sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

OS PAIS DA PRIVATIZAÇÃO DOS PRESÍDIOS

Entregar presídios para a iniciativa privada deve ser um bom negócio. Já são dois os políticos catarinenses que defendem, como solução para a crise penitenciária, que o Estado se desfaça das suas cadeias.

Ontontem e ontem o deputado Piriquito lembrou ao eleitor que ele é o autor de um projeto de lei privatizando as prisões. Lá dos isteites, onde está vendo como é que se transforma bosta em eletricidade, o vice-governador Pavan (adversário do Piriquito na disputa municipal de Balneário Camboriú), mandou um recadinho, que li no blog do Paulo Alceu: “o líder tucano vai resgatar sua proposta, ainda da época de senador, de privatização dos futuros presídios e penitenciárias a serem construídos”.

Por coincidência, em Santa Catarina já existe uma empresa administradora de presídios, a Montesinos, que deve estar adorando essa súbita devoção privatista da turma do Balneário.

O nome da empresa refere-se ao Coronel Manuel Montesinos, um dos elaboradores do Regulamento dos Presídios da Espanha, de 1844, e famoso por ter levado à prática, nos presídios que dirigiu e remodelou naquela época, a idéia que a cadeia não deve ser apenas um depósito degradante, de onde o prisioneiro saia pior do que entrou.

A leitura das idéias do Coronel, por falar nisso, é interessante pra gente ver que estamos no século XXI, mas as prisões brasileiras são semelhantes às do século XVIII. É uma área onde andamos pra trás continuamente.

2 comentários:

Anônimo disse...

César, duas perguntinhas pertinentes: quando a Montesinos foi criada e quem são seus proprietários?

Marcelo Santos

CARLOS disse...

Atendendo à curiosidade: a empresa Montesinos Sistemas de Adm. Prisional Ltda existe desde 24.04.2002, está sediada na Av. Hercílio Luz 1361, Florianópolis, e os proprietários são os irmãos Bordin: Luis Ermes e Paulo Helder