sexta-feira, 4 de novembro de 2005

SEXTA

CHEGOU A LUZ (E O MALDANER VEIO JUNTO)

Na bela foto acima, a família do seu Oliveira Jardim de Souza (aquele senhor de camisa xadrez que o ex-governador e ex-senador, agora banqueiro, Casildo Maldaner, abraça), posa diante de uma trempe onde o fogo aquece a água pro chimarrão das visitas. O motivo de tanta festa e tanta gente importante é que no dia 29 a luz chegou até a casinha deles, na localidade de Azulão, em Palmeira, na Serra Catarinense.

Antes que alguém pense que vou implicar com o gesto do Maldaner, deixa explicar algumas coisas: escolhi esta foto primeiro porque está bem bonita, mostra esse povo do nosso interior que nem sempre aparece no jornal (só quando acontece alguma desgraça).

E a chegada da luz elétrica num finzão de mundo é mesmo um acontecimento importante. A gente nem sabe o que significa poder, pela primeira vez, tomar um banho de chuveiro, uma água gelada (e uma cervejinha, então!), ficar acordado até mais tarde vendo televisão. A gente teve luz desde que nasceu.

Claro que os políticos sempre aparecem nessas horas boas, pra dar uma faturadinha. Eles são políticos. Faz parte.

Com essa festa toda, há sempre o perigo do povo acabar achando que se não fosse o Maldaner ou algum deputado ou vereador dar uma forcinha, nunca teria recebido aquele benefício. Eles têm direito a tudo isso e muito mais, sem ter que pedir favor a quem quer que seja.

Só que pretender que o pessoal, que recém saiu da “escuridão medieval”, como diz o LHS, já discuta seus direitos, é um pouco demais. Vamos com calma. Por enquanto a gente parabeniza seu Oliveira e sua turma pela luz elétrica e pela hospitalidade com que receberam as visitas.

PARENTADA...
O deputado Afrânio Boppré (PSOL) alfineta o líder do governo na Assembléia Legislativa, deputado João Henrique Blasi (PMDB): “o Blasi sentou em cima do projeto contra o nepotismo na administração estadual”.

Boppré acha que agora seria uma boa hora pra desengavetar o projeto (que Blasi pediu pra dar uma olhada e não devolveu mais) que proibe a nomeação, para cargo de confiança, de parentes até o terceiro grau.

No Judiciário, lembra Boppré, o assunto está andando, com a aprovação, pelo Conselho Nacional de Justiça, de uma resolução que manda os Tribunais demitirem a parentada.

CANTINHO DO LEITOR

Michel Magno Estevão, que além de leitor do Diarinho e desta coluna é acadêmico de Administração em Itajaí, manda cartinha eletrônica comentando essa história de tesoureiros e “não sei de nada”. Publico um trechinho:

“Usar pessoas como testas de ferro é uma prática comum no meio político, porém este e outros artifícios estão caindo graças à liberdade da imprensa e a evolução da informação no Brasil.

(...) independentemente de quem seja o real ou reais culpado (os) por todo este escândalo, Lula não irá limpar sua imagem perante a opinião pública com a explicação de que não sabia de nada.”


PERGUNTE AO LULA
O presidente Lula, vocês sabem, não gosta de dar entrevistas. Fala muito, não pode ver microfone, mas não admite colocar-se diante dos jornalistas para responder perguntas. Mas, na segunda-feira, ele vai participar do programa Roda Viva, da TV Cultura de São Paulo (retransmitido em Florianópolis pelo canal 2). Que é um programa de entrevistas.

O jornalista Ricardo Noblat sugeriu ontem duas perguntas que os jornalistas que participarem do progama poderiam fazer ao Lula:

– Certa vez, ao manifestar sua confiança no então deputado Roberto Jefferson, o senhor disse que até daria um cheque em branco a ele. Jefferson traiu ou correspondeu à sua confiança?

– Quando ministro, seu querido amigo José Dirceu disse mais de uma vez que nada fazia, que nada havia feito sem seu conhecimento e autorização. É verdade?


COLUNISTA SOFRE
Pra vocês terem uma idéia do que a gente agüenta, do lado de cá do balcão, mostro, aqui embaixo, um dos e-mails que a assessoria de imprensa do prefeito de Palhoça mandou para as redações e colunistas. Deixei até o nome dos destinatários, pra vocês verem que é enviado “pra todo mundo”.

Não é o máximo? Vocês gostaram mais de saber que “É incontestável o prestígio do prefeito de Palhoça” ou que ele “gravou até depoimento a favor da eleição” do CREA?
Não sabia que os engenheiros, arquitetos e agrônomos (o povo que o CREA reúne) estavam dependendo do Ronério pra decidir em quem votar.

Imaginam a ansiedade do coitado do Abraham, ligando todo dia pra saber “o Ronério já voltou?” pra poder ir até lá pedir o apoio que poderá valer sua eleição? Ainda bem que o incontestável prestígio do prefeito vai resolver o problema dos eleitores indecisos do CREA.

FÃ DE LOMBADA
Outra historinha, da mesma turma: naquele seu estilo espalhafatoso de ser a assessoria de imprensa do prefeito de Palhoça mandou recado aos jornais, dia desses, dizendo que o Ronério “é contra os pardais”.

Claro que pretendiam aproveitar que alguns colunistas declararam-se contra os pardais em Florianópolis, para criar mais um factóide e ver se emplacavam uma notinha “positiva”.

O problema é que disseram que o prefeito de Palhoça acha legal usar “lombadas, redutores de velocidade e sinaleiras”. Só é contra o pardal, que promete jamais deixar instalar em seu município.

Por pior que seja, o pardal permite que a gente passe a 60 ou até 80 por hora. E por melhor que seja, a lombada não tem como passar acima dos 30 por hora. Sem falar no transtorno para carros de polícia, ambulâncias e carros de bombeiro. Na ânsia de por o Ronério no jornal, a assessoria o está colocando na vanguarda do atraso.

Um comentário:

Saint-Clair disse...

Gostei do tom entusiasmado do release. Mas acho que vc não ficou inteiramente feliz p q não veio acompanhado da foto do Prefeito com a "primeira".