sexta-feira, 1 de junho de 2007

Sexta

A ÚLTIMA DO CLODOVIL
O presidente da Gol, Constantino Júnior (na foto acima) esteve depondo naquela CPI que não fede nem cheira. Já estava quase desistindo de usar o gogó sem graça do Constantino, quando li, no Ricardo Noblat, que ontem à tarde o deputado Clodovil armou mais um dos seus barracos num avião da Gol. Quando Clodovil chegou a bordo, seu lugar já estava ocupado.

O rolo foi tão grande que um grupo de passageiros partiu pra cima do deputado, que teve que ser recolhido a uma sala da PF, para sua própria segurança. Clodovil provocou um atraso de 40 minutos no vôo 1847.

Sem querer defender o nobre parlamentar, já está mais do que na hora dos consumidores começarem a exigir providências. As (duas) empresas aéreas brasileiras pintam e bordam, porque não precisam prestar contas a ninguém. A Anac é uma agência apenas teoricamente fiscalizadora. Tal e qual a CPI, não fede nem cheira.

Isso do lugar marcado no cartão de embarque já estar ocupado (e às vezes por pessoa cujo cartão também destina o mesmo lugar), dos comissários de bordo serem grosseiros, do despachante de bordo não resolver nada e das empresas literalmente cagarem e andarem para o que o passageiro pensa delas, já se incorporou ao dia-a-dia dos viajantes.

Então, ao mesmo tempo que, em público, digo “calma, deputado”, sou obrigado a sussurrar “muito bem, Clô!”

A CAIXA PRETA

Continuando no setor do transporte coletivo: o tal sistema integrado da capital é mesmo uma caixa preta. O prefeito Dário disse que iria abrir, chegou a posar para fotos diante de uma caixa preta de papelão, mas o que a gente vê é que não só a caixa está cada vez mais preta, como está cada vez maior e mais enrolada.

A frota está envelhecendo, o ar-condicionado, que no mundo todo é sinal de cuidado com o bem estar da população, aqui, de uma hora para outra, virou ameaça à saúde pública e foi desligado, as linhas foram ajustadas aqui e ali, mas não existe a menor chance de podermos um dia ir e vir sem precisar de carro. O serviço, enfim, piorou, mas a tarifa sobe desavergonhadamente. E, pra “facilitar” a vida do usuário, a molecada sem noção, “pra protestar”, fecha ruas e pontes. Protegido, dentro da caixa preta, o Dário ri de todos nós.

CORTINA DE FUMAÇA

São espertos, esses Senadores. Criaram um espetáculo circense com aquela história do presidente infiel (e desastrado), sua amante, sua filha sem nome, o lobista de empreiteira e a família oficial, compassiva e solidária, para que a gente ficasse se distraindo. E, enquanto isso, por detrás da cortina de fumaça, aprovavam um aumentinho básico de salários que vai provocar um efeito cascata monumental.

Segundo as contas do blog do Josias de Souza,
“noves fora todas as vantagens indiretas, o contracheque de deputados e senadores passa de R$ 12.847 para R$ 16.512,09. O de Lula vai de R$ 8.885 para R$ 11.420. Os vencimentos de José Alencar e dos ministros passarão de R$ 8.362 para R$ 10.748”.
E no blog do Ricardo Noblat lia-se que
“o ministro Paulo Bernardo (Planejamento) está buscando uma forma de estender o reajuste para os cargos de confiança do governo. As gratificações, congeladas há quatro anos, são dadas a mais de 19.824 servidores e devem ser reajustadas nos mesmos 28,5% dados aos parlamentares”.
Que maravilha!

MOSQUITO NO POSTE
Leio na coluna do Paulo Alceu que o Amilton Alexandre foi um dos agentes do Luz para Todos que denunciou a aplicação fraudulenta dos recursos do programa (o outro foi o Lindomar Itamaro). Ora, Amilton Alexandre é o inenarrável Mosquito, batalhador das grandes causas sociais, um dos principais capitalistas comunistas da noite florianopolitana. E os dois acabaram, por causa dessa denúncia, sendo demitidos pela Celesc (esta parte eu não entendi, porque, até onde sabia, ele era funcionário da Eletrosul).

Bom, como o Mosquito está envolvido, logo-logo saberemos de todos os detalhes sórdidos, porque ele nunca foi de ter papas na língua. Muito pelo contrário.

