segunda-feira, 14 de julho de 2008

MAIS COMBUSTÍVEL


A última edição do jornal Folha de Blumenau (sai às quartas e sábados) traz uma entrevista com a Márgara Hadlich. Ela repete a história conhecida, só que desta vez com mais alguns detalhes, como um relato pormenorizado de um encontro com LHS num quarto de hotel. O mais curioso é que ela encontrou, no corredor, com o ex-senador Casildo Maldaner ao chegar ao apartamento do governador e na hora em que saiu. E o jornal também publica fotos recentes da moça, que a gente conhecia apenas pelas imagens mal impressas, publicadas no livro do Nei.



Para ler a íntegra da entrevista, clique aqui.



O ex-blog do Vieirão (A política como ela é, agora sob a gerência do Vitor Santos), também publica o texto da entrevista, só que no final, ao comentar o que ela disse, dá uma informação nova:

“Se o Nei já incomodava muita gente, imagina dona Márgara Hadlich, calejada de guerra, que já foi presa e condenada e parece ter tanto ou mais disposição para enfrentar os fatos quanto o Nei Silva.”

Presa e condenada? Hum...



ATUALIZAÇÃO DA MANHÃ



O jornalista Cláudio Prisco Paraíso, no seu blog, fala sobre a nova carga de dinamite que dá ainda maior poder explosivo a essa bomba da Metrópole:

“Perfil assustador



Funcionária da revista "Metrópole", Márgara Hadlich respondeu a processo datado de 1998, enquadrada que foi no artigo 228 do Código Penal: favorecimento à prostituição.



Condenada, teve a pena convertida em prestação de serviços comunitários em 7 de novembro de 2007, quando já atuava pela revista.



Por longo tempo, ela foi concorrente de Marlene Rica, em Joinville. O prostíbulo funcionou à Rua Rio Grande do Sul.



No site do Tribunal de Justiça é possível acessar o processo, de número 038.98.034066-4.



Márgara Hadlich também está sendo executada pelo governo do Estado por sonegação fiscal, sob o número 038.04.042575-1.



Durma-se com um barulho desse!”

4 comentários:

Anônimo disse...

O Prisco Paraiso já levantou a ficha dela.
Mas o que me intriga é outra coisa: Será a toda poderosa RBS tem um staff tão incompetente que apesar da estrutura jornalística / logística que eles têm levaram outro furo de um jornal de circulação regional? Vários furos foram do Diarinho, houve furo do do Canga e agora da Folha de Blumenau. Seria "má-vontade" em levar adiante a divulgação deste escândalo?

Anônimo disse...

Deu na Coluna Informe Político do DC -"Sigilo
O candidato progressista à prefeitura da Capital, o ex-governador Esperidião Amin, definiu que haverá em sua agenda um item denominado compromisso de divulgação restrita. Isso respeitaria, segundo ele, algo como o princípio utilizado pela imprensa da proteção da fonte.

A assessoria de Amin abre aspas sobre a explicação do chefe para a regra: "toda a vez que conversar com alguém direta ou indiretamente ligadas a governos, vou poupar a identidade do indivíduo".

Amin e asseclas gostam de conversas privilegiadas e secretas

Schneider disse...

Aquilo que começou pela Marlene Rica pode terminar pela ex-concorrente da Marlene.
Isso que estamos falando apenas de uma revista. E o resto?

Anônimo disse...

CPP é um frouxo! Está puxando o lado mais fraco da corda. ´Por que não "investiga" o governo, que é de onde partiu o dinheiro público deste lixo todo?