sexta-feira, 11 de janeiro de 2008

SUTIL PRESSÃO

Não é segredo para ninguém que tanto LHS quanto Lula acham exageradas as preocupações ambientais. Já reclamaram em público, mais de uma vez, tanto contra a demora dos licenciamentos, quanto do rigor da lei.

Pois o governador, de uns tempos pra cá, resolveu marcar a Fatma sob pressão. Isto que o órgão estadual não é exatamente um modelo de rigor (que o diga o Ministério Público Federal). Agora, até entrega de licença ambiental prévia vira solenidade com presença do governador. Como o nome diz, a LAP sequer permite que qualquer obra inicie, é prévia mesmo. Mas lá está LHS, avalizando o termo, ao lado do presidente da Fatma.

Ao dar este aspecto solene e oficial a atos burocráticos e rotineiros, LHS coloca a Fatma e seus técnicos numa sinuca de bico: como pedir novos laudos ou negar a licença, se o governador, em pessoa, está esperando para entregar o papel para a empresa interessada?

Claro que essa tática reduz a figura do governador a mero advogado de defesa das empresas (ou então, despachante de luxo), mas isso parece não incomodar LHS. Afinal, degradação ambiental não tira voto, mas emprego, mesmo em empresas poluidoras, sempre dá uns votinhos.

2 comentários:

Schneider disse...

Esse não é um comportamento adequado para um homem público. Isso é INTERMEDIAÇÃO. Pior, intermediação por parte de quem detém um cargo público. Assim, é IMPROBIDADE.
E ninguém faz nada. Em outros estados seria motivo para uma CPI. No mínimo. sem falar em Ministério Público e etc.

Anônimo disse...

Sutil pressão? Sutil?