terça-feira, 29 de abril de 2008

CADÊ MEU PASSAPORTE?

O governador LHS, como vocês certamente já estão cansados de saber, está novamente nos Estados Unidos. E de novo vivemos aquela situação esdrúxula: temos dois governadores em pleno exercício do poder.

Sim, porque LHS se apresenta diante de empresários, lobistas, políticos e autoridades estrangeiras de todo tipo, como governador de Santa Catarina. No mesmo dia e em hora equivalente (guardadas as diferenças de fuso horário), Leonel Pavan se apresenta diante de secretários, deputados, prefeitos e todo tipo de autoridade estadual e municipal, como governador.

A nossa arcaica legislação, ao que parece, permite essa duplicidade. Sorte tem o governo que eu sou um sujeito cordato que não gosta de confusão, senão questionaria na Justiça a validade dos atos do viajante. Afinal, ao que consta, LHS, antes de viajar, deu posse a Pavan como governador. E Pavan, até onde sei, não nomeou LHS como embaixador, representante, procurador ou mandalete. Portanto, LHS não tem nada que ficar fazendo pose de governador em viagem. Ele é apenas um governador licenciado e, portanto, sem caneta. Ou pelo menos sem tinta na caneta.

Mas é claro que ninguém liga pra isso. Todo mundo sabe que aquele gesto de “passar o cargo” na saída e na volta é de brincadeirinha. Sem qualquer efeito prático. Nem o Pavan vai assinar nada que antes não tenha sido combinado com o LHS, nem o LHS vai dizer a seus interlocutores estrangeiros, em algum país distante, que falem com o governador Pavan, porque ele, LHS está licenciado e não pode prometer as esperadas renúncias fiscais e outros incentivos.

Alguém poderá pensar que essa ceninha é feita para o caso de acontecer alguma coisa com o governador 1. Ora, em qualquer situação, toc toc toc, se acontecer algum acidente, assume o vice. Mesmo que o governo não lhe tenha sido “passado” anteriormente.

3 comentários:

Schneider disse...

Simples, César....
LHS descentralizou tudo, até mesmo o sistema de governo. Agora temos um chefe de estado e um chefe de governo. Enquanto um nos representa lá fora (competência de chefe de estado)o outro governa.
É claro que Chefe de Estado mesmo só há um nesse País, que tem a exclusividade de representarnos lá fora. Mas LHS não tá nem aí. Qualuqer hora ele se inscreve para discursar na Assembléa Geral da ONU. E, ainda, leva o Marcondes junto.

Anônimo disse...

Tá faltando aquela notícia de que o senhor governador aproveitou, coincidentemente, a folga na semana e foi assitir o show de sua querida Márcia Mel. Ai que loucura de poder!!!

Anônimo disse...

Que desperdício ter vice-governador, vice-prefeito, vice-presidente ! Prá que ?
Mas ser país rico dá nisso, pode gastar em dobro !
Afinal vice não faz falta, tanto é que no primeiro mandato dona Ângela ficou sem vice e ninguém notou !