quinta-feira, 10 de janeiro de 2008

SÓ PARA RICOS

O presidente da Casan, Walmor de Luca, distribuiu para jornalistas, junto com o seu cartão de boas festas, um artigo que ele escreveu, sob o sugestivo título de “Turista tomando tererê ou tomando champagne francesa?” O artigo foi também publicado, no dia 2 de janeiro, no jornal A Notícia.

[Para ler o artigo, na íntegra, clique aqui]

Da leitura depreende-se que o turista pobre é predador, daninho. E por isso deveriamos encontrar um jeito de só deixar entrar turista rico no estado.

O tererê a que o título nada sutil se refere, é uma espécie de chimarrão, do jeito que muitos paraguaios, uruguaios e argentinos tomam. Como é uma bebida popular, barata, que eles tomam até na praia, caracterizaria o tipo de turismo que, segundo o presidente da companhia de água e esgoto de Santa Catarina, deveria ser evitado.

Já o gosto pelo champagne francês (uma redundância, porque não existe champagne em outros países: é uma denominação de origem registrada por uma região da França) representaria um turismo de qualidade.

Não sei com quem o Walmor andou se aconselhando ou conversando sobre turismo e turistas, mas fazia tempo que não ouvia, ou lia, uma bobagem tão grande. Se fosse o LHS que tivesse dito, até compreenderia, porque o governador tem feito reiteradas declarações de amor ao nouveau richisme, com uma xenofilia obsessiva e, quase sempre, equivocada.

“O bom senso impõe-nos que discutamos se o nosso destino está mais para a pobre Praia Grande ou para a rica Guarujá”, argumenta o presidente da Casan, resumindo a questão. Falta apenas descobrir como se dará, na prática, a inconstitucional segregação econômica e social que reservará SC para os endinheirados do mundo, impedindo de entrar ou deportando os “pobres”. Se por decreto, ato institucional ou manu militari.

8 comentários:

Anônimo disse...

Todos os anos nessa época inventam uma desculpa para o velho problema de falta de água. Ele diz que saneou a empresa, que não tem dívida, empresta funcionário... Tem que ter dinheiro sobrando. Pra onde esse dinheiro vai? Pelo artigo, dá pra supor que ele quer é investir em bairros mais nobres, pois o pessoal mais rico deve fazer um cocô mais perfumado, tipo lavanda.

open eye disse...

Cesar,
Como o Walmor pretende separar é uma incógnita. Se parassem de fazer propaganda de Florianopolis na midia em SP, Rio, MS, PR, etc... ajudava alguma coisa. Mas uma coisa temos que concordar com ele: champagne (ou até os espumantes) são muito melhores que o tal de terere (quente já é ruim e frio então é insuportavel)

Anônimo disse...

Além de tudo se mostra ignorante , já que o Guarujá tem um público exatamente igual ao de Florianópolis , digo isso com a certeza de quem tem casa no Guarujá.

Anônimo disse...

Basta fazer minhas as suas palavras...enfatizar algo que diz tudo: "mas fazia tempo que não ouvia, ou lia, uma bobagem tão grande..."...Por decreto, ato institucional ou manu militari proíbam o Prsidente da CASAN de expor qualquer tipo de comentário, garanto que o interesse público está presente neste pedido...

Marcelo Santos disse...

Caro professor Cesar (desculpe, mas o vejo assim desde o curso de pós na UFSC), nada mais me surpreende vindo deste governo. Não por acaso, LHS passa mais tempo no exterior (Putin que o diga!) que no Estado. O presidente da Casan apenas reproduz o discurso do patrão. Como não há planejamento de setor algum para a temporada de verão, arrumam desculpas para problemas cuja responsabilidade é deles. Ora, o senhor Walmor de Luca deveria providenciar antes de mais nada o abastecimento decente para comunidades da ilha. O descaso repete-se há anos. Conheço o verão do Guarujá e os problemas de lá são tão aterrorizantes quanto os daqui. Ademais, cada um bebe o que quer na praia e beber champagne nunca foi sinônimo de turismo de qualidade. Bom, a polêmica sobre o poder de polícia dado à Casan foi apenas um exemplo de como não se pensa a temporada. Educação é uma coisa, repressão é outra. Abraço.

Anônimo disse...

Talvez a preocupação do Presidente da Casan seja com o consumo de água e as dificuldades da estatal em garantir o seu abastecimento; afinal, para fazer o tererê, esta será necessária. O champagne já vem pronto. Mas, neste caso, também poderiam merecer melhor tratamento os tomadores de cerveja. Certo ?

Anônimo disse...

Caro César.
O LHS é, de fato, um novo rico. Se acha um chanceler e age como um imperador. Mas isso é fácil. Basta alugar uma decoração natalina por 250 mil, aproveitar uma viagem oficial ao exterior para ir ao casamento da filha na Itália...
Num clima desses as coisas sobem à cabeça e a arrogância se multiplica...

Anônimo disse...

César, o Walmor De Luca deu uma entrevista nesta segunda à noite na TVBV. O presidente da Casan disse que é contra o "turismo parasitário", disse também que os espaços mais nobres da cidade têm que ser reservados para os turistas que geram renda. Definisse bem: "inconstitucional segregação econômica" e às claras.
Se fosse um jornalista que dissesse isso, era bem capaz de quererem processá-lo.