quarta-feira, 5 de novembro de 2008

PÉROLAS DO DIÁRIO OFICIAL

Dois curiosos registros encontrados no Diário Oficial do Estado de Santa Catarina do dia 29/10:

1. A SDR de Caçador contratou – com dispensa de licitação, claro – uma empresa para realizar (imagino que seja para organizar o evento) a 4ª Plenária Estadual de Conselhos de Saúde. Custo: R$ 15.400,00. Nome da empresa: Floricultura Amora Ltda. Vão sobrar buquês e arranjos...

2. A Secretaria de Estado do Turismo, Esporte e Cultura deu R$ 1,5 milhão para um “Instituto da Cultura, Educação, Esporte e Turismo” (?!) realizar um evento chamado Joinville Mundo Pop. Pode?

7 comentários:

Anônimo disse...

Joinville Mundo Pop é um evento da RBS. Vai ser o Planeta Atlântida de Joinville. Que tal? O evento acontece com renúncia de ICMS e os caras ainda faturam vendendo anúncio. Vai atrás que rende. Mas tem que ter peito.

Charles Chaplin disse...

Duas empresas com nomes diferentes podem ter o mesmo CNPJ?? Para a SOL (Secretaria) parece que pode.

Olha só:

4609/085 Instituto da Cultura, Educação, Esporte e Turismo - Festival de Música - 07.229.473/0001-04 -- NO ENDEREÇO http://www.sol.sc.gov.br/index.php?option=com_docman&task=doc_download&gid=174&Itemid=54

E

0579/084 Instituto de Educação e do Livro - 07.229.473/0001-04 Circuito Catarinense de Literatura 2008 – Feira do Literatura de Joinville -- NO ENDEREÇO http://www.sol.sc.gov.br/index.php?option=com_docman&task=doc_download&gid=9&Itemid=54

Anônimo disse...

Perderam a vergonha na cara faz tempo...

Charles Chaplin disse...

Olha só uma notícia sobre o Joinville Mundo Pop no diario.com.br: http://www.clicrbs.com.br/diariocatarinense/jsp/default.jsp?uf=2&local=18&section=Geral&newsID=a2279938.xml

Anônimo disse...

E ninguém vai preso.

Pedro de Souza

Anônimo disse...

Acertaram na mosca, o Joinville Mundo Pop, é um evento da RBS, que ao que tudo indica, se utilizou de uma "fachada". Lembram o caso do projeto Carnaval 2008, onde se utilizou o CNPJ de uma oficina mecânica para levantar R$ 2,5 milhões (sendo R$ 1 milhão para a WG)? A RBS denunciou, e agora? Difícil. E tantos festivais menores, independentes, que sobrivivem há mais de 10 anos, no peito e na raça, um circuito já pronto, de promoção da música local, dos artistas locais. Vergonha. E a RBS ainda lucrará com a venda dos ingressos, que não serão baratos. Isso é crime. É ficar esperto quanto a origem do dinheiro que irrigará o Planeta Atlântida!

Brasil da Silva disse...

Adivinha qual é a agência de propaganda do Mundo Pop?