terça-feira, 29 de janeiro de 2008

O EMBAIXADOR

Dois incidentes quase tiram o brilho da rápida passagem pré-carnavalesca do embaixador LHS (vamos chamá-lo assim porque o governador de Santa Catarina, nestes dias, é o Pavan, de papel passado e tudo) pela Europa:

1. A capenga reportagem do jornal O Estado de S.Paulo sobre as viagens dos governadores ao exterior;

2. A prisão do amigo e correligionário Wilson Rebello, como suspeito de envolvimento em esquema para fraudar a Previdência.

A reportagem é capenga porque só fez o levantamento do atual mandato. Deixaram de fora o anterior, onde LHS também não fez feio. E é capenga porque só incluiu governadores que forneceram as informações. Isso empana um pouco o brilho da vitória de LHS. Alguém pode pensar que um dos governadores que sonegou informações poderia ter mais milhas voadas do que ele. Não tem, mas a falha na apuração deixa essa sombra, a macular a consagração do primeiro lugar que, de outra forma, seria inconteste.

A prisão ocorreu justamente no dia em que LHS praticamente lançou a pedra fundamental de um centro cultural francês e foi inspecionar, conhecer e recolher dados técnicos de um metrô de superfície parisiense. Não fosse o noticiário produzido em torno do icebergue, os florianopolitanos ficariam sabendo, com mais detalhes, destes gestos de amor pela capital. Afinal, LHS dedicou boa parte do seu escasso tempo, a Florianópolis. Cidade que tem um teatro estadual (o CIC) caindo aos pedaços, mas vai ganhar um centro cultural francês novinho em folha.

RECORDAR É VIVER!
ABAIXO, ILUSTRAÇÃO PUBLICADA NA COLUNA DE 14 DE JANEIRO DE 2006

3 comentários:

Carlos disse...

Cesar,
Ontem o LHS visitou a Alsthom para conhecer o metrô de superfície em Paris.
Sugiro que seja reproduzida a matéria do do blog do dia 23 de janeiro de 2007, na qual há um ano apenas, o Governador afirmava que "a história do metrô de superfície não é piada. Os japoneses (interessados em vender os trens) vão providenciar o projeto."
Mas pouco depois, no dia 21 de abril de 2007, a SC Parcerias cancelou a licitação para "contratação de empresa de consultoria de engenharia para estudo de viabilidade de sistema de Metrô de Superfície (Tramway), com passagem sobre a Ponte Hercílio Luz ou outra alternativa, em Florianópolis".
Se tudo isso "não é piada" oque é então ?

Anônimo disse...

Será um sistema híbrido, reunindo o melhor do mundo. A tecnologia francesa e japonesa já está acertada. Some-se a isso a visita ao sistema ferroviário de Portugal (esqueceram?). O trenzinho merece mesmo o pomposo nome de "metrô de superfície".

Anônimo disse...

Eu sugiro um tramway ligando Florianópolis à Joinville. Prá facilitar a devolução da "mercadoria estragada".