quarta-feira, 4 de outubro de 2006

QUARTA

FREIO DE ARRUMAÇÃO
Nesta semana todas as lideranças partidárias estão recolhendo os cacos, colhendo os louros (e os morenos), fazendo um rápido inventário, para assumir novas (ou renovadas) posições na curtíssima campanha que já deve começar na segunda-feira.

LHS e Esperidião são todos sorrisos, tratando bem todos os demais partidos e fazendo o possível para seduzir o maior número de apoiadores. Claro que numa coligação que já tem nove, acomodar mais dois ou três e fazê-los acreditar que ainda vai sobrar algum carguinho deve ser bem complicado.

UM PALANQUE PRO LULA
Os petistas, nas suas manifestações públicas, estão em busca de um palanque para Lula em Santa Catarina. O que não será fácil.

LHS tenta mostrar para os petistas, que ele tem raízes de esquerda, lutou contra a ditadura e que Amin foi prefeito biônico e do partido dos milicos. Amin está namorando o PT faz tempo e lembra sempre que LHS já teve os votos petistas (no segundo turno, em 2002) e depois virou-lhes as costas.

Nenhum dos dois, contudo, tem como declarar apoio público a Lula. LHS por razões óbvias: está amarrado ao PFL e ao PSDB. E Esperidião porque pretende e precisa contar com os votos de pefelistas e tucanos.

DOIS SENHORES
O prefeito de Itajaí anunciou que vai trabalhar pelo LHS e por Lula. E sugeriu, numa entrevista à rádio Som Maior Antena1, de Criciúma, que o PT estadual deveria seguir seu exemplo. Disse que ter se afastado de LHS foi um erro do partido, provavelmente causado por situações municipais, localizadas, de desentendimento entre PT e PMDB. E aí citou Criciúma, Florianópolis, Joinville, como exemplos de locais onde a convivência seria mais difícil. Só que aí ele já citou alguns dos maiores colégios eleitorais do estado.

Além de não conseguir provar adequadamente sua tese, Morastoni irritou os petistas de Criciúma, que passaram o dia discutindo o que ele disse e o que ele não disse.

ESSE PSDB...
O PSDB deu um salto. De dois deputados estaduais eleitos em 2002, passou para seis. De 212 mil votos naquela eleição, subiu para 499 mil agora. E, segundo o presidente do partido, Dalírio Beber, “se não fossem algumas desistências importantes que tivemos em várias regiões, teríamos chegado ao sétimo deputado”.

VIEIRÃO RECLAMA
O deputado Antônio Carlos Vieira aproveitou a sessão na Assembléia Legislativa pra botar a boca no trombone, com relação ao caso de compra e venda de automóveis por funcionários da Assembléia, que teria levado seu chefe de gabinete ao suicídio.

Ele acha que deveria ter sido procurado pela imprensa para poder apresentar sua versão. E disse que provavelmente não se reelegeu porque muitos eleitores podem ter acreditado que ele tivesse alguma coisa a ver com o caso. Cobrou novamente da Assembléia a abertura de uma sindicância que esclareça de uma vez a história, que ainda está muito nebulosa.

Hoje a Mesa da Assembléia terá reunião e será proposta a abertura da sindicância (que, de resto, tinha sido pedida por Vieirão desde 31 de agosto) para apurar as denúncias. O presidente da casa, Júlio Garcia, disse que “além de penas criminais, os servidores considerados culpados também sofrerão penalidades no âmbito administrativo”.

O DOUTOR SE ENGANOU?
Como não sou advogado, sempre gosto de pensar que a OAB reúne os cobras da profissão, os melhor preparados. E aí, quando a OAB de Santa Catarina resolveu propor uma ação civil pública (ACP) sobre o aumento das tarifas de ônibus de Florianópolis, em agosto de 2004, achei que suas excelências sabiam o que estavam fazendo e que jamais tomariam aquela atitude para, quem sabe, apenas marcar uma posição política.

Li ontem uma informação sobre a decisão da Justiça Federal que me deixou admirado. Diz lá que o Juiz Ivori Luiz da Silva Scheffer extinguiu a ACP sem julgar o mérito, entre outros motivos, porque “a via processual escolhida não foi adequada”. E “a OAB não tem legitimidade, no sentido processual do termo, para propor ação com esse objeto, nem a Justiça Federal tem competência para julgá-la, uma vez que não há interesse da União em discussão”.

