sexta-feira, 11 de janeiro de 2008

DESCONFIANÇA MÚTUA

O governo desconfia (muito) da gente. Não acredita na nossa palavra e sempre pede reconhecimento de firma, papelada, carimbos e nada consta.

E os governos, todos eles, sempre pedem que a gente confie na palavra deles. Mas sabemos que não dá pra confiar.

A Lúcia Hippolito, no seu blog (www.luciahippolito.globolog.com.br), resumiu brilhantemente essa difícil convivência no reino da desconfiança. Estes são alguns trechos:
“O ministro de Minas e Energia afirma que não há risco de apagão de energia elétrica.

Mas o diretor-geral da Aneel afirma que é melhor o país preparar um Plano B, porque o nível dos reservatórios brasileiros é o mais baixo dos últimos 76 anos.

E a sociedade civil? Está convencida de que o racionamento vem aí.

O ministro da Saúde afirma que não há risco de uma epidemia de febre amarela urbana. Diz que os casos são de febre amarela silvestre.

A ministra do Turismo afirma que todas as pessoas devem se vacinar. (...)

E a sociedade civil? Faz fila nos postos de saúde para se vacinar.

Resultado: está faltando vacina em Brasília, no Rio de Janeiro, e em outras localidades.

As duas principais notícias de hoje demonstram, mais uma vez, o pesado manto da desconfiança que cobre as relações entre o Estado brasileiro e os cidadãos.

Não se trata de situação nova, o governo Lula não inaugurou nada – apenas aprofundou a desconfiança entre Estado e sociedade civil.”

2 comentários:

Carlos disse...

Acreditar como ?
O Lula não garantiu que a revogação da CPMF não iria provocar aumento dos impostos ?
Pois o Mântega aumentou e teve a cara de pau de dizer que a promessa era só para 2007 !
E os aloprados do Lula ? Um deles agora é presidente do partido do Lula !
E o Zé Dirceu que agora defende o Delúbio, confirmando que eram verdadeiras as denúncias feitas pelo Roberto Jeferson e que ele, Dirceu, negava veementemente quando era o todo poderoso do governo ?
Dá pra acreditar ?

Ilton disse...

Por coincidência, abordei os mesmos assuntos, e um pouquinho mais, no meu blog, hoje. Sentindo na carne o problema da energia elétrica: faltou luz, no meu bairro, das 7,55 às 16,35 horas, mais ou menos. E vamos adiante. Abração.