sábado, 12 de janeiro de 2008

O DÁRIO ACORDOU?

O prefeito Dário sacudiu a poeira, espantou o sono e avisou ontem que é pros vereadores voltarem rápido, porque ele está com cinco projetos esperando pelo sim dos nossos representantes municipais.

Na verdade, é um pacote que poderia perfeitamente ter sido lançado há bem mais tempo. Um deles pretende corrigir o problema da falta de habite-se de pelo menos 17 mil imóveis comerciais, coisa que se arrasta há uns 20 anos. Outro, que chega meio tarde, quer “dar um tempo” nas construções da bacia do Itacorubi (como se ainda tivesse sobrado muito o que salvar).

Tem também a regulamentação do impacto de vizinhança, que é uma imposição do Estatuto das Cidades, uma norma federal.

E os dois projetos restantes são de interesse direto do governo LHS: as alterações do Plano Diretor nas regiões da penitenciária (Trindade) e do Centro Administrativo (no Saco Grande).

No caso da penitenciária, que o governo quer vender ou trocar, é preciso dar à área a melhor configuração de aproveitamento, para atrair interessados. No Centro Administrativo, o que está pegando é que o governo quer construir lá algumas torres, de uns dez andares, para abrigar toda a estrutura central do governo. Hoje só são permitidos prédios mais baixos, de uns três ou quatro andares.

Portanto, data vênia, salvo melhor juízo, urgência nenhuma. Exceto aquela velha pressa, causada pela demora em apresentar as propostas. Ficou paralisado o ano inteiro e aí quer resolver tudo de uma vez, em janeiro e fevereiro.

Dirão os otimistas: “antes tarde do que nunca”. É verdade. Sempre é melhor alguma ação do que a omissão.

Sobre a tal “moratória”, que tem animado tanta gente, que já vê no Dário um valente cavaleiro solitário duelando contra os dragões da incorporação imobiliária, tenho lá minhas reservas.

Já vi muita coisa, na vida, pra sair batendo palmas assim, de repente. Prefiro firmar bem os quatro pés no chão, colocar a barba de molho e esperar um pouco mais antes de elogiar ou condenar. Vai que não é bem isso...

Ainda há muitas dúvidas no ar: se a solução era assim tão fácil, por que não propôs antes? Só porque ainda não era ano eleitoral?

4 comentários:

Siri Goyá disse...

Quando toda a estrutura estiver no centro admnistrativo vamos conhecer o que é engarrafamento de verdade na SC-401.
No blog do Reinaldo Azevedo de hoje há um post interessante que peço permissão para citar: Qual a diferença entre um país decente e um indecente? No primeiro, os negócios são feitos de acordo com as leis; no segundo, as leis são feitas de acordo com os negócios.

Anônimo disse...

Caro César,

E por falar ocupação urbana da área do Centro adminitrativo do Governo Estadual, por que o edital de contrução da nova sede já foi lançado, sem a garantia desta alteração?
Inclusive prevendo o avanço sobre terrenos de terceiros, ainda não concluído.
Da pra desconfiar, não? E tudo com o aval de Secretário da Adminsitração, tão "cioso" em propagandear as economias obtidas em 2007! Economias ou "tranca" nos desperdícios de 2006! Alguém se lembra quem eram os candidatos ao Governo?

abraços,

Luiz Fernando

Carlos disse...

Quer dizer que para agradar o chefe LHS, o Dário quer aumentar gabarito e coisa e tal, na Agronômica e no Monte Verde ?
Aliás, será que eles não aprendenderam ainda que a penitenciária está localizada na Agronômica, em área abrangida pela moratória do outro projeto outro "urgente" dele ?
A questão do trânsito na SC-401 não vem ao caso, pois o LHS só vai de Joinville para o Centro Adminidtrativo de helicóptero !

Anônimo disse...

As torres que o LHS precisa construir no Monte Verde são consequência da Descentralização ????