quarta-feira, 12 de março de 2008

ACABOU A MAMATA?

Não tem aquela lenda de professor que faz de conta que dá aula, aluno que faz de conta que aprende e fica tudo por isso mesmo? Pois o procurador da República Davy Lincoln Rocha parece que não acha muita graça nessa brincadeira. Principalmente na Universidade Federal de Santa Catarina que, como vocês sabem, é sustentada pelo nosso rico dinheirinho.

Ele vai instaurar um inquérito civil público para investigar denúncias contra “certos professores desidiosos” da UFSC. Segundo as denúncias, “apesar do semestre recém ter começado, muitos professores ainda não compareceram às aulas, outros vêm faltando ou não completam a carga horária especificada nos créditos, ou ainda estão em férias e não deixam substitutos”.

O cenário, portanto, é de uma legítima Casa da Mãe Joana. E o resultado é que alunos ficam sem aulas.

Para Lincoln Rocha, a coisa pode ser resumida em dois pontos:
1. “Se a Reitoria paga por aulas que não estão sendo dadas, pode se configurar improbidade administrativa;”

2. “Se o professor recebe sem aparecer em sala de aula é peculato.”
Uau! O problema é que muitos departamentos funcionam como casulos corporativos, que protegem os parasitas que eventualmente hospedam com carinho e desvelo. Pode ser difícil conseguir provar, mas o objetivo é nobre: ensinar pra gurizada que o crime não compensa. Vale o esforço.

O promotor esse é aquele que propôs as ações contra as cotas raciais na mesma UFSC.

4 comentários:

Anônimo disse...

é mais acho que não é só na ufsc... dá uma olhada na udesc...é uma VERGONHAAAAAAAA.

Carlos disse...

Vai em frente Dr. Lincoln !
Está na hora de começar a moralizar o serviço público e deve começar exatamente nos locais de ensino !
Tem muita coisa boa feita na UFSC, mas não resta dúvida que está cheio de mamatas às custas do nosso suado IPI, IOF, IRPS, PIS, COFINS, etc, etc.
São cursos e pós graduações só para engordar salários, sem contar os bicos que são feitos com a estrutura federal e usando o título de professor universitário para concorrer com os mortais comuns ! Isso sem falar nas greves !
Só espero que o resultado seja melhor do que o da Escola Bolshoi !

Anônimo disse...

Até enfim alguém vai mexer neste abelheiro. Mas tem que incluir a Udesc, a Escola Técnica e algumas escolas estaduais.
Tem professor DE que tem 3,4 empregos, outros nunca aparecem e quando aparecem fazem de conta que dão aula. (vc conhece bem isto, cesar foi coordenador de um curso na UFSC que estava cheio de professores matões de aulas)
As Fundações burlam licitações, professores ganham pela UFSC e pelas Fundações.
É uma festa!

Anônimo disse...

Acho que devem dar nomes aos bois( e vacas),até para que os bons, muito bons,não sofram o desrespeito
que só os bagaças merecem.

Tem curso lá que não tem aluno, mas ninguém tem coragem de fechar graças ao espírito de corpo, entre os doutores então...

Uma universidade federal, numa ilha, que ainda não tem curso de oceanografia, nem geologia, mas continua com cursos quem nem aluno tem.
E tem cursos com alunos, aos montes, mas que só formam futuros desempregados, como Direito e Jornalismo, em cada esquina há uma penca.
Desperdício.