quarta-feira, 8 de outubro de 2008

INFLUENZA SUSPENSA

Está no DC de hoje:

“A juíza federal criminal em Florianópolis, Ana Cristina Krämer, suspendeu temporariamente o andamento do inquérito da Operação Influenza da Polícia Federal (PF).

A decisão processual valerá até o Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em Porto Alegre, decidir sobre a manutenção ou não da nulidade de parte das escutas telefônicas realizadas na investigação - no final do mês passado a própria magistrada considerou como nulas parte das provas dos grampos da operação que tinham sido autorizados pelo juiz substituto do Fórum Estadual de Itajaí, Paulo Afonso Sandri.

O inquérito atualmente está com a PF, que deverá encaminhá-lo à Justiça Federal e paralisar a investigação durante esse período. Não há prazo para o julgamento, mas estima-se que o julgamento do mérito pelo TRF leve no mínimo uma semana.

A juíza também negou a restituição dos bens apreendidos e a suspensão do indiciamento de três suspeitos como queriam advogados de defesa.

Com as decisões, a PF deverá levar ainda mais tempo para concluir a investigação dos crimes financeiros ligados aos portos de Itajaí e São Francisco do Sul e que colocaram sob suspeita políticos, empresários e servidores públicos de Santa Catarina e São Paulo.”

Hum... o mais estranho é que a decisão não aparece na movimentação processual e não foi comunicada (como de hábito) aos demais órgãos de imprensa. Como a assessoria da Justiça Federal só atende a partir das 13h, só aí é que vamos saber mais algum detalhe. Em todo caso a “boa notícia” chega um pouco tarde para o atribulado prefeito de Itajaí, Volnei Morastoni, que na campanha esteve às voltas com o envolvimento de seus amigos na investigação. Se tivesse sido divulgado na semana anterior à eleição talvez tivesse algum efeito no resultado, né?

5 comentários:

Anônimo disse...

Cesar, acho que não mudava nada, o "cara feia" do Morastoni já estava com seu destino traçado. Qto à supensão das provas, mas uma vez o carimbo torto no processo serve para impedir que a justiça seja feita. No Brasil é assim, mais importante é a formalidade da lei, fazer justiça é algo totalmente secundário.

Anônimo disse...

ASSUNTO PARALELO: Tá no blog do Moacir Pereira que o deputado Marcos Vieira, presidente do PSDB de Florianópolis, confirmou que foi convidado para uma conversa com o governador Luiz Henrique. Recebeu um “apelo” para apoiar Dário Berger no segundo turno. Negou informações de assessores palacianos de que teria recebido um ultimatum do governador e que tucanos e democratas tenham sido ameaçados de demissão do governo caso não viessem a apoiar Dário Berger.
Procurei no dicionário da Descentralização o significado da palavra APELO: “Ou faz o que eu digo ou tá todo mundo demitido”.
A nova cultura catarinense usa palavras muito significativas.

Cesar disse...

Ô das 11:16, a gente já falou sobre isto aqui, ontem. Tá algumas notas abaixo. Dá uma olhada.

Schneider disse...

ASSUNTO PERPENDICULAR:
Escândalo por escândalo, mais uma do LHS. Está na coluna do Meira (Floripanews.com.br). LHS participa em Portugal de evento PATROCINADO pelo Gov. Estado de SC.

Anônimo disse...

Tio Cesar, eu sou o das 11:16. Aceito o puxão de orelhas, comi mosca. Fiquei impressionado com a pressão e nem vi que era coisa corriqueira, que todo mundo já sabia. Pois é, ficou banal.