quarta-feira, 31 de outubro de 2007

MISSÃO IMPOSSÍVEL

Perguntado sobre a sua participação na comitiva do governo LHS que está concluindo a volta ao mundo, o deputado Kennedy Nunes, do PP, disse que estava lá para fiscalizar.

Pois bem, a gente acredita no deputado e aproveita a oportunidade para lançar ao fiscal um desafio. Contar-nos, por exemplo, o que faz, exatamente, ao lado de LHS e participando de várias reuniões em Los Angeles, o Mr. Bruce H. Lipnick, que está assinalado nas fotos acima? Ele criou, em 2005, a Sunshine Entertainment, uma produtora de filmes que tem o cineasta brasileiro/americano Roberto Carminati como diretor de desenvolvimento.

LHS nos apresenta Mr. Lipnick como sendo o bam-bam-bam da indústria cinematográfica, que transformará Santa Catarina numa filial de Hollywood. No site da empresa, as principais notícias dizem respeito à acolhida que tiveram em Criciúma, onde pretendem até comprar um galpão para montar sua base.

E chama a atenção, também, o texto onde a empresa oferece seu braço brasileiro, localizado “no coração do estado de Santa Catarina” para ajudar produtores norte-americanos “de pequenos ou médios orçamentos” a encontrar locações em Santa Catarina “e qualquer outra parte do Brasil”.

Caro Kennedy, nos telegramas enviados nos últimos dias pela assessoria de imprensa do governo, o nome de Mr. Lipnick não aparece. Mas, nas fotos, a gente vê que ele e seu vice, Francisco das Chagas, não largam a comitiva. Como, ao que tudo indica, a operação da Sunshine no Brasil se fará com dinheiro público, além daquele eventualmente arrecadado dos tais investidores estrangeiros, o povo quer saber: qual o verdadeiro papel desse financista com quem o LHS se abraça sempre que pisa nos Isteites? E em quanto, ou como, exatamente, o contribuinte catarinense vai “morrer” (até pra gente saber se vale a pena) nessa operação cinematográfica?

6 comentários:

Ilton disse...

Olá! O coração geográfico de Santa Catarina é Taió. É só conferir no mapa. Lá há excelentes cenários, principalmente para faroestes. Aliás, antigamente, houve muita peleia por lá. De tirombaços, de faca e até de espada. Abração.

Schneider disse...

César. Das duas uma: ou Mr Lipnick está "colaborando" como intérprete ou seu nome está sendo preservado para uma notícia bombástica (tapa-furo mesmo). Mas esse pelo menos aparece nas fotos. Fico imaginando aqueles (as) que não podem aparecer.

Kennedy Nunes disse...

Cesar. PElo qeu pude observar aqui, em relaçao ao senhor mencionado, ele foi quem oraganizou a agenda com s autoridades locaiis da California. Pelo menos nisso ele tem um grande trânsito, o qeu contribuiu para as conversas que tivemos, inclusive como o secretário do Tesouro da CA. Ontem ele produziu uma reuniao com varios putros empresários, inclusive de grande produtoras que estao correndo de paises como Canada, Australia e Europa para rodarem seus filems em visturde dos preços praticados neste paises, e o Brasil começa ser umagrande opçao para isso. Falo de grandes produtoras. Nao tenho muitas informaçoes deste senhor, mas fomos apresentado para a sicoa dele, uma jovem senhora ao qual o esposo dela tem 4 hoteis em Dallas.Sobre o perguntado é o que poderia falar.Abraços

Anônimo disse...

Tomara que nosso estado seja palco de filmes, jé pensou? Que beleza? Ponto para Luiz Henrique!!

Cesar disse...

Nos próximos dias vou puxar a resposta do deputado para a coluna, até para mostrar que ele fez a gentileza de responder à provocação.

Carlos Damião disse...

Meu caro César, existe coisa mais jeca do que este nosso governo viajante? Parece que Luiz Henrique não percebe potencial na gente catarinense, que ele governa... Aqui não temos cineastas, poetas, sociólogos, escritores, professores... Ele precisa sempre do apoio lá de fora. Que coisa jeca (e feia!).
Abraço do
Damião