sexta-feira, 8 de junho de 2007

Sexta

ESSE LULA...
O presidente, sempre que tem que ficar quieto para posar para alguma foto oficial, se diverte fazendo micagens. Tem um certo padrão, no comportamento dele. Aí em cima estão as fotos que registram a participação dos países emergentes, convidados para a reunião dos oito mais ricos, no ano passado e agora. Nas duas, Lula não se contém e fica fazendo gestos acompanhados, provavelmente, de algumas piadinhas que só os fotógrafos brasileiros entendem.

Na foto de ontem, aliás, não se sabe do que o Lula estaria rindo. Ele chegou a evitar os jornalistas brasileiros, para não ter que comentar as notícias sobre seu irmão, o Vavá, pego numa das operações da PF.

A situação do Vavá parece mais complicada a cada nova notícia. Ele receberia dinheiro (uma caixinha) do “empresário de jogos” Nilton Cezar Servo, que está preso. E, o mais chato de tudo: segundo a PF, Vavá prometia dar jeito nas coisas, recebia a graninha, mas não conseguia cumprir as promessas.

Ainda bem que o presidente não está preocupado com essa questão e aparece, nas fotos, risonho e faceiro. Como sempre, né não?

REFORMA? ONDE?
Lembram que há uns meses muita gente falava na urgência de uma reforma política? Entre os problemas que atravancam o bom andamento do processo político, estaria a proliferação de pequenos partidos, sem representatividade, criados apenas para servir de moeda de troca e para ganhar uns trocados do fundo partidário.

Até agora, nada de reforma e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) informa que analisa requerimentos para a criação de mais dois partidos. Com esses dois, chegariamos ao estupendo número de 30 legendas!

Esses dois novos estão de olho, principalmente, na parte que lhes caberá dos R$ 121 milhões do tal fundo, mais os R$ 23 milhões de multas eleitorais (que também são divididas entre os partidos), sem falar no tempo de propaganda partidária gratuita, em cadeia nacional de rádio e TV, no horário nobre. Não é pouca coisa.

E, com um pouco de sorte, como tem acontecido com os demais partidinhos, a diretoria se dá bem, ao negociar com partidos “de verdade”, o tempo de rádio e TV nas campanhas.

E pra completar o deboche, um dos partidos que está para ser criado, ainda pediu ao TSE para ser desobrigado de recolher as 468 mil assinaturas de apoio que a lei determina. O outro, mais moderno, pede que o TSE autorize que as assinaturas sejam recolhidas “pela internet”. Não é o máximo?

Com tanta moleza, acho que também vou criar um partido político. Parece que a parte mais difícil é mesmo escolher o nome. E a sigla.

ESSE ALUIZIO...

O Aluizio Amorim é um velho jornalista que durante muito tempo foi assessor de imprensa da Fiesc. De uns tempos pra cá, criou um blog (oquepensaaluizio.zip.net) onde desce o cacete no que ele chama de “petralhada”.

Inimigo declarado dos petistas, do Lula e de todo mundo que, mesmo remotamente, possa ter alguma simpatia pela esquerda, derrama-se em elogios ao ex-senador Jorge Bornhausen, demonstra simpatia explícita pelos norte-americanos e classifica de “botocudos” aqueles que, no entender dele, mantém países como o Brasil no atraso.

Pois a ranzinzice do Aluízio o está tornando nacionalmente conhecido. Na terça-feira, ele participou do programa MTV Debate (...na MTV, saca?), cujo apresentador é o Cazé. O assunto era ecologia e desenvolvimento. Prato cheio para o Aluízio, que também odeia os ecochatos.

Para quem quiser conhecer um pouco mais desse personagem que aos poucos está virando lenda, o programa será reapresentado (na MTV, claro), domingo ao meio dia e segunda à meia-noite.

CAOS NOS AEROPORTOS

As duas empresas aéreas brasileiras (Gol e TAM) agem como se não devessem obediência a ninguém nem a nada. Relacionamento com o consumidor? bobagem. Respeito à legislação? que nada. Compromisso com o bom senso? ahahahah.

