domingo, 5 de outubro de 2008

A VOZ DAS URNAS

Ontem fiz um pequeno exercício de futurologia, numa nota em que informava o que eu consideraria resultados surpreendentes da apuração.

Disse lá que consideraria surpresa, em Florianópolis:

1. O candidato Dário Berger ter mais de 35% dos votos: teve 39,8%.

2. O candidato Esperidião Amin ter mais de 25% dos votos: teve 25,33%

Portanto, surpresa pouca. Deu, no geral, o que as pesquisas estavam prevendo.

Mas houve, no estado, alguns resultados surpreendentes (pelo menos para mim).

– A vitória do petista Paulo Eccel em Brusque, contra a máquina do prefeito Ciro Roza, que estava apostando no candidato Dagomar Carneiro (PDT). O próprio LHS tinha fundadas esperanças de eleger Dagomar.

– A vitória do Jandir Bellini, em Itajaí. Normalmente, quando um candidato, ao longo da campanha, tem uma curva descendente, segundo as pesquisas, acaba se dando mal na eleição. E quando tem uma curva ascendente, pode sair vitorioso. Morastoni tinha essa curva positiva e Bellini estava em queda. Um leitor comentou, aqui, que o prefeito barbudinho perdeu o foco da disputa. Em vez de disputar com Bellini, a partir de um determinado momento passou a disputar com o DIARINHO. E concentrou muito esforço nessa disputa. No final de semana, por exemplo, Morastoni fez circular em Itajaí mais de 40 mil exemplares de um jornal (ironicamente chamado “A Verdade”), com o tal “direito de resposta” que o TRT cassou. As últimas horas de campanha, portanto, foram direcionadas para derrotar o DIARINHO. Que, como todos sabem, não concorria a nada. O resultado dessa estratégia apareceu nas urnas.

– O senador Raimundo Colombo e o deputado federal Coruja, um dos parlamentares com melhor conceito entre os jornalistas de Brasília, uniram-se, em Lages, para retomar a prefeitura. Olhando aqui de longe, parecia uma dupla imbatível. Mas não deu. O Renatinho (PP) levou. Sem surpresas, a pífia votação do noveau-pestiste Godinho confirmou aquilo que se imaginava: essa mistura estranha não podia dar certo mesmo.

– Todos (ou quase todos) os candidatos que respondem a processos ou que já foram condenados (embora estejam recorrendo), tiveram boas votações. O eleitor não está nem aí para a folha corrida dos políticos. Parece mesmo que tem uma certa atração por malfeitores. Lamentavelmente, todas as campanhas feitas pelas mais diversas entidades, pela moralização das escolhas, alertando para o fato de alguns candidatos terem a ficha suja, revelaram-se um retumbante fracasso. Até aquelas imagens do irresponsável João Rodrigues brincando com a morte dos mendigos e outras sem-gracices, passaram em branco. Não é exatamente uma surpresa, mas é, sem dúvida, uma triste confirmação dos nossos piores pesadelos: o eleitor não leva em conta essas “miudezas” éticas. Pode roubar o quanto quiser, desde que faça alguma coisa. Ademar de Barros ficou famoso pelo slogan “rouba mas faz”. Parece que, mesmo passadas tantas décadas, o eleitor ainda continua achando que é isso que vale.

– Pelo menos dois dos principais “infiéis do Dário”, vereadores que se bandearam do PSDB para o PMDB para acompanhar o prefeito (um deles cassado por infidelidade, outro na fila para a cassação), tiveram expressivas votações. O Gean Loureiro e o Deglaber Goulart estão entre os quatro mais votados, num grupo onde figuram o filho do Esperidião Amin e o Renato da Farmácia (da Lagoa, um dos fenômenos desta eleição). Comprova aquela história: o eleitor não está nem aí pra essas questões morais e éticas, mesmo (ou principalmente) quando levantadas pelos tribunais superiores, como condutas reprováveis.

4 comentários:

Anônimo disse...

ERRADO , C E S A R: O Ibope engolfou 30 mil votos do Amim de ontem pra hoje. Foram 9% de diferença: 5% a mais pro Dário e 4% a menospro Amim. É um erro 'estatístico' muito grande, vc não acha? O cenário não é dos mais confortáveis pro prefeito. LesPaul

Anônimo disse...

E Pelé entra definitivamente para o seleto grupo dos grandes pensadores e filósofos com sua irretorquível avaliação:" o brasileiro não sabe votar".

Não sabe,não aprende, não quer aprender...Simples assim.
Gasto inútil,tempo jogado fora com o maledeto horário eleitoral 'gratuito' nas rádios e tvs.
Com esse monte de partidecos se juntando em alianças, cruzando girafa com papagaio, tanto faz eleição como sorteio tipo caminhão do Faustão.Tudo circo.

Anônimo disse...

Brasileiros gostam de políticos classificados como desonestos. Veja esta notícia sobre eles. (Os catarinenses estão representados na lista pelo Sr Dário Berger).
CINCO CAPITAIS TÊM CANDIDATOS ELEITOS OU QUE IRÃO PARA SEGUNDO TURNO NA "LISTA SUJA" DA AMB.
Seis candidatos a prefeito em cinco diferentes capitais do país que foram eleitos ou disputarão o segundo turno aparecem na "lista suja" da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB). A "lista suja" da entidade é uma relação de candidatos que respondem a processos criminais, de improbidade administrativa ou por crime eleitoral. Para realizar a pesquisa, a AMB consultou as bases de dados dos Tribunais Regionais Federais, do STJ, do TSE e do STF. São computadas pela associação as ações movidas pelo Ministério Público contra os candidatos que concorrem às prefeituras nas capitais e municípios com mais de 200 mil habitantes.
Entre eles estão os candidatos à prefeitura de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM) e Marta Suplicy (PT). Outros candidatos que aparecem na lista suja da AMB são Íris Rezende (PMDB), que venceu a disputa em Goiânia (GO), e Iradilson de Souza Sampaio (PSB), eleito em Boa Vista (RR). Duciomar Costa (PTB) e DARIO BERGER (PMDB), que vão para o segundo turno em Belém (PA) e Florianópolis (SC).
O partido que lidera o ranking de candidatos à frente nas disputas municipais que figuram na "lista suja" é o PMDB, somando 13 nomes. A legenda é seguida pelo PT, com sete. O PSDB e PSB têm, cada um, cinco líderes identificados na lista.

Ilton disse...

Você esqueceu de falar de Taió. O candidato da oposição ganhou do atual prefeito. Por 18 votos de diferença... 4578 a 4560... Abração.