terça-feira, 31 de outubro de 2006

TERÇA

[Clique na foto para abrir uma ampliação]

PAU NOS JORNALISTAS
Ontem perto do meio-dia, logo depois que Lula veio à frente do Palácio do Alvorada cumprimentar o pessoal que lá estava, com bandeiras e camisetas, alguns militantes começaram, gratuitamente, a agredir os jornalistas. Chegaram a derrubar um fotógrafo, bater numa jornalista e um repórter chegou a ser agredido com o mastro de uma bandeira.

Os gritos dos militantes davam uma pista do que eles pretendiam:
“Eu prefiro a ditadura do que a imprensa”;
“Vamos fechar todos os jornais”; e
“Se falar de dossiê, vai levar dossiê na cara”.
É claro que Lula não instigou direta e claramente seus áulicos. Mas o tom de suas queixas, durante a campanha, dava a entender que ele estava sendo vítima de perseguições e armações.

A própria trapalhada do dossiê, autênticamente petista, ganhou, nos discursos de campanha, uma nebulosa co-autoria tucana. Como se tudo de ruim que se diz sobre o Lula fosse invenção ou pura maledicência malintencionada.

O resultado é que os mais exaltados resolvem fazer justiça com as próprias mãos: ainda mais agora, que, contra tudo e contra todos (e contra as elites brancas, principalmente) o pobre Lula conseguiu, a duras penas, se reeleger. O slogan “deixa o homem trabalhar” tem esse conteúdo simbólico: parem de atrapalhar, de zoar com quem só quer trabalhar honestamente.

O NOVO LULA
Criticado porque não deu entrevistas durante seu primeiro mandato, Lula resolveu ser, a partir de hoje, uma nova pessoa. Dará entrevistas a quatro emissoras de TV. Cá entre nós, não acredito que vá resolver muito: o presidente que vocês reelegeram desenvolveu uma sólida habilidade de falar sem ouvir e fala, com convicção, que o “único dado concreto”, “neste País”, é que ninguém fez mais e melhor que ele.

Mas, em todo caso, Lula tem repetido que aprendeu com seus erros. Resta saber o que ele considerou erros. Pode ser que venham por aí cooptação de parlamentares aperfeiçoada, “financiamento de campanha” sem rabo e “operações secretas” sem trapalhadas.

O PAPEL DA OPOSIÇÃO
Não é só Lula e alguns petistas que têm uma visão torta da oposição e do papel fiscalizador. Lula diz claramente que quem faz oposição, ou faz a crítica do seu governo, “instiga para que as coisas não dêem certo”. Como se mostrar o erro fosse errado: o certo seria deixar pra lá ou colocar panos quentes, “uma atitude mais positiva”.

Aqui em Santa Catarina o PMDB também tem, graças à miopia de alguns de seus líderes, uma ojeriza à crítica. Não tolera jornais independentes e vive colocando, na testa de jornalistas, os rótulos “nosso” e “contra”. Sempre que podem, “estimulam” os donos dos veículos a reduzir o espaço dos “contra” e ampliar o dos “nossos”.

CRISE NO AR
Com as eleições a gente quase nem prestou atenção no problema dos aviões, com a greve dos controladores de vôo. Segundo o jornalista Ricardo Noblat, “antes da tragédia do avião da Gol, que caiu matando 154 pessoas, cada controlador dava conta de até 20 aviões querendo descer ou subir. Agora o limite baixou por decisão dos próprios controladores para 12 aviões – como manda o regulamento”.

Essa redução tem feito com que praticamente todos os vôos tenham atrasos de horas. E que os aviões pequenos, particulares, tenham restrições para decolar ou aterrissar em Brasília.

Gente de menos e salário baixo numa atividade de enormes responsabilidades. E vai piorar, porque, como sempre, a conta de todas as bondades do ano eleitoral será cobrada no ano seguinte.

OS NÚMEROS
Acho que todo mundo já sabe, mas caso alguém queira saber os resultados da eleição, por cargo, por município e até por seção eleitoral (você sabe quantos votaram no seu candidato na urna em que você votou?), o TRE-SC reuniu tudo num site de internet:

www.tre-sc.gov.br/resultado

É bem fácil de consultar e tem os números dos dois turnos. No primeiro turno, é claro, inclui os resultados para deputado e senador.

2 comentários:

Ilton disse...

Ele já deu entrevistas. Foi mais autêntico (=arrogante) que antes. "Eu ganhei", "Eu demito", "Eu isto", "Eu aquilo"... A dosagem eleitoral subiu à cabeça. Espero que a Imprensa tenha mais força para resistir do que o Judiciário, que foi controlado. Porque o controle deste vai provocar a fraqueza de alguns instituos. Espero que o da liberdade de imprensa não esteja entre eles. Um abraço.

Anônimo disse...

É verdade, Ilton. Pra variar me atrapalhei no ontem e hoje dos jornais. E só espero que os arroubos do ungido não comprometam (ainda mais) o nosso amanhã.
Obrigado pela leitura atenta.
Cesar Valente