terça-feira, 15 de janeiro de 2008

FALCATRUA

O Ministério Público Estadual de Santa Catarina realizou ontem, com apoio da polícia Civil, uma operação que alguns coleguinhas chamaram de “Falcatrua”, para deter suspeitos de... falcatruas com dinheiro público na secretaria de estado da Saúde. Aparentemente o necessário sigilo foi mantido e a operação, bem sucedida e bem executada, com dois suspeitos graúdos presos, pelo lado dos corruptos e outros pelo lado dos corruptores.

Acho que vocês sabem, ou pelo menos imaginam, que a secretaria da Saúde não é o único órgão ou entidade pública que hospeda servidores corruptos. E que não existem corruptores apenas entre os fornecedores da área da saúde.

Enquanto não se instalar, entre a maioria silenciosa, mas honesta, de servidores públicos, a consciência que diante da patifaria não pode haver conivência nem omissão, os patifes encontrarão sempre um jeitinho de nos roubar.

Não dá pra fazer de conta que não viu, com medo de arranjar encrenca: é preciso denunciar, por todos os meios. E confiar que, mais dia, menos dia, a casa cai. Lugar de corrupto é na cadeia ou, pelo menos, na boca do povo.

Update das 9h: por um inexplicável cochilo, escrevi, na versão original desta nota (e, pior, naquela que foi publicada no jornal) “Ministério Público Federal” onde deveria escrever Ministério Público Estadual. Corrigi agora, alertado por um leitor. Perdão, leitores da madrugada. Com os leitores do jornal só poderei me desculpar amanhã :-(

4 comentários:

Anônimo disse...

Prezado Cesar! Só para te avisar que esta operação foi realizada pelo Ministério Público do Estado de Santa Catarina, e não pelo Federal e como tal, não denominou a operação. Operação Falcatrua é delírio de algum órgão de imprensa. Abraços!

Anônimo disse...

A pena de quem desvia dinheiro que seria destinado a saúde, deveria ser dobrada. Visite os hospitais da rede pública, em especial as áreas destinadas aos pacientes do SUS e se revolta com tamanha falta de humanidade.

Cesar disse...

Obrigado pelo aviso. Eu sabia que era o MPE, pensei no MPE e escrevi MPF. Deve ser aquele minuto de bobeira a que todos estamos sujeitos de vez em quando. Quanto ao nome, quando saiu a nota do MPE explicando que não batizou a operação, a nota já estava publicada.

Anônimo disse...

Cesar,

Queria tirar férias do teu blog para não mais encher o saco dos teus milhares de leitores.

Os caras do Governo não deixam. Que coisa! Ë um escandalo atrás do outro.

Eta PMDB complicado. Sem esforço, vou lembrar alguns:

Ponte Pedro Ivo
Letras
Trirradial no Besc ( o emprestimo que o Eduardo Pinho Moreira não quer pagar)
Aldo Hey Neto e outros menos votados.

Sao muitos os escandalos.


Pedro de Souza