E por falar em Celesc, a empresa anda muito preocupada com a repercussão, na Bolsa de Valores, de notícias “negativas” sobre ela. Alguém precisa lembrar ao Dr. Moreira e sua diretoria, que a melhor forma de evitar notícias “negativas” é não fazer, nem permitir fazer, cagadas ou cagadinhas.

CONTAS DO GOVERNO

É tanta coisa pra falar e tão pouco tempo e espaço, que acabo entrando atrasado nos assuntos. O relatório das contas de 2006 do governo do estado, feito pelo Tribunal de Contas do Estado, por exemplo.

Embora a recomendação seja pela aprovação, tem ali cinco ressalvas e 14 recomendações. E é aí que eu não me conformo. O governo tem técnicos de todos os níveis e muitos deles muito bons. Pode, a qualquer momento, consultar o TCE, sempre que tiver alguma dúvida legal ou formal. Não vejo razões para entregar uma coisa feita de tal forma que ainda dê motivo para levar um pito. Muito menos cinco.

A bronca principal é que a despesa foi maior que a receita. Tem um pequeno déficit orçamentário (R$ 40 milhões) e um déficit financeiro um pouco maior (R$ 140 milhões). Entre as recomendações, a primeira é que a despesa com contratos de terceirização de mão-de-obra devem ser incluídos nas contas das “outras despesas com pessoal”.

Hum... ué? não declaram o que gastam com Casvig, EBV, etc? Bom, ainda bem que matei as aulas de contabilidade. Senão, tenho a impressão que acabaria me incomodando só em ler as 14 recomendações. Se a Receita Federal fizesse, sobre a minha declaração de renda, a metade das observações que o TCE fez sobre a declaração do governo, eu pensaria seriamente em me jogar da ponte (não pra me matar, mas pra ver se conseguia um atestado médico de insanidade temporária).

O PACOTE DE MOEDAS
Pronto, acabou o suspense. Vazaram todos os relatórios da Polícia Federal, com todas as gravações. E agora que chegaram nas mãos dos colegas da rede dos gayuchos, já podem ser repassados pra nós.

Mas fiquem tranqüilos, porque vocês sempre ficam sabendo do principal. E nesse caso aí o principal é que a cidade está ferrada, a prefeitura está dominada e o governo estadual já tomou posição clara a favor dos suspeitos.

Como fazer, daqui pra frente, é coisa que todo florianopolitano deveria estar se perguntando. E não será fácil, porque os partidos estão se preparando para definir as listas de candidatos e nada indica que a população terá tempo, iniciativa e coragem de ir para dentro dos partidos, exigir nominatas de gente limpa e decente.

Restará, no ano que vem, homologar ou rejeitar os candidatos que os partidos escolherem. Gostaria de estar enganado, mas não acredito que possa acontecer nenhuma renovação significativa. Vereador ainda é, na capital, uma função com enorme carga de assistencialismo. Se o vereador X manda tapar os buracos da rua, resolve meus rolos de habite-se, alivia a pressão do fiscal e ainda manda um cartão no dia do aniversário, por que votar em outro?

Não esqueçam que as pesquisas mais recentes têm mostrado que algo como 60% dos entrevistados, se tivessem o cargo e a possibilidade, também seriam corruptos. No fundo, muita gente boa acha que “eles” não fizeram nem fazem nada de muito errado.

Acham mesmo que as coisas podem e devem mudar na capital? Tratem de começar a trabalhar já. Reúnam amigos, formem grupos, preparem material e vão à luta. Trata-se de combater uma epidemia. Uma peste com raízes profundas.

5 comentários:

Kobold disse...

Frase do dia:

"Os políticos brasileiros são os mais católicos do mundo....
Não fazem nada sem levar um terço!"

Anônimo disse...

Cadê o Içuriti?

Anônimo disse...

O Icuriti, assiduo do emporium, esta mais sumido do que gato em covil. Ha dias nao aparece por lá.

Anônimo disse...

O Cavallazzi que esteve envolvido no golpe do finsocial do Besc esta tambem dentro da maracutaia do Iguatemi. Como diz um amigo seu apelido é papel higienico: "ou ta no rolo ou ta na merda".

Pedro de Souza

floripanews.blogspot.com disse...

Parabéns pelo blog, César!

Esse "piti" do Clodovil foi legal!
Também, quem mandou SP votar no homem!
Agora, aggggggggüenta!