quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

OS PRIMEIROS 30 MESES DA GRANDE OBRA...

Quando o LHS comprou o Centro Administrativo do BESC para instalar ali o Centro Administrativo do governo, encontrou no prédio principal um grande auditório, de uns 400 lugares. Era usado com freqüência para várias atividades. Como, por exemplo, as solenidades da Semana do Servidor, que a foto acima, de junho de 2005, mostra.

Mas, em determinado momento, LHS resolveu que o auditório não servia mais e que, no lugar, deveria construir o maior e melhor teatro que Florianópolis já teve. E no mesmo junho de 2005, LHS deu o pontapé inicial. Claro que, para não dar muito na vista, LHS assinou, na mesma data, a “revitalização” do maior teatro da capital, o do CIC, que estava (e continua) bem maltratado.

A grande obra começou, em novembro de 2005, naturalmente com a destruição do auditório e a construção da caixa do palco do teatro. Mesmo que provisoriamente, ficou o Centro Administrativo sem o seu grande auditório.

No dia 21 de novembro de 2005, o secretário regional, Valter Gallina, anunciava, satisfeito, que o teatro Pedro Ivo, no Centro Administrativo, seria inaugurado em agosto de 2006, com área de 2.340 m2 e 760 lugares. Custaria, segundo as estimativas daquela época, R$ 2,7 milhões.

Mas as águas passaram por debaixo e por cima das pontes, o ritmo das obras tornou-se irregular e, pelo jeito, o fluxo de recursos também.

Em janeiro de 2007 fiz essa foto aí, onde se via que, um ano e pouco depois, a estrutura de concreto estava praticamente concluída e as paredes começavam a ser erguidas.

Ontem dei um passadinha lá para registrar como anda a obra. Vê-se que as paredes já foram erguidas, que o reboco já tem marcas do tempo que passou. E que, no tapume, foi pintada a marca registrada do governo LHS.

Como disse Gallina, no distante novembro de 2005, “o teatro Pedro Ivo Campos é mais uma prova de que o Governo do Estado investe, e muito, em Florianópolis, como em toda a região”.

Agora, cá entre nós: alguma coisa deve ter dado muito errado, para que a obra tenha ficado nesse estado de semi-paralisia (era pra ter sido inaugurada em agosto de 2006!). Imagina só, um troço desse tamanho, bem ao lado do gabinete do governador, com um tapume que vai até à entrada principal do Centro Administrativo, se arrastando por 30 meses e sem prazo para concluir.

No meu tempo se dizia que quando alguém começava uma coisa sem planejar direito e não conseguia terminar, é porque tinha dado “um passo maior que as pernas”. O fato é que, se fosse na minha casa, eu ficaria muito envergonhado, porque os vizinhos, que são umas flores de pessoas, certamente ficariam falando mal daquele troço inacabado bem na entrada da casa. No mínimo diriam que eu estava falido.

7 comentários:

Anônimo disse...

E o transporte marítimo que já rendeu duas viagens ao exterior ? e o novo aeroporto ? e o metrô japonês que ia sair de graça ? e a transferência das estradas para o município ? etc, etc,
Só dá Marlene Rica, Aldo Hey, Moeda Verde, Falcatrua e outros

Anônimo disse...

Caro César, leia o plano diretor da cidade e entenderás. Outra coisa que aconteceu foi a morte de um trabalhador, o qual não tinha as mínimas condições de segurança.

Bruxinha disse...

É que quando as lajes desabam, aí...demora mesmo...

Anônimo disse...

E o CIC heim Cesar? Dá vergonha de terem deixado chegar no atual estado, lastimável, caindo aos pedaços. Agora, anunciam uma reforma, mas se for pelo mesmo andar da carruagem do teatro Pedro Ivo, vai demorar uns três anos para ser concluída. Abraço deste seu leitor também indignado com a palhaçada que é este governo LHS.

dimitri disse...

STF dá dez dias para Lula explicar aumento da alíquota do IOF
da Folha Online
08/01/2008 - 18h09

noticia da folha hoje é dia 18 será que acontecerá algo?

Anônimo disse...

Olá César
O mais engraçado nessa história do Teatro Pedro Ivo é que ele só possível graças a "Descentralização".
Uma obra na SEDE do Governo, o CENTRO Administrativo só saiu porque o nosso genial governador inventou a tal descentralização.
Assim fica difícil ser feliz!

Anônimo disse...

É, tio César... além do desabamento já comentado, infelizmente suas fotos não conseguem mostrar, mas a parte de trás do prédio (aquela que não aparece para o eleitor) está apenas no tijolo puro. Nem sequer o reboco colocaram.

Não sou da área de engenharia, mas... tijolos ao ar livre por tanto tempo não estragam? A obra é segura? Será esse o motivo do desabamento no ano passado??

Maquiaram a "fachada" mal e porcamente... mas por trás, como é o costume desse governo, tudo apodrece e causa nojo.