sexta-feira, 14 de setembro de 2007

Câmara ardente

Na Câmara de Vereadores de Florianópolis, os aliados do prefeito tentam evitar que seu chefe seja investigado. Mas a coisa está difícil, com uma divisão praticamente no meio.

A última votação deu oito a sete (o presidente da Casa não votou) a favor do Dário (ou seja, contra a continuidade da investigação). Eles imaginam que, se o prefeito for culpado, no caso da lei da hotelaria, os vereadores também serão. E por isso dizem que não estão apenas defendendo o chefe, mas principalmente seus próprios pescoços. O que até pode explicar, mas não justifica.

Para aqueles que gostam de saber quem está de que lado, passo a listinha da tal votação.

A turma do Dário: Alceu Nieckarz, Aloísio Piazza, Deglaber Goulart, Gean Loureiro, Jair Miotto, João Batista, João da Bega e Walter da Luz.
A turma da investigação: Ângela Albino, Aurélio Valente, Dalmo Menezes, Guilherme Grillo, Jaime Tonello, Márcio de Souza e Xandi Fontes.

E por falar nisso, minhas fontes acham que foi um cara que está em todas e se move nas sombras, que armou aquela história da papelada do Juarez “abandonada” no mato. Vamos ver se a polícia confirma a boataria.

2 comentários:

Schneider disse...

Essa história da papelada lembra a Páscoa. Tem a mesma emoção de "encontrar" a cestinha de doces deixada pelo coelhinho.
Quanto à investigação, é muito simples. Querem parar por quê? Têm medo de algo? São tão burros assim? Se temem as investigações é porque há culpa. Querer parar as investigações é uma CONFISSÃO DE CULPA.

Gus disse...

Toda essa raça só vota por interesse próprio. Ninguém está preocupado com a cidade.