quarta-feira, 12 de novembro de 2008

TRES NA COLA DA RBS

O procurador da República, Celso Três, dá notícias sobre o inquérito que o Ministério Público Federal está conduzindo, a respeito das suspeitas de ilegalidades e irregularidades que cercam a concentração de propriedade de meios de comunicação.

Segundo o site Making Of, o jornal-laboratório de novembro do curso de Jornalismo da USFC (o Zero) publica uma entrevista com o procurador, onde ele volta a afirmar as suspeitas que tem a respeito da RBS e suas operações no estado.

Trechos do material publicado pela MakingOf:
“Ao ser questionado se iria processar a RBS pela compra do AN, Celso Tres respondeu "Sim. A ação está sendo instruída há dois anos, por meio de inquérito Civil Público (ICP), por que é bem complexa. Também participam vários procuradores no estado. A RBS tem uma posição totalmente dominante. No RS e SC, são 18 emissoras de televisão, dezenas de estações de rádio, uma dezena de jornais. Esse caso da RBS é um escândalo. ela governa o estado. Como o CADE aprovou a compra do AN? O CADE é réu na ação porque aprovou isso".

Ao ser questionado sobre o que especificamente requer na ação contra a RBS, o procurador foi enfático: "Primeiro que a compra do AN seja desfeita. Segundo que seja cumprida a lei que diz que ela só pode ter no máximo duas emissoras no estado e terceiro a implementação da programação local. OMP quer que a Justiça arbitre um percentual de 30% de programação local no âmbito estadual e 15% em cada região, no mínimo".

Celso Tres disse que "o ICP não é um processo judicial, não tem contraditória, ou seja, quem é investigado não tem direito de resposta. Mesmo assim, o MP abriu para a RBS se manifestar e inclusive eles vieram com o mesmo discurso do Ministério da Comunicação. Eles (RBS e o MC) se comunicaram, é uma piada. A mesma pessoa que redigiu a resposta do Ministério redigiu a da RBS. "Não, porque a lei diz que é a mesma pessoa física só que no caso não é". É chamar o legislador de imbecil”.

" A radiodifusão - emissora de rádio e TV - deve estar em nome de pessoa física, não de pessoa jurídica, e cada pessoa só pode ter duas por estado. Daí o que eles fazem é colocar em nome de pessoas da mesma família", afirma o procurador.

Um trecho da entrevista vai chamar para dentro da discussão a classe política. Celso Tres, em resposta ao pergunta "O principal modo de democratizar não seria combater o monopólio e o oligopólio"? faz a seguinte observação: "O primeiro passo seria esse, mas como falei, os órgãos do executivo são muito subalternos, e também a RBS pode virar o governo. Qual a finalidade de um deputado federal que vai lá propor uma legislação mais rígida para isso? Se é um deputado de SC, a RBS vai fazer algumas reportagens contra o cara e ele está acabado. O cara não se reelege mais".”

10 comentários:

Rodrigo disse...

Faltou colocar o nome do Zero.

Rodrigo disse...

E das duas alunas que fizeram a entrevista.

Anônimo disse...

Finalmente um cara de coragem. Parabéns Dr.tres. Que se cumpra a Lei e que caia a máscara dos falsos moralistas.Mas, que o Sr saiba: eles(RBS) farão alguma armação contra o Sr, porque nisso(maldade e chantagem) eles tambem detém o monopólio.

Cesar disse...

O nome das repórteres está na matéria da Making Of, é só ir até lá. Coloquei o nome do jornal. E quando descobrir um site onde tenha a entrevista, acrescento o link.

Cesar disse...

Ah, eu achei o site do Zero, mas lá só tem a edição de setembro.

Schneider disse...

Diz a lenda que na Província de São Pedro ocorreram "causos" e mais "causos". De tempos em tempos as labaredas torravam um estúdio de televisão. Coincidentemente os novos equipamentos já estavam em navios ancorados no porto.
Outra lenda é sobre os principais pasquins dessa mesma província, ambos endividados com o banco de São Pedro. Um foi executado, o outro perdoado...
"Causos", contos, lendas.....

Rodrigo disse...

Legal, obrigado por colocar o nome do jornal.

Vou ver com a equipe quando eles vão colocar os pdf no blog (http://blogdozero.wordpress.com/)

LesPaul disse...

Não se encantem tanto. Não é tudo isso. Tem muito verniz midiático.

Carlos disse...

Esse não é o procurador que até pouco tempo procurava "coisas" da Ideli ?
Por que parou ? parou por que ?
Ou foi mais "conveniente" silenciar ou não tinha nada. Se foi por falta de provas, ela merecia pelo menos um pedido público de desculpas ! Eu acho !

Frank Maia disse...

espero q dê tempo deu ganhar o peru de natal e a participação nos lucros da RBS...:(