quinta-feira, 8 de dezembro de 2005

QUINTA

FORÇA, BONSON!

Hoje peço licença aos leitores para ocupar toda a coluna com um único assunto: o grande Bonson. Pra quem não sabe, Sérgio Bonson é um artista gráfico de múltiplos talentos. Na década de 70 fazia charges políticas e histórias em quadrinhos em O Estado e depois no Jornal de Santa Catarina.

Foi um pioneiro, que abriu caminhos, desbravou terrenos e inspirou seguidores. Na década de 80, assim como Henfil foi tentar a América, Bonson foi tentar São Paulo. Publicou nos maiores jornais do País e depois voltou para Florianópolis onde, ao que tudo indica, sente-se melhor.

Na década de 90 Bonson passou para a aquarela, técnica que tem utilizado nos últimos anos. Com ela Bonson retrata a cidade de uma maneira única. E aí também se revelou um enorme talento, produzindo obras de grande sensibilidade e apuro técnico.

Agora que ele está no hospital, passando por uma fase complicada, em vez de mandar um buquê de flores, uma caixa de bombons ou um cartão engraçadinho, achei que seria legal fazer uma coluna Força, Bonson! que expressasse o enorme desejo que todos que o conhecem têm, de que ele se recupere logo e volte a pintar, a desenhar e a ocupar seu lugar nas ruas, bares e salões de exposição.

O sucesso das aquarelas do Bonson se deve, eu acho, ao fato de que ele vê a cidade como só as pessoas que gostam da cidade a vêem.



OS RECADOS DOS AMIGOS


UMA CHUPADA NA FILA DO BESC

Quando lembro do Bonson lembro sempre duma que ele me aprontou na fila do BESC em dia de pagamento. Era fila de quinto dia útil.

Quando eu vi a bicha, se não estivesse desesperado pra sacar o miserê, teria dado meia volta e picado a mula. Não tinha jeito e me conformei em ser gado.

Lá na frente estava o velho cartunista, que ainda trabalhava no O Estado. Ele virou, me identificou lá atrás da fila e solta em alto e bom som:

– ei, negão, andasse me chupando, hein!...

Ato seguinte: todos da fila olham para trás pra ver quem é o “chupador". Risinhos arregalados.
Eu também olhei pra ver se tinha alguém atrás de mim. Tentei disfarçar. Era comigo mesmo.
Ainda pensei em ir explicando, a cada um da fila, que "chupar", no jargão chargístico, seria exatamente copiar uma idéia sem dar o devido crédito. Na verdade era bem o contrário. Ele é que tinha copiado uma charge minha com dois dias de atraso. Bem, estou até hoje pensando o que eu poderia ter respondido presse fiodaputa. E o pessoal lá da fila do BESC que imagem estará fazendo de mim? Hein, Bonson?
Frank - chargista do AN

Um comentário:

Conde disse...

O véio Bonson era um Veado!
Só de tão Veado que era, nunca deu prá ninguém.
Desculpa Mestre se alguém não entender, mas como Tu dizias,
"Só não esculacho quem não conheço ou não gosto"
O véio era piada (peada) feito gente!
Conhecia Tudo e ensinava Tudo!
Tchau FDP(no melhor sentido bonsoista), tcchauhau Fontoura Rey, Tchau Amâncio Seixas Neto, Tchau Mâncio Costa, esperem mais 50(cinqüenta) anos, estou ai com vocês!
Vê se me cumprimenta, pois estarei sentado bem atrás para não envergonhar a Genialidade de Vs.!
Conde Ricardo van Derbilt