sábado, 28 de janeiro de 2006

SÁBADO E DOMINGO

O MAR É A NOSSA CASA

Aposto que tem muita gente que mora no litoral (como eu) que ainda não conhece o Museu do Mar, em São Francisco do Sul. Pois esta semana fui até lá, para corrigir essa falha cultural grave.

Eu diria que não se deve recomendar que alguém faça a visita: a gente tem que obrigar, insistir, encher o saco até que a criatura vá e, como todos os que já foram, fique se perguntando “por que não fui antes?”

É um museu muito bem feito, bem organizado e bem completo. Dá uma idéia bastante real da importância que o mar teve e tem na construção deste nosso País, que está todo voltado para o Oceano.

E ainda tive a sorte de poder assistir ao Ênio Rodrigues, famoso escultor da Praia Brava e adjacências, fazendo mais uma das suas: um barco dentro de uma garrafa (acima). As caravelas fantásticas do Ênio (abaixo) também estão expostas no museu.


OS PLANOS DA ACI
O companheiro Moacir Pereira, presidente da Associação Catarinense de Imprensa (ACI) me escreve para contar como deverá ser a ocupação do belo espaço que acabam de ganhar, no centro de Florianópolis (a casa que foi do ex-presidente Nereu Ramos).

Ele informa que a Fundação cultural do Badesc, no térreo, manterá uma agenda permanente de eventos culturais, como exposições e mostras. E a ACI, no sobrado, terá um auditório para 70 pessoas que pretende também manter ocupado com eventos culturais de interesse não só dos jornalistas.

O mais importante, segundo Moacir, é que finalmente a ACI poderá concretizar o velho sonho de instalar um Museu da Imprensa ou o Memorial da Comunicação Catarinense. O espaço permitirá que se reúna material hoje disperso, para realizar esse resgate histórico.

SEM INTERFERÊNCIA
Como eu fiz, ontem, votos de que o presentão do governo LHS (via Badesc) não acabasse tirando a liberdade da ACI, Moacir me garantiu que “esta parceria com instituições estaduais não interferirá, de nenhuma forma, na independência dos profissionais e dos próprios veículos”.

Não duvido que assim seja, porque o Moacir, por falar nisso e a bem da verdade, quando foi presidente do Sindicato dos Jornalistas, na época da ditadura, manteve-se sempre ao lado dos companheiros perseguidos e a favor do Estado de Direito. Sem que o fato do governo pagar o aluguel do imóvel onde o Sindicato estava instalado fizesse qualquer diferença em suas posições.

A ESTRÉIA DO MANEZINHO
O DIARINHO publica hoje, aqui atrás, na página 4, um artigo do Chico Amante. Conhecido em Florianópolis, defensor da cultura nativa, estudioso dos valores do povo do litoral, ele começa com um artigo onde faz uma espécie de balanço da colonização açoriana no litoral catarinense.

Como o nome completo deste jornal é Diário do Litoral, nada mais apropriado que abrir espaço para falar do pessoal que habita há mais tempo estas terras e mares. Ele promete, pra começo de conversa, publicar artigos como esse todos os sábados.

TERMINOU A CRISE
A julgar pelas últimas atitudes do presidente Lula e de seus auxiliares diretos, a crise acabou. E voltou tudo ao “normal”:

– O marqueteiro da nova campanha tem dinheiro não declarado no exterior (tal e qual o Duda Mendonça)? Não tem importância, ninguém liga, contrata ele assim mesmo.

– Zé Dirceu foi cassado e acusado de uma porção de coisas (inclusive de “trair” o presidente)? Não tem importância, é velho amigo e merece ser recebido em palácio. Lula e Zé jantaram, conversaram uma porção, como se nada tivesse acontecido.

– Parte do PT começa a querer ter vôos próprios e retomar alguns temas que hoje são incômodos? Não tem importância, Lula é maior que o PT e tem novos amigos, como José Sarney e Renan Calheiros, cujo PMDB dará ao ex-operário o necessário respaldo.
E a crise? invenção da imprensa de direita, invejosa, interessada em minar o prestígio político de Lula.

LAMA NO VENTILADOR
Os deputados federais catarinenses tinham uma convivência civilizada e participavam de um “Fórum Parlamentar Catarinense” onde, independentemente de partidos, tratavam coletivamente de assuntos de interesse do estado.

Pois agora parece que o famoso João Pizzolatti (PP), decerto animado com o festival de impunidade que abençoa os corruptos brasileiros, resolveu puxar a grana só para a sua sardinha.

“MALANDRAGEM”
A denúncia, feita pelo deputado Paulo Bauer, é extremamente grave e pode acabar sendo levada à Comissão de Ética da Câmara. Até deputados do PP, como o Odacir Zonta, acham que o que o Pizzolatti fez foi de última categoria.

Ele fez um acordo com o também famoso ministro do Severino, digo, das Cidades, pra liberar R$ 5,8 milhões das suas emendas, deixando os outros deputados catarinenses de fora. Tipo “levar vantagem”, sacou?

Tem gente de todos os partidos indignada com a “malandragem”, como a classificou o deputado Ivan Ranzolin. A coisa, portanto, não deve ficar por isso mesmo. E apesar dos amigos do Pizzolatti acharem que esse “mal entendido” não vai lhe tirar votos, tem quem acredite que o povo não é tão burro assim.

ESSE PAVAN...
Ouvi inúmeras vezes, com meus próprios olhos, o Pavan dizer que faria aliança e coligação com todo mundo, menos com o PT. Era Lula lá e ele cá. Queria distância.

Pois ele acaba de mandar recado que quer conversar com o José Fritsch. A política é mesmo uma nuvem, tá sempre mudando...

2 comentários:

Ilton disse...

Por favor, não fale mal do Pavan. Afinal, ele leu a minha "Carta ao Presidente" em sessão da Câmara dos Deputados, segundo me informaram aí de Santa Catarina. Ela criticava o presidente Lula. Um abraço

Anônimo disse...

Realmente a política é uma nuvem mesmo...sempre mudando. Por isso eu sou leitora ávida desse blog, pra ficar de olho na previsão do tempo.