segunda-feira, 30 de janeiro de 2006

SEGUNDA

TARIFA ÚNICA NI NÓIS!
A prefeitura escolheu um sábado para informar o aumento da passagem dos ônibus urbanos (travestido de “tarifa única”). Com o anúncio feito no final de semana, só hoje é que a população vai começar a tomar conhecimento da novidade. E a chiar.

Os irmãos Dário, digo, irmãos Berger, se comprometeram a reduzir de 15% a 18% o custo operacional das empresas. Pra isso, é claro, o valor da passagem tem que aumentar. Hoje cerca de 70% dos passageiros do município pagam entre R$ 1,55 e 1,65. Com a nova “tarifa única”, esse pessoal passa a pagar R$ 2,00 (ou R$ 1,75 se tiver o bilhete eletrônico).

Até a “tarifa social”, que tinha sido criada pra facilitar a vida dos mais pobres, vai ter aumento: passa de R$ 1,05 para R$ 1,30 (só se o cara tiver grana pra comprar o tal passe eletrônico é que vai custar R$ 1,10).

E vai continuar a “absorção das linhas com menor média de passageiros”, com redução de ônibus e horários.

BENEFÍCIO PEQUENO

Com a “tarifa única” de R$ 2,00 (ou R$ 1,75) quem precisa usar as linhas mais longas (como as do norte e do sul da Ilha) vai ter um refresco. Hoje eles pagam o absurdo de R$ 2,75, o que dói muito no bolso de quem tem que andar de ônibus todo dia.

Só que, para beneficiar esse povo, a maioria dos usuários vai pagar mais. Os gênios da prefeitura ainda são bem capazes de querer fazer a sacanagem de dizer, pro coitado do centro, que teve aumento na sua linha, que a culpa é do outro coitado, do norte da ilha, que teve redução no preço.

PAGAM OS DE SEMPRE
E o pior é que os agitadores de plantão, sem criatividade, são bem capazes de começar de novo a quebrar tudo e a parar os ônibus, prejudicando, como sempre, os usuários mais pobres que não têm carro. Os donos das empresas, os irmãos Berger e os vereadores vão assistir, como sempre, de camarote.

FÉRIAS DESIGUAIS
Ainda está longe a realização do sonho do pessoal do turismo, de unificar a data de retorno às aulas da rede estadual, para que as férias tenham maior duração.

Na próxima segunda-feira, em pleno início de fevereiro, calorão danado, voltam às aulas cerca de 150 mil alunos em várias regiões (Joinville e Jaraguá inclusive). Nos dias 8 e 9 voltam mais algumas regiões. Na outra segunda-feira, dia 13, voltam às aulas mais 400 mil estudantes (inclusive de Florianópolis). E pra completar, também tem gente voltando às aulas nos dias 18 e 20 de fevereiro. A previsão é de sol e calor pelo menos até o começo de março.

PRIMEIRÃO!

O colunista Cacau Menezes anunciou finalmente que a sua famosa e concorrida feijoada do sábado de Carnaval será em Jurerê. Era segredo, menos para os leitores desta modesta coluna, que leram aqui, no dia 18/1, quarta-feira, a informação em primeira mão.

GUIA PRÁTICO PARA ENTENDER
O AEROPORTO HERCÍLIO LUZ

O aeroporto de Florianópolis está no limite da sua capacidade e muito acima do limite da paciência de seus usuários. Por isso, se tiver que utilizá-lo, leve um saco extra de paciência. E nem adianta esperar a ampliação, porque essa é uma novela que vai levar alguns anos.
Agora que estamos em férias e tem muita gente indo e vindo, vou dar algumas dicas para tentar ajudá-los a sobreviver naquela selva.

O “CHECK-IN”
A primeira coisa que se faz, num aeroporto, para poder “pegar” o avião é o tal “check-in”: a gente informa pra companhia que está lá, mostra os documentos, despacha as malas e ganha um cartão de embarque.

Parece simples, mas não é. Não no Hercílio Luz. Como as filas ficam mais ou menos amontoadas no saguão apertado, é preciso primeiro identificar qual é a nossa fila. Coisa difícil e confusa (veja a foto abaixo e se quiser ampliar é só clicar sobre ela), porque às vezes a fila que lá no começo é do pessoal que vai pro Rio, se mistura com a do pessoal do Paraguai e aqui no final tem uma porção de gente que pretende ir pro Chile. Todo cuidado é pouco, portanto, para escolher a fila em que você vai ficar, no mínimo, uma hora.


O EMBARQUE
Com o cartão de embarque na mão, é preciso descobrir se o avião está no horário e quando que devemos ir para a sala de embarque. Um problema sério, porque o sistema de vídeo, que é bem novo, está todo detonado: muitos monitores perderam a cor, a definição, a imagem. E os que funcionam, passam mais tempo avisando pra não alugar carros fora dos guichês de aluguel de carros, do que informando sobre os vôos.

Depois de se despedir dos amigos e parentes e enfrentar mais uma meia hora de fila pra entrar na sala de embarque, é preciso cuidado, para acertar o portão em que será feito o embarque do seu vôo. Dá impressão que eles se divertem ao ver o pessoal feito barata tonta, tentando descobrir qual é a porta em que deve embarcar.

O único jeito de ter alguma certeza é quando, ao entrar no avião, a comissária de bordo avisa, pelo microfone: “este é o vôo com destino ao Rio de Janeiro”. Se você pretendia ir para Ciudad del Este, desça imediatamente porque seu avião deve ser aquele outro, que acabou de decolar.

O DESEMBARQUE
Quando for buscar alguém que vai chegar, evite tentar descobrir se o avião está no horário dentro do aeroporto, porque os monitores estão quase todos pifados. Melhor, antes de sair de casa, se souber o número do vôo, ou pelo menos de onde ele vem, é acessar o site www.infraero.gov.br e no item “Vôos On Line” ver, com nitidez, aquelas mesmas informações que deveriam aparecer nas telas descoloridas dos monitores do aeroporto.

E, na chegada, haja paciência: em vez das criaturas sairem da sala de embarque e só mais adiante pararem para abraçar os parentes, elas sempre param bem na saída, trancando a passagem do restante da fila.

Ah, e o lembrete mais importante de todos: nunca, jamais, de modo algum, em nenhuma circunstância, utilize o estacionamento do aeroporto, aquele que fica bem em frente ao prédio.

Utlize aqueles outros, que existem antes de entrar no aeroporto, se quiser sair do estacionamento em menos de meia hora e sem enfrentar novas filas.
A Infraero é péssima administradora de estacionamentos.

Um comentário:

marcello disse...

Prezado Cesar;
Concordo com vc em gênero, número e grau! Estive aí com meu filho em setembro (quando fomos ao Beto Carrero) pela GOL. Sorte minha que visto não ser alta temporada, estava bem mais tranquilo...