terça-feira, 9 de setembro de 2008

CARA DE PAU

Está no site do TRE (aqui) a história de um candidato a vereador de Corupá, SC, que teve seu registro negado porque não votou no plebiscito do desarmamento. E ele só não votou nem justificou por um motivo de grande força maior: estava hospitalizado, “sob custódia da Secretaria de Segurança Pública, por ter sido baleado após trocar tiros com a polícia e ser preso, na véspera do pleito”.

Ah, tá, coitado. Hospitalizado e preso, não podia mesmo ir votar. E essa gente má não quer deixar ele se candidatar só por causa disso...

3 comentários:

Anônimo disse...

Utilizando a arma, ele já demonstrou sua posição com relação ao desarmamento.

Wilmor Henrique disse...

Rá! Piada mais do que pronta essa.

Anônimo disse...

Segundo o STJ, enquanto houver alguma possibilidade de recurso o réu é considerado inocente. Pode ter dado dois tiros na cara da namorada e ter confessado, como o jornalista Pimenta fez, que enquanto não for julgado o recurso final o cara é inocente. Justiça tapuia em ação.
Carlos X