás, quando a coisa foi acertada. Agora não tem muito o que fazer.

7 comentários:

Anônimo disse...

Não é a questão do leite derramado meu caro. A questão é de mais de 4 mil turistas que estão chegando à cidade, com hospedagem nos hotéis da região. Isto gera empregos, movimento econômico nos taxis, nos restaurantes, na vendinha da esquina, continuidade...
Mais de 12 mil ingressos vendidos, suspender o evento pra que?
Acho que a corrida poderá ser mais um ponto de recolhimento de donativos, principalmente para a comunidade devastada do Norte da Ilha.

Daniel disse...

Halgum tempo atrás quando você criticou este evento, eu fui o primeiro a ir contra. Acho importante também ter este tipo de evento na cidade. Gosto desse tipo de evento. Chega de show de pagode e sertanejo!

Eu também acho que em função do ocorrido deveria ser cancelado, mas fico me imaginando no lugar dos organizadores, como reunir em outra data tantos pilotos de todo o mundo assim de última hora??

E por outro lado, cancelar simplesmente é "realizar o prejuizo".

Situação difícil! Mas esta decisão não cabe a mim.

O que eu posso fazer e não ir ao evento.

e posso enumerar n razoes, mas o motivo maior é mesmo a segurança.

Pense no tamanho do congestionamento que se formará aonde caiu a barreira e na entrada do cartódromo. (ano passado eu demorei mais de 1 hora pra conseguir sair do estacionamento ao final do evento)

Mas o que me impede mesmo de ir, é pensar naquele barro fofo do local (só de caminhar vc já sente ele afundando quando esta seco), totalmente encharcado por meses de chuva, segurando uma arquibancada de metal, apoiada numa singela tabua para não afundar na lama.

Eu não subo numa arquibancada destas nem pra ver o papa.

Anônimo disse...

Hihihihihi...a "paulistada" ficou braba Tio Cesár. Sem neuras,...não bastassem todos estes apelos "turistóides" o Barrichelus II "comprou" direitinho a consciência midiática doando, garbosamente, R$ 100.000 em favor das vítimas. No mais....que a fila seja curta, ou ao menos válida, aos amantes da velocidade (uiiii).

Spesso disse...

Eu acho que a gente deveria fechar o Estado todo até que tudo seja reconstruido, não realizar mais nenhum evento, nada, nadinha. Só quando o último desabrigado voltar a ter uma casa é que poderemos realizar festas e seguir com nossas vidas. Até lá, pára tudo. (se alguém leu o texto sem o devido tom irônico, por favor rebobine e leia de novo). Abraço.

Anônimo disse...

Concordo. Questão de consciência ainda existe muita gente sem comida e sem ajuda.
Só espero que o resto do morro não deslize sobre a fila que se formará, não só ali como os demais.
Os terreno não permitem aglomerações e o estado de nossos rodovias não permitem deslocamentos desnecessários, as pavimentações estam se desmanchando.
ME QUE O QUE FAREMOS SE UMA NOVA CALAMIDADE SURGIR NO NORTE DA ILHA. PEGAR O HELICOPTERO LHS. CABE TODO MUNDO.

Anônimo disse...

Que não desabem os morros de Cacupé, DEVASTADOS EM FAVOR DE CONDOMÍNIOS e MAIS CONDOMÍNIOS nas bordas de uma estrada que até pouco mais de três quatro anos suportava (já mal-e-mal) o trânsito 'local'.

Anônimo disse...

pois é tanto q rebentou uma adutora da casan no trajeto de cacupé a sto antonio...pq aquele tajeto não suporta tanto carro passando c/ o desabamento da 401...mas moradores da região já prevenião qq coisa assim...