sábado, 28 de julho de 2007

Sábado, domingo e segunda

A foto da posse é de 2006, a dos cadáveres carbonizados, de 2007. Caso vocês não conheçam, à esquerda, atrás do Lula e mal disfarçando a ansiedade, o presidente Zuanazzi, que não disse a que veio. À direita, a vice-presidente Abreu, protegée do Zé, apreciadora de charutos e desastrada ao falar. E na extrema, o Leur Lomanto, ex-deputado baiano, relator da lei que criou a Anac e o cargo que ele ocupa. Muito amigo do LHS e do Walmor de Luca, Leur é pai da diretora de RH da Secretaria de Estado da Administração de Santa Catarina.
(Se clicar na foto abre-se uma ampliação)

ESSES GAÚCHOS...
Olha eles aí: o novo ministro da Defesa é de Santa Maria, cidade no centro do Rio Grande do Sul de onde se originou também a família Genro, do ministro da Justiça. A ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, é uma gauchona típica, disposta e sem papas na língua. Os três orgulham-se de suas histórias pessoais e profissionais e preparam-se para vôos mais altos (que dependerão, naturalmente, das pistas e temporais que encontrarão pelo caminho).

E estão, portanto, em campanha. São adversários, no seu estado. Mesmo que estejam no mesmo governo federal. Dois deles no mesmo partido. Essa competição é, em princípio, saudável. Faz com que cada um queira mostrar serviço e mostrar-se competente.

(Atualização do sábado: antes que os gaúchos me apedrejem deixa esclarecer que embora a Dilma tenha feito sua carreira político/administrativa no RS, onde adquiriu boa parte do seu jeito gaudério de ser, ela é mineira de nascimento)

Um quarto gaúcho do governo, no entanto, destoa completamente do trio principal. É o presidente da Anac, figura patética, que faz dupla com aquela senhora fumadora de charutos do Zé Dirceu. Colocado num posto inamovível pelos ínclitos senadores da República, é agora uma espécie de cadáver ambulante, resmungando ameaças surdas pelos cantos.

Sem hombridade para demitir-se, mesmo depois da “sugestão” de Lula, sem coragem para largar a boquinha, é capaz de ficar até o último dia do mandato, mais ou menos como aqueles guaipecas rastaqüeras que, rabo entre as pernas, não se afastam do bolicho, voltando sempre que são chutados para fora.

POR QUE SÓ AGORA?
Desde 2003 há documentos prevenindo o governo sobre os problemas com o controle aéreo. Desde antes há queixas sobre a pista de Congonhas, especialmente quanto à sua extensão e localização. Desde sempre soube-se que a substituição do DAC (com controle da Aeronáutica) por uma agência loteada entre partidos políticos, daria em m. (ah, que falta faz o ministério do Vai dar Merda...).

Desde a queda do avião da Gol a crise instalou-se de mala e cuia. Mas nada aconteceu. Nada de nada.

Tudo o que foi feito depois da explosão do avião da TAM, deveria ter sido feito antes. Poderia ter sido feito antes. Sabia-se, antes, que precisaria ser feito. Mas nada aconteceu. Nada de nada.

OS CHORÕES
E aí, quando a gente critica o governo, ou algum ministro, lulistas vêm com aquela cantilena de “terceiro turno”. Como se os votos que elegeram Lula tornassem seu governo imune a críticas. Acham que podem errar o quanto quiserem, mas não podem ser criticados, porque o “povo” deu-lhes um mandato blindado. “Essa gente que fala do Lula não aceita que ele venceu as eleições duas vezes, querem derrotá-lo no tapetão, no terceiro turno”, resmungam aqui e ali.

Lula será derrotado, se o for, pela incompetência de vários de seus auxiliares, que botam mais água para dentro do barco do que tiram. E, jogados nas cordas, nem querem saber de remar.

ALMOXARIFADO
O Secretário do Desenvolvimento Regional de Itajaí, João Olindino Köeddermann ligou-me para explicar aquela história de almoxarifado terceirizado. Na nota (“Terceirização”) publicada ontem, eu registrei um ato publicado no Diário Oficial do Estado, onde se fica sabendo que a SDR contratou uma empresa para armazenar e distribuir regionalmente o material comprado pelo governo.

O secretário informou que a contratação da empresa de armazenamento e logística atende a uma recomendação do Tribunal de Contas, feita a todas as secretarias regionais, para organizar a guarda dos bens e a sua entrega aos vários municípios. Afinal, depois da terceira reforma administrativa, as SDR ganharam mais autonomia, inclusive orçamentária, e estão fazendo compras. Como não têm um almoxarifado central, foi preciso contratar.

