quinta-feira, 16 de outubro de 2008

O BRASIL NÃO CONHECE...

O Brasil não conhece o Brasil, vocês sabem. O prefeito de Lucas do Rio Verde (MT), o municipio do centro-oeste mais festejado nacional e internacionalmente, Marino Franz, nasceu em São Carlos (SC) e estudou na Escola Agrotécnica de Concórdia. Esse município de nome sonoro, estranho, mas bonito, tem uns 20 anos de idade, situa-se às margens da BR 163 (Cuiabá-Santarém) e está à frente da maioria dos municípios do País em uma série de iniciativas. E quase “todo mundo”, na cidade, veio de Santa Catarina.

Até a principal indústria, que é a Sadia. Localizada no Complexo Industrial... Atílio Fontana, claro. E o melhor garçom do melhor restaurante da cidade, o Empório do Chopp, é um blumenauense, o Geraldo Müller. Trabalhou mais de uma década em Porto Alegre, nos hotéis da rede Plaza. Está há quase dois anos no Mato Grosso. Chopp bem tirado, atendimento profissional, no meio do nada. Onde, há pouco mais de dez anos, havia apenas poeirão, estradas ruins e muito sacrifício. E agora há cidades planejadas, crescendo rápida, mas cuidadosamente. E reelegendo o prefeito catarinense com mais de 70% dos votos.

Ah, caso tenham ficado curiosos sobre o gentílico, quem é de Lucas do Rio Verde é “luverdense”. E o time da cidade, o Luverdense, está na série C e já foi campeão do Mato Grosso.

Ali perto (perto para os padrões do Mato Grosso), a 90 km, Nova Mutum tem história semelhante. A dona do hotel Sartori, dona Suely, é de Erechim,RS. Veio com os pais e irmãos para o cerrado, há 20 anos. Plantavam soja no Sul, vieram plantar arroz aqui. Trocaram 12 hectares lá, por 800 hectares aqui. Depois passaram a plantar soja. E hoje acompanham o crescimento da cidade que tem, como um dos impulsionadores, outra indústria catarinense: a Perdigão.

Quando falei, em casa, que iria para Lucas do Rio Verde, a reação foi automática: “vais para o fim do mundo?”. Não. Parece que o fim do mundo foi transferido para mais adiante. Cidades planejadas, com avenidas largas, ruas arborizadas, banda larga wi-fi, choperias bem freqüentadas, visitantes europeus surpresos com o que estão vendo, indústrias com o que há de melhor na produção de alimentos, atendendo recomendações dos mercados mais exigentes, definitivamente não “casam” com a noção que se tem de “fim do mundo”.

CALORÃO!
Talvez essa idéia de fim do mundo tenha a ver com as temperaturas. São mesmo muito altas. Calorão. Insuportável? Bem, depende. Se ficar na rua, debaixo do sol, ou mesmo numa sombra que facilmente chega a 38 graus, é claro que é insuportável. Mas existe uma coisa fundamental para combater essa coisa: o ar condicionado. Entra no quilinho mais humilde: tem ar condicionado, mantenha a porta fechada. Hotel, escritórios, automóveis, lojas, repartições públicas, tudo tem uma temperatura suportável. Maravilhas da eletricidade.

Os tratores, na imensidão das lavouras, têm cabines fechadas, com ar condicionado. Conta a lenda que à noite, ou de madrugada, quando a temperatura da rua fica mais baixa, os frangos são transportados dos aviários para os frigoríficos. O catarinense Nedir José Cervelin, que está terminando de implantar um projeto de R$ 1,6 bilhão para a Sadia (metade investido pelos integrados, metade pela empresa), garante que o transporte é realizado normalmente, durante o dia. Os aviários têm isolamento térmico, para que o calorão não atrapalhe a produtividade.

Mas, se a gente pensar bem, a área de produção de soja, no RS e em SC, também tem verões muito quentes. O oeste catarinese não é um lugar de temperaturas amenas o tempo todo. Imagino que a turma que saiu de lá para vir pra cá não deve ter estranhado muito o calorão.

DIFERENÇAS...
Uma coisa que tinha me chamado a atenção em Santa Catarina, há alguns meses, foi que a Secretaria da Fazenda estava priorizando a fiscalização volante (móvel) e deixando meio de lado aqueles postos fixos, geralmente próximos às fronteiras. O Secretário da Fazenda do Mato Grosso está fazendo o caminho inverso e mais um pouco: estão transformando os postos de controle fixos em centrais de fiscalização. Aperfeiçoando-os. E também criaram grupos de fiscalização volante. Mas o principal, a meu ver, é que dotaram os fiscais de balanças eletrônicas para pesar os caminhões, com dupla finalidade: descobrir se a carga não está fora do declarado e assegurar que o peso transportado esteja dentro da lei. Ajuda a manter a arrecadação ao mesmo tempo que ajuda a proteger o investimento no asfaltamento das estradas.

4 comentários:

Silmar disse...

Pô Tio Cesar, estás perdendo o debate na barrigaverde... É muito massa. Hehe

Abraços

Anônimo disse...

César, gostei muito das tuas informações. Eu achava que a Perdigão também estava instalada em Lucas do Rio Verde, mas agora estou tendo conhecimento que é em outro município. É uma região do nosso grande BRASIL QUE ESTÁ DANDO CERTO. Que bom !!!, e bom trabalho. EM TEMPO:- A Escola Agrotécnica Federal de Concórdia é um orgulho do ensino técnico brasileiro.

ESCOZ disse...

Grande César,

ficou faltando apenas mais fotos da cidade!!

Anônimo disse...

Ô Tio Cesar, a Fazenda está fechando apenas os Postos Fiscais de Palhoça e Apiúna. No mais, está reforçando os Postos de fronteira juntamente com os técnicos da Cidasc.
Assinado
Analista da Receita Estadual III