quarta-feira, 30 de abril de 2008

CUIDADO COM O CELULAR

Não é só quando está grampeado que o celular pode causar danos. Um médico australiano levantou uma questão muito interessante: suspeita-se que as radiações que um celular emite podem causar tumores no cérebro, só que ainda vai demorar um pouco para que se tenha a dimensão exata do dano.

Ele afirma que o tempo que pode levar para um câncer se manifestar varia de dez a 20 anos. Como o uso massivo do celular é relativamente recente, só de 2008 a 2012 é que os estudos poderão começar a medir estatisticamente a coisa.

Enquanto isso, a recomendação dos médicos (e do bom senso) é que os pais devem manter seus filhos pequenos longe dos celulares. E os marmanjos devem preferir usar aqueles fones de ouvido, que permitem falar ao telefone sem encostá-lo na cabeça. Aquelas coisas ridículas que ficam na orelha, sem fio (bluetooth e headsets), também têm radiações semelhantes às dos celulares.

Um comentário:

Schneider disse...

César, isso é sério mesmo.
Não sou médico, mas a bagagem deste velho radialista inclui alguns conhecimentos de eletrônica. Desde os tempos dos transceptores portáteis (os Motorola), usados em tranmissões externas como futebol, já sabíamos disso. Os técnicos nos orientavam até mesmo sobre a posição da antena em relação às nossas cabeças. A rádio freqüência atua sobre nossos corpos. Tanto que, em dosagens adequadas (freqüência e potência) é utilizada em tratamentos de fisioterapia.
O celular opera em freqüências mais elevadas. É óbvio que age sobre nosso corpo. Até que ponto, não sei. Mas tudo que produza RF é sempre algo que devemos manusear com muita cautela. Isso é tema para pesquisas e orientação aos usuários. Não é brincadeira.