sábado, 9 de agosto de 2008

O TREM EM SEUS TRILHOS

O governo vai recorrer da decisão do Tribunal de Contas, que mandou rever as movimentações de pessoal, promoções e outras alterações, consideradas irregulares.

O secretário da Administração, Antônio Gavazzoni, acredita que o número de servidores que tenham sido beneficiados pelos procedimentos que estão sendo questionados não chegue a 2 mil (eu tinha comentado aqui que se estimava em dez mil, número que parece mesmo ser exagerado).

Gavazzoni acha que é preciso verificar quase caso a caso o que ocorreu, para que não se cometam injustiças. E lembra que o que o Tribunal de Justiça ainda não se pronunciou sobre o caso.

Bom, parece que a viagem não será interrompida tão cedo.

6 comentários:

Anônimo disse...

Para o secretário 2 (dois) mil é pouco? Para mim se fosse somente 1 (um) já seria demais!

Anônimo disse...

Cavazoni não estrague sua conduta ilibada, pois, conheces muito bem a Constituição Federal e sabe a forma de acesso ao serviço público. Acabe com essas asneiras e mande cumprir a constituição. Não decepcione e cumpra com sua missão de fazer tudo de acordo com a lei. Caso a caso só se é para analisar quem realmente é amigo do rei porque a forma de acesso é através de concurso público.

Anônimo disse...

Parabéns ao TCE-SC!!!!!
Espera-se, no mínimo, que a decisão seja cumprida.
Por outro lado, ainda falta o TJ se manifestar.
Só faltava se manifestar pela constitucionalidade quando o TCE-SE já decidiu, por unanimidade, ser não conforme à Constituição.
Ou alguém tem dúvida que não tem amigos ou parentes dos desembargadores nos vagões?

Anônimo disse...

É inacreditável este Governo fazer isto, façam o correto, façam o legal, façam o constitucional.

Mandem seus apadrinhados estudarem para passarem em concursos de cargos com remunerações boas e que retornem para as origens (órgãos que estavam vinculados).

Esta política suja de favores, que fizeram estes "2.000" serem transpostos para engordarem suas remunerações é ultrapassada, a população e os servidores legítimos não agüentam mais.

São dois que, destes, com certeza grande parte trabalhou para um deputado que nunca teria o número de votos que teve se não fosse por isto.

Este "depu-TADINHO" fez com que todos trabalhassem para ele, obrigando a cada um no ato de transposição a fidelidade como cabo eleitoral. Foi no período da eleição que estes, basta cruzar as informações, tiraram licenças-prêmio, férias e folgas para trabalhar para o candidato das "trapalhadas".

Pior que tinha gente em estágio probatório em concurso em um órgão, que foi transposto para outro órgão e nem estáveis eram, como fica isto, hein?

O Ministério Público Estadual e também o Eleitoral não fazem nada porquê? Algum parente envolvido?

Sujeirada danada, vão tomar vergonha na cara!

Anônimo disse...

O negócio continua!!!

LEI COMPLEMENTAR Nº 421, de 05 de agosto de 2008
(...)
Art. 10. Os servidores em exercício nos órgãos e entidades da administração direta, autárquica e fundacional terão lotação no respectivo órgão, independentemente da nomenclatura do cargo de provimento efetivo ocupado e do quadro lotacional a que pertençam.

Parágrafo único. Os servidores de que trata o caput deste artigo poderão optar pela permanência na condição de convocados ou à disposição no prazo de trinta dias, contados da data da publicação desta Lei Complementar.

cleriston disse...

Enquanto isso, os servidores da segurança pública aguardam a quase três anos a falácia intitulada Lei 254/03, que caso cumprida pelo chefe do executivo, corrigiria a defasagem salarial da categoria. É desanimador....