Nevoeiros e outros imprevistos podem acontecer a qualquer momento e em qualquer lugar. Mas a empresa deveria tratar com cortesia e respeito seus clientes, que por causa disso terão que sofrer desconfortos. Não é o que acontece. Se por acaso, em vez de pousar no Santos Dumont (no centro do Rio), o avião tiver que pousar no Tom Jobim (lá na casa do cacete), a empresa não se sente na obrigação de providenciar transporte para os passageiros.

Esta foi a razão de um grupo do P-Sol ter invadido a pista do aeroporto, ontem. Sentiram-se desrespeitados. E isso tem acontecido com grande freqüência.

SEM CONCORRÊNCIA
Outro dia, estava no aeroporto de Florianópolis, quando desceu ali um avião da TAM que deveria ter pousado em Curitiba. Por algum motivo que jamais saberemos, a empresa colocou todos os passageiros em ônibus e mandou-os por terra para Curitiba. Uma viagem de cerca de quatro horas. Pelo jeito irritado com que as vítimas dessa picaretagem passaram por mim, imagino a forma truculenta com que as explicações foram dadas. Se é que foram.

Como as duas empresas vivem numa situação de monopólio virtual e há procura muito maior que a oferta, elas simplesmente desistiram de manter a clientela. Se eu não quiser voar, tem centenas na fila.

Fosse este um país sério, abriria a possibilidade de novas empresas estrangeiras atuarem no mercado interno e externo, para equilibrar a oferta e a procura, regular os preços e dar um cagaço nesses empresários que se aproveitam de forma tão vil do caos que se instalou no transporte aéreo.

“ODEIO PETISTAS”

O boquirroto diretor-geral da Fesporte, Carione Pavanello, o Cacá, parece o Aluízio: “odeio o PT!”. Disse, numa emissora de rádio, que nem adianta o PT ir a Florianópolis pedir qualquer coisa na Fesporte, que ele não atende (bela descentralização essa, né?).

Ontem, já tentava se desdizer, atribuindo às disputas municipais de 2008 a afirmação. Coitada da Fesporte. Mal se livrou da politicalha do PCdoB, já está de novo aparelhada, desta vez pelo DEM-o. Gente que não sabe separar a administração da política partidária e acaba contribuindo para a desmoralização tanto de uma quanto da outra.

9 comentários:

Ilton disse...

ESSE LULA... Lembra do Vampeta quando nossa seleção foi recebida por FHC, em palácio? Ele deu umas cambalhotas inexplicáveis. Depois confessou que, antes, havia exagerado na dose...

Orlando Tambosi disse...

Apenas uma observação: qual é o problema em demonstrar simpatia pela cultura norte-americana?
Acho que merece condenação o antiamericanismo paspalho ainda cultivado pelas "esquerdas" do Acampamento.

Abs.

Aluizio Amorim disse...

César:

fico grato pela citação. Entretanto, desejo esclarecer que não odeio ninguém. Exerço o legítimo direito de criticar com veemência qualquer ato antidemocrático, o que entendo como dever de todo o jornalista. Sem democracia e, por conseguinte, sem a liberdade de imprensa, não existe o jornalismo, mas uma horda de áulicos do poder, arautos de um único pensamento. A festejada "diversidade" tem de ir além do plano cultural para inscrever-se no território da política. É isto que entendo por "democratização da comunicação". Quanto aos ecochatos, compõem uma legião de imbecis. Jamais vi essa gente incomodar-se com a ausência total de infra-estrutura de saneamento nas áreas urbanas. A maioria (se não quase todas) das cidades brasileiras não possuem uma rede de esgoto. Aqui na Ilha, justamente o bairro mais satanizado pelos ecochatos - Jurerê Internacional - é o único, me parece - a dispor de esgoto sanitário. Os ecochatos também nunca cogitam qualquer ação contra a invasão dos morros pelos botocudos. Há dezenas de favelas na periferias da cidade e dos morros. Bem, ecochato gosta de miséria, sujeira, dengue e febre amarela. Sim, os mosquitos e as bactérias fazem parte da "mãe natureza"....hehehe... Ora, é claro que eu não desejo destruir a natureza, mas não aceito afirmativas completamente idiotas e repetidas pela mídia como se fossem verdades. Na maioria das vezes não passam de hipóteses que não resistem a uma verificação da prova, como requer a boa ciência.
Finalmente: questionar as coisas, postular pela liberdade, defender a ciência e conseqüentemente a racionalidade é ser ranzinza?

