quarta-feira, 10 de outubro de 2007

UÉ!? PRIVATIZARAM?

Não sei vocês, mas eu lembro perfeitamente da campanha eleitoral, onde o Lulinha Paz e Amor aparecia como o tio bonzinho que protegia os bens públicos, e o adversário... Alckmin? e seu partido, PSDB, eram os monstros que venderiam o Brasil a preço de banana.

Fiquei convencido que, enquanto Lula estivesse no governo, ainda mais desfrutando de amplo apoio popular e relativamente folgada margem de apoio parlamentar, jamais privatizaria nada.

Entendi até que o PT e seu líder viam com simpatia aquele movimento pela reestatização da Vale do Rio Doce. Ou seja, o PSDB era o partido da privatização, o PT e Lula, da estatização.

Não foi, portanto, sem alguma surpresa (mesmo que, de uns tempos para cá, nada mais me surpreenda), que assisti a privatização de várias rodovias federais. Manoel Mota (PMDB) e deputados do PT catarinense devem estar possessos com essa “derrota”.

Vamos ver se agora continuam mobilizados para cobrar, dos governos, explicações sobre a destinação da grana dos impostos. Pras estradas, a gente já sabe que não iam.

PREPARE O BOLSO

Para quem viaja bastante por via rodoviária, é uma boa notícia. Afinal, a experiência brasileira tem mostrado que as estradas, privatizadas e pedagiadas, ganham qualidade e se mantém em boas condições por mais tempo.

Aqui em Santa Catarina, dois dos principais trechos foram “entregues” pelo governo Lula a grupos privados espanhóis: a rodovia de Florianópolis a Curitiba (BRs 101 e 376) e a BR-116 inteira (que passa por Lages).

Segundo as primeiras informações, de Florianópolis a Curitiba serão instaladas cinco praças de pedágio e em cada uma o usuário morrerá com R$ 1, mais ou menos. Na BR serrana os preços serão mais salgados (será que é porque estão prevendo despesas com duplicação?): R$ 2,50 em cada praça. Estão previstas três praças, para o trecho que vai da divisa do RS com SC, até Curitiba.

Aquela coisa horrorosa que é a Régis Bittencourt também foi privatizada, para alegria dos motoristas catarinenses que vivem pra cima e pra baixo, levando e trazendo produtos (hortaliças, pescados, etc) do e para o Ceasa paulistano.

Ah, dia desses arrebentei uma roda e um pneu num buraco, na Régis Bittencourt, perto de Registro, SP. Como sou viajante esporádico, o que tive que gastar ali, na bucha, pra poder continuar a viagem, daria pra pagar pedágio por alguns anos.

3 comentários:

Carlos Andrade disse...

Apesar da privatização, acho q vale comemorar o fato de o governo deixar de cobrar uma parte, uma "aluguel", mensal que encareceria o pedágio e foi cobrado nas privatizações anteriores.

Isso permitiu diminuir de 4 a 6 para de 1 a 3 reais.

Já é uma grande vitória não precisarmos pagar mais essa taxa.

Abraços

Carlos Andrade

Anônimo disse...

Ué, mas a C.I.D.E. não é para as estradas? Prá que pedágio.

Daniel disse...

Viajo 3 ou 4 vezes ao ano para Sao Paulo e acredito sim que a rodvia pedagiada traga mais segurança para quem trafega.

Só não gosto de ver como até mesmo pessoas mais críticas como você Cesar, aceitam isso tão passivamente. Me pareceu até que estava comemorando adecisão.

Isso na verdade não passa de um aumento nos impostos que todos pagamos. Pois o dinheiro que o governo gasta, e mau, para conservar as rodovias agora vai pra algum outro programa de compra de voto como o bolsa familia, vale gas....

E você vai continuar pagando IPVA, CIDE e por ai vai.

Lastimável!