segunda-feira, 21 de abril de 2008

LÁ, COMO CÁ...

Transcrevo, sem tirar nem por, nota publicada na coluna de economia da Estela Benetti, no Diário Catarinense de hoje (um leitor deu a dica, nos comentários):

“Costão em Gramado

O próximo projeto imobiliário do empresário Fernando Marcondes de Mattos, do Costão do Santinho, é o Costão Gramado.

Segundo a revista Exame, a exemplo de SC, há obstáculos ambientais por lá e Marcondes está tentando mudar lei para construir condomínio na cidade gaúcha em área onde há mata nativa. A meta é iniciar a obra em julho.”

Curioso, fui dar uma olhada na Exame. E eis que me deparo com uma nota cujo título já diz tudo:
“Encrenca é com este senhor
O catarinense Fernando Marcondes de Mattos, dono do Costão do Santinho, desafia ambientalistas com seus empreendimentos. Agora parte para mais uma disputa, desta vez na Serra Gaúcha.”
[Clique aqui para ler parte da nota lá. A íntegra é para assinantes.]

Mais um trechinho:

““Pelo que fiz e estou fazendo por Santa Catarina e por Florianópolis, é um absurdo que isso aconteça comigo”, afirma Marcondes. Aos 69 anos de idade, ele se diz perseguido, injustiçado, mas não parece temer outra briga de iguais proporções.”

Então tá, né?

4 comentários:

Carlos disse...

Cesar, o Promotor de lá não é de ficar esperando a coisa acontecer, como mostra esse comunicado à cidade:
"Considerando que tem aportado nesta Promotoria de Justiça inúmeras denúncias de dano ambiental ocorridos na cidade de Gramado, e, em virtude da desconfiança deste número ser infinitamente inferior aos efetivos danos que estão sendo praticados nesta Comarca, o Ministério Público solicita a participação da comunidade gramadense.
Sublinhe-se que se torna necessária uma participação mais efetiva da população, uma vez que nossos órgãos de fiscalização e proteção ambiental ainda são insuficientes em face da excessiva demanda existente. Atualmente, atua na Comarca o 4ª Cia 1º Pelotão da Polícia Ambiental, o qual, não obstante o excelente trabalho exercido, atende a toda a região serrana.
Cumpre ressaltar que a Mata Atlântica é o segundo ecossistema florestal mais ameaçado do planeta, e que Gramado é privilegiado por ainda possuir esse ecossistema.
Logo, torna-se importante que a população saia da posição passiva para zelar também pela proteção ambiental de Gramado, buscando, desta forma, defender o meio ambiente de que usufrui, sob pena se ver alijada do mesmo. Uma maneira é formar ONGs, eis que, pelo que se tem conhecimento, existem pouquíssimas nesta cidade. Outra forma é trazendo denúncias, devidamente comprovadas, nesta Promotoria de Justiça, a fim de que se possa apurar o dano constatado.
Promotor de Justiça, Antônio Metzger Képes."
A gente podia mandar o telefone da delegada Júlia pra ele, não?

Anônimo disse...

e por falar em marcondes...o que deu a moeda verde???quem foi que pagou pelos inúmeros procedimentos irregulares que destacou a polícia federal??sinissstrooooo.

Anônimo disse...

Não esqueçam que a família da esposa daquele ex-vereador possui negócio no ramo hoteleiro lá mesmo em gramado. Que coincidência hein tio Cezar!!!

Schneider disse...

Se esse promotor fizer alguma "pirotecnia" que contrarie as pretensões do Marcondes, teremos uma revolução. Nosso Imperador Louis Henry XV entenderá como uma ofensa e reagirá: primeiro promoverá um banquete em desagravo e depois irá declarar guerra ao RS.