quinta-feira, 24 de novembro de 2005

QUINTA

CALVÁRIO NATALINO
Coitados dos florianopolitanos. Estão sendo submetidos a uma série de torturas de vários tipos e intensidades. As obras nas ruas, avenidas e estradas, foram planejadas para esta época, pra que ninguém esqueça que Jeusus nasceu para nos libertar dos sofrimentos aqui na terra.

Mas, enquanto ele não nasce, o sujeito leva 4 horas pra vir do norte da ilha ao centro. E vê, sem acreditar, a tal “Operação Tapete Preto” passar uma camadinha de asfalto nas ruas, criando problemas onde não tinha e deixando pra trás antigas reivindicações.

Claro, ruas onde moram vereadores da base aliada, são melhor tratadas. Ruas onde moram desafetos do clã Berger são tratadas a pão e água.
De todo lado a gente recebe e-mails e telefonemas contando o sofrimento de quem tem que usar as ruas para... ir e vir. E na temporada as coisas serão ainda mais animadas.

Não sei não, acho que essa “árvore” aí, colocada na Beira-mar Norte tá mais pra calvário. O contribuinte municipal que chegar até lá em cima sem ter tido uma crise de nervos, ganha 5% de desconto no IPTU.

DESCENTRALIZARAM O NATAL!
Dia 10 de dezembro a primeira dama do estado, Ivete da Silveira, oferece um jantar na Casa d’Agronômica, aqui em Florianópolis, para arrecadar fundos em favor da... Sociedade Joinvilense de Amparo à Criança.

Vai ver que se trata de uma estratégia de descentralização do espírito natalino: captar dinheiro em Florianópolis para presentear entidades de outros municípios maiores, mais ricos e com maior PIB per capita.

Não seria mais apropriado fazer tal jantar em Joinville? Ou, quem sabe, destinar os recursos do jantar da capital para alguma entidade local?

BOLACHA PRA TODOS
Um sucesso a fábrica de biscoitos que a prefeitura montou na casa do Papai Noel. Já vendeu todo o estoque de 3 mil pacotes. Sinal que o preço estava bom (R$ 2 a embalagem com 22 biscoitos) e que as bolachas tinham boa aparência. A produção será aumentada para que os visitantes não sintam a falta do produto.

A casa está aberta das 9 às 20h e a partir de 5 de dezembro fica aberta até mais tarde, acompanhando o horário do comércio. E Papai Noel também está por lá.

PIQUENIQUE
Estudantes, servidores e professores de universidades federais acamparam ontem diante do Ministério da Educação, em Brasília. O objetivo, naturalmente, é fazer com que alguém note que eles estão em greve e reivindicando alguma coisa. Fora os alunos que estão sem aula, vendo o semestre terminar e fazendo as contas do prejuízo no prazo de formatura, pouca gente tem notado o movimento.

Não que a luta por um ensino de qualidade seja coisa sem importância. Mas a forma de luta que eles têm adotado, ano após ano, parece ter perdido a eficácia.

Menos mal que, segundo o site de notícias Universidade Aberta, da UFSC, os manifestantes mais animados são os catarinenses.

REAÇÃO LENTA
Só agora o secretário da Fazenda, Max Bornholdt anuncia que vai entrar com ação popular contra o deputado e ex-secretário da Fazenda Antônio Carlos Vieira e o ex-governador Esperidião Amin, por causa da criação da SC Genéricos com recursos públicos. Bornholdt está com seus bens bloqueados pela Justiça, justamente por causa de uma ação relacionada com a SC Genéricos que foi movida pelo PP.

Não entendi por que só agora. Se havia irregularidade na criação da empresa (de 2002), a ação poderia ter sido proposta em 2003. Ou 2004. Mas ficou para o final de 2005, depois que a Justiça colocou sob suspeita mais de uma dezena de componentes do atual governo.

MARCO E MARCOS
Morreu ontem, em São Paulo, o repórter Marco Uchôa, da Rede Globo. Jovem, foi vitimado por um câncer. Na minha cabeça apareceu a imagem do repórter careca, atualmente sediado em Londres. E achei estranho, porque vi matéria dele há poucos dias.

A explicação é que a Rede Globo tem dois repórteres com esse nome pouco comum. A única diferença entre os dois nomes é que o de Londres é Marcos Uchôa. E o que faleceu é Marco Uchôa, estava sediado em São Paulo, fazia matérias para o Fantástico e para os demais noticiários da emissora.

CHAPOLIN COLORADO
O presidente Chaves, da Venezuela, está cada vez mais parecido com o Chaves, daquele seriado infantil mexicano que o SBT apresenta desde o século passado.

Pois agora ele mandou que uma companhia de petróleo controlada pelo governo da Venezuela comece a distribuir óleo de calefação a baixo custo para milhares de famílias pobres de... Massachussetts, nos Estados Unidos!

E não é piada. O combustível (fundamental para enfrentar o inverno rigoroso de lá) será fornecido pela Citgo, uma subsidiária da estatal venezuelana PDVSA, que tem 14 mil postos de gasolina nos Estados Unidos.

Para o programa, a empresa separou 45 milhões de litros de combustível, que serão vendidos a preços 40% mais baixos do que os praticados no mercado.

É louco, esse Chaves. Os pobres da Venezuela (que é um país com sérias desigualdades sociais) devem estar achando muito legal a esmola que estão dando com o dinheiro público para moradores do país mais rico do mundo.

JORNALISMO
Começa no domingo, 27, aqui em Florianópolis, o 3º Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo. Vai até o dia 29 com a apresentação de 129 trabalhos, lançamento de 13 livros e várias palestras e mesas redondas.

Tem palestrantes e debatedores convidados de Portugal, Alemanha, Espanha e de vários estados brasileiros. Promovido pela Sociedade Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo (SBPJor), o encontro é o principal fórum para apresentação das pesquisas realizadas nos programas de pós-graduação e pelos pesquisadores das universidades brasileiras.

A gente, aqui na planície, só espera que um dia esse povo ai resolva descer das nuvens e também estudar os problemas reais da nossa vida profissional.

STF BLZ! FLW?
Os ministros do Supremo Tribunal Federal, durante a sessão de julgamento do recurso do Zé Dirceu, ontem, quando não estavam lendo seus votos, passavam o tempo navegando na Internet. O repórter do blog do Ricardo Noblat (www.noblat.com.br) deu uma espiada nas telas de cada um. Carlos Velloso conferia seus e-mails, Cezar Peluso batia papo no messenger e assim por diante.

No final, ficou tudo elas por elas. Empatou, o desempate será em outra sessão e até lá os votos ainda podem ser mudados.

Ah, o título desta nota está na linguagem cifrada usada nos bate-papos da Internet. Diz mais ou menos o seguinte: “STF é beleza! Falou?”

Um comentário:

Thiago Dutra disse...

Olá, encontrei seu blog,
Por acaso na semana passada e desde então
Acesso todos os dias, acho ele super útil, com um texto inteligente e integro.
Parabéns pelo blog!
Thiago.