quinta-feira, 24 de abril de 2008

NEPOTISMO NA PALHOÇA

Falamos aqui dia desses sobre o problema dos parentes das autoridades palhocenses e faltou contar como acabou a história. Pois o executivo e o legislativo assinaram um Termo de Ajuste de Conduta com o Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), pra acabar com a praga (ou pelo menos com a parte visível dela).

Generoso, o MPSC deu até um prazinho pro prefeito e pros vereadores de Palhoça darem um gentil pé na bunda na parentada: 31 de julho de 2008. Serão demitidos “todos os servidores que ocupam cargos comissionados e os contratados por tempo determinado que sejam parentes do Prefeito, Vice-Prefeito, Secretários, dirigentes dos órgãos da administração pública direta e indireta, e de Vereadores e de titulares de cargo de direção da Câmara Municipal.”

Pelos cálculos do promotor Raul de Araújo Santos Neto, estão na marca do pênalti 19 servidores comissionados da Prefeitura e nove no Legislativo. E no acordo está incluído o envio de uma emenda à Lei Orgânica do Município que proíba esse randevu familiar.

2 comentários:

ALISSON LUIZ MICOSKI disse...

Fico satisfeito que o MPSC
vem atuando fortemente para coibir o nepotismo nas esferas municipais, mas a pergunta que surge é, por quê tanta morosidade para atacar o nepotismo no plano estadual? Será que prefeito e vereador é mais fácil de se lidar com outros poderes que nitidamente pencam-se em nepotismo? Aí é uma boa pergunta para os doutos promotores que já estão na hora de começarem a realmente atavcar esta dsoença que encrusta a República!

Anônimo disse...

E em São José, onde o "Coronel Elias" foi obrigado a demitir quase 200 funcionários comissionados, parentes dele e do secretariado, que aos poucos voltaram para a prefeitura, recontratados como estagiários??? Cadê a fiscalização do MP? Cadê a moral desta politicalhada sem-vergonha?