Pelo que explicou o Secretário, a operação tem dotação específica, tem lógica e seguiu todos os ditames das melhores práticas administrativas. Mas, cá entre nós, ficou quicando uma bolinha que, a qualquer momento, poderá ser chutada pela oposição: é uma despesa que não existia antes da criação das SDR. Um complicador a mais para a argumentação de que a descentralização não aumentou os gastos.

O EMPOLGADO
Já que estamos falando em SDRs e bolas quicando, esta historinha é insuperável: o governo distribuiu ontem, pelo seu serviço de notícias, um texto surrealista, criado pela assessoria de imprensa da SDR de Canoinhas. Dá uma lida:
“Eufórico com a performance do seu afilhado Tiago Faria, no programa Ídolos, do SBT, e a sua classificação entre os cinco melhores candidatos de 2007, na edição do dia 19, o vice-prefeito de Canoinhas e secretário de Estado do Desenvolvimento Regional, Edmilson Verka, no dia 25, entregou pessoalmente ao governador Luiz Henrique um ofício, pedindo apoio oficial do Estado na divulgação do nome do jovem talento canoinhense.”
No ofício que entregou, o zeloso padrinho dá até o embasamento legal para a corujice explícita:
“amparado no artigo 215 da Constituição da República Federativa do Brasil, os artigos 9º, 10 e 173 da Constituição do Estado de Santa Catarina, peço o seu apoio na divulgação deste fato, lembrando que, se cada um dos mais de 5 milhões de catarinenses der o seu voto, Tiago Faria será o novo ídolo do Brasil, carregando consigo a cultura e o nome de Santa Catarina.”
Fiquei curioso para saber que tipo de ajuda o LHS poderia dar. Será que o Verka pretende que o governo libere os telefones de serviço para que a turma ligue e vote no afilhadinho? Ou o Verka espera que o governo pague as ligações, que não são baratas?

PASSAPORTE À VISTA

Outra coisa que a gente não entende por que não fizeram antes: o Serpro montou, para a PF, um sistema de agendamento de passaportes pela internet. Começou a funcionar ontem. Bom, parece que esta crise, pelo menos, está se encaminhando para um final.

6 comentários:

Anônimo disse...

O agendamento apenas tornou-se virtual, mas o tempo de espera continua inaceitável. No meu caso, por exemplo, a emissao do protocolo foi em 03/07/07 e o agendamento feito no mesmo dia ficou marcado para dia 25/09/07, quase 3 meses depois.

Carlos Andrade disse...

Içuriti Pereira caiu. Um contrabandista a menos nas tetas do governo.

Será q criou vergonha na cara ou foi muita pressão???

E o caso dos taxistas, como ficou Cesar?

Abraços

Carlos Andrade

Anônimo disse...

Mais um Récord mundial:
Em apenas 16 meses a ANAC produziu duas tragédias aéreas !
Medalha de ouro para os diretores:
Média de mais de 22 mortos por mês de mandato !
Esse deve ser o relevante serviço que os fez serem condecorados pela Aeronáutica !

Gilson disse...

Para ajudar o afilhado do prefeito de Canoinhas, LHS pode criar uma lei, que obriga cada cidadão catarinense a votar no programa. Mas isso pode vir a dar problemas, porque nem todos os cidadãos possuem telefone, ou, dos que possuem, alguns telefones podem estar bloqueados porque seu proprietário se recusou a pagar a conta e entrou na justiça contra a operadora para reclamar por serviços cobrados indevidamente.

Anônimo disse...

O Sussu caiu pois a impressão digital dele está nas gravações com o Juarez.

Dizem eu não afirmo, que o que tem gravado entre eles é uma grandeza.

Quem conhece o Juju sabe as barbaridades que ele fala, mesmo ao telefone.

Abs.

Pedro de Souza.

Anônimo disse...

O acidente que ocorreu em cima da Ponte Colombo Sales nesta manha poderia ter sido evitada de acordo com ATA 25ª SESSÃO ORDINARIA, DO 2º PERIODO LEGISLATIVO, DA 15ª LEGISLATURA REALIZADA EM 17 DE ABRIL DE 2006OVereador Guilherme da Silva Grillo leu um requerimento, de sua autoria, datado de dezessete de fevereiro de dois mil e cinco, que solicitava o envio de expediente ao Senhor Governador do Estado de Santa Catarina requerendo providências para a manutenção ou troca dos guard-rail da Ponte Colombo Sales. Leu uma noticia que saiu no Jornal Diário Catarinense sobre dois motoqueiros que morreram ao cair da ponte e disse que o seu requerimento até hoje não foi atendido. Fez um apelo ao DEINFRA para que aumente a altura e a segurança dos guard-rail das pontes que ligam a ilha ao continente