Putz, será que a OAB-SC não sabia disso tudo? Precisou o Juiz contar pra eles? Em todo caso, como sou leigo e não entendo nada de muita coisa e pouco de quase nada, fiquei achando que no fim pode sobrar para o usuário do transporte público. A OAB deu um tiro nágua (ou jogou para a platéia?), a liminar que suspendeu o aumento foi suspensa e agora, José?

Tomara que existam outras vias processuais, adequadas, onde estejam tramitando ações que cheguem a julgamento e a bom termo.

BANCADA DE ZUMBIS
Acho que vai demorar um tempo para o eleitor entender a tal cláusula de barreira e mais, que existem 118 deputados federais de segunda classe: aqueles que foram eleitos por partidos que não conseguiram ter 5% dos votos no País e 2% em pelo menos nove estados.

Os partidos que não conseguiram chegar a essas marcas não serão extintos, mas os deputados eleitos por essas legendas não poderão participar de comissões (nem de CPIs) e não terão os benefícios das lideranças de bancada. São os tais zumbis.

Só os deputados eleitos pelo PT, PMDB, PSDB, PFL, PP, PSB e PDT terão todos os direitos. Os demais, dançaram (PCdoB, PL, PV, PPS, PSOL, etc e tal). A saída será encontrar uma maneira de juntar dois ou mais partidos para somar os votos e dar aos deputados de suas legendas uma vida normal no Congresso.

COSTÃO GOLF SE ARRISCA
A Justiça mandou o Costão Golf parar as obras, mas o Marcondes e sua turma não estão nem aí. Continuaram a trabalhar como se a ordem do Juiz fosse de brincadeirinha. A Polícia Federal constatou que as obras continuam e até o engenheiro responsável admitiu que a coisa está andando.

Aí, o Ministério Público Federal entrou agora com um troço chamado “Ação de Atentado” contra as empresas Santinho Empreendimentos Turísticos e Costão Ville Empreendimentos Imobiliários. O MPF está pedindo à Justiça que o Costão Golf desfaça o que fez e que a ação principal fique suspensa até que tudo retorne ao que era antes.

PEQUENO ENIGMA
Maldadezinha tucana que circula em dias de pouco assunto: tem gente que acha que sabe por que Lula anda tão nervoso com essa história de segundo turno. Na verdade ele não teme o adversário nem acha que perderá a eleição. Ele fica nervoso porque sempre que se esquece e estende as duas mãos, como nessa foto acima, ele vê um número cabalístico: o 4 e o 5. Que, juntos, formam o 45 do Alckmin.

5 comentários:

Anônimo disse...

Cesar,

La no Senadinho o Luiz Henrique esta sendo chamado de governador surfista. Se elegeu em 2002 surfando nas ondas do Lula e quer agora surfar nas ondas do Geraldo.

Ilton disse...

Esse tiro n'água da OAB só pode ser atribuído ao açodamento e a falta de argúcia. Até eu sei a Justiça Federal só tem competência para as ações em que há interesse da União. É uma das primeiras lições que a gente aprende sobre competência na Faculdade de Direito. Eu aprendi aí mesmo, em Florianópolis.

Anônimo disse...

ô cesar ..

antes de criticar a oab, tente colher algumas informações sobre o dito juiz .. ele é um pé no saco e o tribunal está cansado de reformar suas sentenças.

um fraternal abraço
pedro

Cesar disse...

Ô Pedro: então tá, tomara que, ao contrário do que às vezes parece, a diretoria da OAB não tenha atuado apenas por entusiasmo político. Se esta decisão for reformada e ficares sabendo, por favor me dá um toque que eu volto ao assunto.

Anônimo disse...

pode deixar que aviso sim .. certo que a oab deve recorrer .. embora seja época de eleição por lá e aí já visse né ..

o dito juiz não é um mal diabo .. mas é rigoroso demais com os chamados pressupostos processuais e implica com detalhes pouco usuais na jurisprudência .. nada que o tribunal não reforme .. contudo, há o ônus do recurso, que torra a paciência dos advogados ..

um fraternal abraço
pedro