terça-feira, 31 de julho de 2007

Terça

E O IÇURITI, HEM?
Pois não é que o ingrato do Içuriti nem me ligou pra avisar que estava escrevendo a cartinha de demissão? Fiquei sabendo por outros colunistas que o presidente da Codesc resolveu se afastar. Logo eu, que durante tanto tempo ofereci generoso espaço para que ele explicasse o ímpeto governamental na defesa dos bingos, fui um dos últimos a saber.

Quer dizer, ontem à tarde ele ainda não tinha entregue a carta ao governador. Portanto, pode ter mais gente supreendida pelo gesto. Bom, talvez surpreendida, não, porque a queda do Sussu estava mais anunciada do que a queda do avião.

O Içuriti (ao lado num 3x4 do tempo em que era vereador) sai da presidência da Codesc, mas se mantém onde sempre esteve: no centro do poder. E nem poderia ser diferente, afinal ele é o tesoureiro do partido do governador. Leal e discreto (nenhum tesoureiro sobrevive se não souber guardar segredos), será cuidadosamente recolocado. Não fiquem preocupados: LHS não deixará o Içuriti no frio, sem emprego.

E O PAVAN, HEM?
Ao revirar as origens da Agência que não regula nada, o Brasil descobriu que o senador que recomendou a aprovação do petista Zuanazzi como presidente da Anac foi ninguém menos que o tucano Leonel Pavan (ao lado num 3x4 do tempo em que usava gorrinho e babador). Ele foi o relator do processo, no Senado. Uma rotina que deveria ser de fiscalização e controle, mas acabou sendo apenas de homologação da escolha governamental.

O que espanta não é o Pavan ter falado bem do Zuanazzi, afinal ele poderia não conhecer direito o cara. Mas a gente fica de queixo caído é com o fato de um senador, teoricamente de oposição, ter dito um amém tão disciplinado à indicação petista.

Vocês certamente lembram de discursos do Pavan, em campanha pelo Alckmin, onde ele desancava o jeitão Lula de ser. Aí, quando lhe cai nas mãos a oportunidade histórica de sabatinar o presidente da primeira e única agência reguladora criada no governo Lula, o nosso senador recolhe as armas...

Os petistas, Lula inclusive, desancaram as privatizações e as agências reguladoras criadas no governo do tucano FHC. E um tucano desperdiça a oportunidade de fazer os adversários suarem frio por alguns momentos. Se não queria dar o troco, pelo menos deveria montar no cavalo que passava encilhado à sua frente e galopar alguns metros. Mas não. Ficou a pé.

Enganou-se o senador, ao avaliar que bonde deveria tomar: achou que seria uma oportunidade de ficar bem com o trade turístico, com o ministro do Turismo, sei lá com quem. Um ano e pouco depois, fica mal na foto com um monte de gente, que acha que, se o Brasil tivesse uma agência reguladora que regulasse, com uma diretoria de gente melhor preparada, nossas desgraças seriam menores e o caos aéreo não chegaria a estas proporções.

BAGUNÇA
Tem gente dizendo que a Anac não teria muito a fazer, mesmo se tivesse funcionado direito. Ora, a TAM e a Gol tomaram conta do campinho porque faltou regulação, fiscalização, controle. A TAM relaxou manutenção, reduziu exigências para contratar pilotos, fez o diabo, agarrada aos lucros incessantes e crescentes, porque ninguém a incomodava. Ninguém a mandava colocar os pés no chão. A falta de respeito com o consumidor, por exemplo, que vem de desde antes do acidente da Gol, só floresceu e se instalou porque, na Anac, estavam amigos, gente de confiança, sem compromisso com o usuário.

“FICA, MEU FILHO...”
Parece piada, mas não é. O presidente da Anac foi falar com Lula, para saber se deveria se afastar. Lula passou-lhe a mão na cabeça, acalmou-o e mandou-o ficar. Teremos que engolir o Zuanazzi até 2011. E, é claro, o eleitor, este ente misterioso, continua achando Lula o máximo. Tadinho, não tem nada a ver com o que está aí.

Com esta, Lula alivia um pouco a barra do Pavan: o senador facilitou a entrada do Zuanazzi, mas foi Lula, pessoalmente, que o manteve.

CANSEI!
Tão falando num movimento “cansei!”, pra protestar contra o que está aí. Tudo bem. Só que tem gente que fala e grita mas, na hora agá, reelege o homem. A hora do “Fora Lula” era na urna. Agora, resta-nos sentar no meio-fio e chorar. E esperar a próxima eleição.

5 comentários:

Anônimo disse...

Em off e só pra perguntar, sem ofender.

o sr. não deveria ter citado as fontes das suas matérias de hoje sobre Içuriti e Pavan, este especialmente o MOarcir Pereira de ontem?
Rodrigo

mauricio disse...

Cesar.

A inépcia e inércia da Anac já tão comentadas, esperamos, serão revistas pelo novo ministro "adevogado".

Proponho nos preocuparmos, agora, com a inépcia e inércia da Prefeitura Municipal de Florianópolis que está transformando a vida dos munícipes em caos.

Ontem, durante a tarde quase fui atropelado por um carrinho de coleta de papel para reciclagem que circulava pelo calçadão fora do horário estabelecido para tal e não há fiscal ou policial municipal que veja ou controle isso.

A repressão ao comércio de CDs e DVDs piratas teve o efeito esperado, ou seja "empurrou" aquelas pessoas para outra atividade marginal. Qualquer pessoa que percorra o calçadão da rua Conselheiro Mafra e da Felipe Schmidt, e aceitar os papéis que são distribuídos, não ficará com menos de cinco ou seis panfletos de "casas de massagem oferecendo lindas garotas".

As empresas de ônibus estabeleceram quadro de horários diferente daquele decorrente do contrato que mantém com a Prefeitura e, apesar de existir órgão especial para controlar este tipo de atividade, a Prefeitura se mostra muito burra ou aliou-se aos empresários em detrimento da população.
A frota não é renovada, os veículos, sucateados, trabalham no limite de sua resistência e sequer são lavados (falo da empresa Estrela, que utilizo).

No mercado público, na ala das peixarias, espera-se sentado por um novo desastre. A loja que vende calçados e peças de cestaria, colocou uma prateleira na frente do hidrante (ao lado da porta do banheiro), e a Prefeitura nada fêz. A Prefeitura ameaçou relicitar as concessões, no entanto está autorizando a reforma dos boxes. Se não está autorizando, está deixando que reformem sem autorização.

Obras são iniciadas e ficam paradas aguardando a proximidade das eleições para "mostrar serviço" durante a campanha.

Cruz credo!

Cesar disse...

Não citei especificamente o Moa, porque ele não foi o único a falar. Talvez tenha sido o primeiro, ainda na sexta-feira, mas até segunda houve outras referências. E eu disse isso, no início da nota: “fiquei sabendo por outros colunistas”. Ontem só conversei com a assessoria do Centro Administrativo, para saber a quantas andava o caso e confirmar a informação. Quanto ao Pavan, igualmente estava em tantos jornais e colunas, que preferi sair pelo genérico “o Brasil descobriu”.

Em todo caso achei que tinha ficado claro que, tanto numa quanto na outra nota, estava comentando uma notícia já publicada. Se não ficou, espero ter deixado claro agora.

Anônimo disse...

Gostei da resposta. É isso aí!

Adilson Minossi disse...

César,
Altamente ridículo o cabelo do Pavan na foto(apesar da época). Lembrou-me o Príncipe Valente. Pior é que amanhã ele ganha 22 mil como ex-governador e nós aqui ralando como idiotas e pagando impostos para pagar as aposentadorias...