quarta-feira, 9 de julho de 2008

E O MPE?

De vez em quando alguém pergunta sobre o Ministério Público Estadual, se não vai se manifestar. O MPE recebeu o livro do Juiz da 3ª Vara Criminal (aquele que está com o processo de extorsão), em junho. E o catatal está, desde então, sendo examinado pelo GEAP (Grupo Especial de Apoio ao Gabinete do Procurador-Geral), composto por três procuradores de Justiça.

Depois que o Juiz enviou o livro, a bancada do PP esteve no MPE, também para levar o assunto. Fora essas duas provocações, mais nenhuma. O delegado Renato Hendges disse hoje, na Assembléia, que tinha mandado um exemplar do livro para o Chefe de Polícia, para que ele desse o encaminhamento que achasse melhor, porque havia indícios de outros ilícitos, que não cabia examinar no inquérito da extorsão. Sabe-se agora, portanto, que qualquer quer seja o encaminhamento, não foi enviado nada ao MPE.

Em todo caso, é espinhosa a tarefa dos procuradores do GEAP. Precisam identificar, naquele cipoal de indícios, não só se há alguma suspeita de crime ou ilícito, mas também quem serão os denunciados. Porque pode ser que alguém tenha foro privilegiado e aí, dependendo do tipo de coisa, a denúncia terá que ser encaminhada ao Procurador Geral da República, para que dê entrada no tribunal superior correspondente.

E O MPF?

Ah, pois é, tem também o Ministério Público Federal. Logo que o PP passou por lá, no dia 25 de junho, protocolando uma representação, a Procuradoria da República em Santa Catarina distribuiu o caso para a Procuradora Daniele Cardoso Escobar, do Núcleo de Crimes Comuns da Divisão Criminal do Ministério Público Federal.

Ontem a Procuradora informou que ainda não teve como avançar muito na análise do caso, porque existem vários outros processos, como os referentes a réus presos ou que tenham prazo judicial, que são prioritários. Mas disse que não está parado.

2 comentários:

Carlos disse...

MPE? Desse mato não sai coelho, Cesar.
MPF? Acho brabo, difícil mesmo enquadrar algum ilícito da sua competência.
Do jeito que este país funciona, desconfio que só o TSE vai dar alguma satisfação para a opinião pública.
Quanto aos demais, pode esquecer ...

Anônimo disse...

Sinceramente... Estou começando a achar que estamos todos loucos. E que a base governista está certa. São denúncias infundadas. Não há provas. Tudo tem viés eleitoral, e visa desestabilizar um ótimo governo.
Como disse um deputado, não sei o que mais podem querer de provas. Querem um contrato assinado? Entre bandidos? Até o médico flagrado em gravação (de vídeo!!) nega veementemente. O que será que pode ser considarado como prova robusta? Uma confissão assinada, com firma reconhecida em cartório? Aí nós mofaremos com a pomba no balaio...