sexta-feira, 23 de maio de 2008

VERGONHA! TIO CESAR MATA O SERVIÇO!

Perdão, leitores, mas hoje não tem a coluna De Olho na Capital, hóspede habitual desta página 3, de terça a sábado.

Explico: é meu aniversário e tomei a liberdade de enforcar o dia de trabalho. E para não deixar simplesmente a página em branco ou fazer com que os colegas da redação tivessem que trabalhar um pouco mais para ocupar o espaço, deixo-os com duas das minhas crônicas antigas (que, aqui no blog, estão logo abaixo, basta rolar a tela).

Numa sexta-feira enforcada, transformada em feriadão pelos funcionários públicos e umas tantas categorias, ter material de leitura talvez não seja de todo ruim. O lado bom (além daquele lado ótimo, de dar-me folga) é que fugimos um pouco das mazelas do dia-a-dia da política.

Desculpem mais uma vez pela enrolação, bom feriado e até amanhã.

[O Alfred Beermann achou esta preciosa ilustração e me mandou. Obrigado: na minha idade bolos e doces em geral não são aconselháveis, mas a cerveja, por suas propriedades medicinais, pode (e deve) ser consumida sem restrições. Cheers!]

6 comentários:

Anônimo disse...

Cesar, dois assuntos que a turma "querem" ver tua opinião por aqui:

- Senador exonera filho de ministro
Eugenio Costa estaria há cinco anos recebendo sem trabalhar

- Morre aos 76 anos o senador Jefferson Péres
Político era o líder da bancada do PDT no Senado

Valeu quirido!

Anônimo disse...

Meus PARABÉNS. Saúde, paz, amor e muita investigação na turma...

Ilton disse...

Parabéns, tio Cesar. Cuidado com o "chops", principalmente esse aí: o fogo vem antes da ingesta (ui!). Abração.

Anônimo disse...

PARABÉNS, CESAR

Mesmo sem conhecê-lo pessoalmente é um prazer "conviver" com você através deste espaço.
Saúde, sucesso e sossego no seu caminho. E as boas lutas na informação, missão geminiana que cumpres tão bem.
Aho!
Carlos

Pedro Lemos disse...

parabéns, tchê!
um fraternal abraço!

jânio disse...

Tô chegando atrasado. Espero que tenha sido um bom feriado elástico. Aliás, todo mundo faz neste país, porquê "eu" não? Felicidades imorredouras.