Abraço do Aluízio Amorim

Oto Wigers DalMollin disse...

Meu caro Aluízio, no texto acima você defende veementemente o "ser democrata" (no sentido original do termo). Gostaria de saber o que você pensa da jogada de Marketing que o ex-PFL, ex-ARENA realizou ao se auto-intitular "democratas"

marcello disse...

Prezado Cesar
Concordo com tudo que escreveste nesse post e também acho um desrespeito o que o TAM fêz com os passageiros que deveria ter desembarcado no Santos Dumont ao invés do Tom Jobim...Mas dizer que o aeroporto Tom Jobim é 'longe para cacete' eu discordo! Pela linha Amarela até o centro são cerca de 25 minutos! Se pelo menos a TAM tivesse fornecido transporte...
Grande abraço!
:P

Cesar disse...

Caro Tambosi: nenhum problema. Nem fiz juizo de valor. Apenas fiz um resumo da impressão que tenho do blog do Aluizio.
Caro Aluizio, o ranzinza sou eu.

Aluizio Amorim disse...

Caro Dalmollin:

depois que o ex-Senador Jorge Bornhausen deixou a presidência dos Democratas, o partido ficou menor. Na política, como também em todas as demais atividades humanas, há aqueles que se destacam por razões variadas. Na política catarinense e nacional Bornhausen põe todos no bolso. Quem sabe daqui a 50 anos, ou quiçá, nunca mais, apareça um político com a coerência, a seriedade e a objetividade de Jorge Bornhausen. Se vc pegar o noticiário político dos últimos anos verá que Bornhausen nunca disse nenhuma bobagem. Nas vezes que tive de tratar com ele profissionalmente (eu sou jornalista, como vc deve saber), sempre fui recebido pelo ex-Senador toda a atenção. Algo pouco comum na maioria dos políticos que vivem trepados em salto alto e que estão muito longe de chegar perto da competência política de Bornhausen. Nas últimas eleições foi o único político que teve a coragem de denunciar o petralhismo e ação deletéria de seus sequazes. Quanto à mudança de nome de PFL para Democratas, sinceramente não gostei muito. Preferia que o Partido mantivesse na sua sigla a palavra liberal. Primeiro porque postulo o liberalismo e, segundo, porque até hoje no Brasil confunde-se o liberalismo com a direita, com a ditadura. Ora, esquecem que o liberalismo surgiu em decorrência das revoluções burguesas que destronaram as monarquias absolutistas. Tem um viés libertário e democrático e, principalmente, respeita a individualidade. Nós liberais não queremos saber de nada que possa tolher a liberdade do indivíduo. O coletivo é coisa de petralha assembleísta e manipulador de "plenárias". Portanto, creio que o ex-PFL poderia somar na sigla os conceitos de democracia e, sobretudo, de liberalismo. O Brasil precisa de liberalismo, democracia e, mais ainda, de capitalismo. Se por ventura conseguir um dia - o que não acredito em função de variáveis culturais negativas - será um grande país. Se não, continuará a ser um eterno Bananão, o termo com o qual Ivan Lessa costuma designar este elefante desengonçado chamado Brasil.

(Bom, isto já não é um comentário, é um artigo...hehehe)
Abs do
Aluízio Amorim

Oto Wigers DalMollin disse...

Hehe... Cesar, o Aluízio transferiu o blog dele para teu espaço de comentários...

Brincadeira.

Abs meu caro A. Amorim

Thiago disse...

Termos como "petralha" e "botocudo" o Aluizio copiou do Reinaldo Azevedo, colunista da Veja e ex-dono da revista Primeira Leitura.

Abs.