quarta-feira, 3 de setembro de 2008

HELIPONTO NO PALÁCIO

Estava lendo, no blog do Dr. Moreira as notas sobre o apoio do governador à reeleição do Dário (“está em jogo o futuro de Florianópolis”), quando me lembrei de uma outra coisa. LHS disse que teve que esperar o Dário ser prefeito para poder tocar a obra do teatro Pedro Ivo (aquele que está sendo construído há anos no Centro Administrativo).

Pois bem, ninguém tinha entendido por que LHS mandou desmanchar um excelente auditório para construir o tal teatro. Ainda mais porque o principal teatro da cidade estava (e continua) jogado às traças. Mesmo no Centro Administrativo tem gente que ainda não entende (já que, mesmo depois de pronto, o teatro será utilizado principalmente como auditório).

Ora ora, meus amigos: o coração do projeto, a jóia da coroa, a cereja do bolo, é o heliponto que será instalado no alto da caixa do teatro, no prédio principal do Centro Administrativo. E, para ir do gabinete do governador ao heliporto, um acesso reservado, protegido e rápido. Resta saber como reagirão os atores e o público quando, no meio de um espetáculo, o helicóptero roncar sobre suas cabeças...

AREIA NO PROJETO
Tinha acabado de escrever a nota acima, quando fiquei sabendo que uma auditoria do Tribunal de Contas do Estado encontrou irregularidades na obra. Diz a nota do TCE:
“Auditoria in loco do Tribunal de Contas de Santa Catarina nas obras de reforma e ampliação do Centro Administrativo do Governo do Estado, com a construção do teatro Pedro Ivo Campos e de um heliponto, levantou supostas irregularidades na execução do contrato firmado entre a Secretaria de Estado do Desenvolvimento Regional da Grande Florianópolis e a Construtora Espaço Aberto Ltda. Também foi apontado eventual problema no projeto estrutural, desenvolvido pela empresa Jass Joinville Arquitetos Ltda.”

Por causa da falta de previsão orçamentária, a obra que deveria levar 240 dias levará 810 (se não der mais nenhum problema). O custo aumentou 33% (de R$ 2,7 milhões passou para R$ 3,5 milhões). Fora outras irregularidades, como os pagamentos das fundações. Como resultado, o TCE decidiu converter o processo em Tomada de Contas Especial. Um ronco ainda mais incômodo que o do helicóptero.

6 comentários:

Anônimo disse...

Corrijam-me se eu estiver errado, mas pelo que me lembro, houve acidente fatal com um trabalhador naquela obra. Já faz algum tempo.
Essa desculpa do teatro para poder viabilizar o heliponto eu já havia cantado a bola faz tempo. Aliás, todos sabem que o LHS só pensa naquilo: Usufruir as benesses que o cargo permite (e as que não permite também).
Falando em obras polêmicas, poderíamos adiantar a seguinte discussão: Deve o governo do estado torrar mais uma "baba" de dinheiro com ALUGUEL de uns bonecos para decorar o palácio do governo (ôps, centro administrativo)?

Anônimo disse...

Cesar,
ouvi um dia desses que não se transforma impunemente um auditório administrativo em um teatro para centenas de pessoas.

Eles teriam concepções diferentes desde o gênese, coisas que vão dos acessos, inclinação do piso até a acústica, sem esquecer na necessidade de palco, bastidores, camarins, etc.

Ou seja, não é reforma. É uma construção totalmente nova... E aí o preço, ó!!!

Anônimo disse...

“A obra que deveria levar 240 dias levará 810 (se não der mais nenhum problema). O custo aumentou 33% (de R$ 2,7 milhões passou para R$ 3,5 milhões). Fora outras irregularidades, como os pagamentos das fundações”.
Agora dá para entender o começo da nota: “LHS disse que teve que esperar o Dário ser prefeito para poder tocar a obra do teatro Pedro Ivo!”
O Dário e seu irmão, Djalma, acabam de ser condenados a devolverem cerca de 400 mil por várias irregularidades e superfaturamento em obras em São José. É um fato, público. Será que o Luiz Henrique não ficou gelado ao saber disso? Ou tem certeza que nada dá punição, se vc for branco, rico e fazer parte de algum poder?

Anônimo disse...

Caro Valente, pesquise e vc verá que o heliponto não tem liçença do ministério da Aeronautica.Não poderá ser utilizado.

Schneider disse...

Viva a prepotência!

Anônimo disse...

Peraí! A espaço aberto não é aquela que doava dinheiro p/ campanhas do içuriti, e são ligadíssimos até hj? Tinha que ter rolo...