sexta-feira, 23 de setembro de 2005

SEXTA

QUANDO A CRIATIVIDADE ABUNDA


ENIGMA DE SEXTA-FEIRA: QUEM COPIOU DE QUEM?
Ou, quem teve a idéia primeiro? Ou vocês não acham uma a cara da outra? Os dois logotipos podem ser descritos da mesma forma: uma bola azul (a terra?) com as estrelas do cruzeiro do sul, mais a órbita de algum satélite (pra dar movimento). À esquerda a conhecidíssima marca do Porto de Itajaí e à direita a conhecidíssima marca da Eletrosul. A da direita, já falei aqui, parece uma bola cercada por arame farpado. Na da esquerda, tem menos arame. Deve ser só coincidência, né? Então tá.

TERRA PÚBLICA E DINHEIRO PRIVADO

Alguém tem que avisar o LHS que essa história vai dar merda. Já que ninguém no Centro Administrativo tem peito pra isso, falo eu mesmo:

Sabe o Sapiens Parque, aquele hiper-mega-empreendimento no norte da Ilha de Santa Catarina?

Pois é, ele é, hoje, apenas uma área de terra (milhões de metros quadrados) pertencente ao governo (ou seja, nossa), mais especificamente à Codesc.

E todo o “conceito” do empreendimento se baseia em oferecer a grandes empresas pedaços dessa área. As grandes empresas pagariam por isso, capitalizando o tal parque. Só que esse troço tem um nó que ainda não foi completamente desatado: como contabilizar dinheiro privado em troca de uma terra pública?
Solução imaginada até agora nos espaçosos gabinetes:
– Chama a SC Parcerias e vê se o Vinícius Lummertz dá um jeito.

CHAMA O VDM!

Ora ora, meus senhores, antes de chamar o “Querido”, não seria melhor chamar o Secretário do VDM?

O Secretário é um sujeito de bom senso que olha para os projetos e diz se vai dar merda ou não. No caso dessa operação para “vender”, “locar”, “emprestar” ou “privatizar” terreno público e ainda conseguir arrecadar, cobrar, recolher, ou internalizar dinheiro privado (provavelmente sem que entre para a conta única do Tesouro), a todo momento aparece um ponto fraco.

Então chama o VDM e mantém ele em tempo integral no Sapiens Parque. Tá certo que como tem 15 anos de “projeto”, pode ser que a oposição alivie, porque imagina entrar no barco dali a algum tempo e também tirar uma casquinha.

Claro que os criativos empreendedores que usam o nosso dinheiro encontrarão maneiras engenhosas de não deixar rabo, na complicadíssima montagem dessa fantástica máquina de gerar empregos e renda.

O PREFEITO DESBOCADO
O sujeito quando acorda com o pé esquerdo não deve falar no rádio. O prefeito de São José, Fernando Elias, todo atrapalhado com a turma da educação do município, que não larga do pé dele desde quando o Dário era prefeito, inventou de dar entrevista ontem de manhã pra CBN Diário. Pra quê?

Irritado com alguns professores que no dia da árvore tinham xingado ele diante dos alunos, nas escolas, Elias resolveu contar pra toda a Grande Florianópolis do que que foi chamado.

E repetiu, no ar, microfone aberto, em alto e bom som, todos os desaforos que tinham sido dirigidos a ele. Deixou o Mário Motta, apresentador sempre cuidadoso com as palavras, vermelho e sem graça.

Resultado: se antes só alguns alunos e professores sabiam, agora todo mundo sabe, porque ele mesmo contou no rádio, que tem um grupo de professores que acha que “ele é um filho da p...” (eu nem tenho coragem de colocar todas as letras no jornal, mas o prefeito fala isso no rádio como se a mãe citada não fosse dele).

RANZOLIN NO PFL

O lageano (pelo menos a base eleitoral é lá) Ivan Ranzolin filiou-se ontem ao PFL, durante a reunião da Executiva Nacional. Tinha saído há alguns dias do PP, queixando-se de maus tratos por causa de sua disposição em não votar com o governo em algumas ocasiões.

Ranzolin também deu um mau passo, ao fazer campanha e depois deixar-se fotografar comemorando efusivamente a vitória do presidente Severino, o probo. O pessoal pega no pé dele por causa disso e ele fica, naturalmente, chateado.

Mas, finalmente, decidiu aceitar os afagos pefelistas, que o recebem em alto estilo, com elogios e rapapés em reunião nacional. O próprio Bornhausen lembrou que o namoro vem de algum tempo: “Nosso partido apoiou o deputado na eleição passada porque já conhecíamos o seu caráter”.

Enquanto isso, no PP...

DIRETORIA SECRETA
O Sindicato dos Jornalistas convida para a posse da nova diretoria (que será dia 30). No convite, apenas o nome do palestrante da noite (o presidente da Fenaj, Sérgio Murillo). Não traz o nome do novo presidente do Sindicato. Muito menos dos demais componentes. Será alguma moda nova, essa de manter secreta a diretoria?

QUERES UM EMPREGO PÚBLICO DE R$ 5 MIL?
Hoje terminam as inscrições para Auditor Interno das secretarias de estado da Administração e Fazenda. Podem concorrer formados em Economia, Contabilidade, Direito e Administração e o salário inicial é de cerca de R$ 5.500,00.

Os organizadores estão preocupados porque a procura foi pequena: até ontem “apenas” 2 mil disputavam as 41 vagas.

Quem está organizando é a Fepese (a fundação ligada à UFSC que fez o concurso da educação). E eles imaginavam que teriam cerca de 5 mil inscrições a R$ 90,00 cada. Coitados, vão ter “prejuízo”.

Bom, se alguém ainda quiser se habilitar pode se inscrever pela Internet: www.concursosef.ufsc.br. Também pode ligar para (48) 233-0737, 331-8992, 331-8151 ou 331-9501. Só até hoje.

O OUVIDOR TÁ SURDO
Ontem, quando o ouvidor da Celesc, Romualdo Dambroz falava sobre o próximo encontro de ouvidores de empresas de energia elétrica, disse que o papel desse profissional é fundamental e complexo porque “afinal, tratamos de um insumo básico – a energia elétrica”.

Levei um susto. Mas que enorme besteira esse ouvidor está dizendo! O trabalho do ouvidor, de qualquer ouvidor que se preze e que honre essa nobre função, é fundamental e complexo porque eles tratam com os consumidores, com os clientes, com o ser humano que é a razão de existência da empresa!

Ora, se o sujeito se acha um monte porque lida com “energia elétrica”, tem que tirar ele imediatamente da ouvidoria e colocar na usina. Na ouvidoria tem que lidar com gente. Com o cliente que, por falar nisso, tem sempre razão.

PRÊMIO ESCOLAR
Essa é (mais) uma bolinha que o governo deixou quicando e até agora ninguém chutou: desde quarta-feira está rolando um concurso para estudantes de escolas estaduais sobre descentralização.

O tema é “Descentralização: você participa e você decide”. Terá uma seleção regional depois uma estadual, com vários prêmios de valor. O objetivo é fazer com que os alunos da rede pública “compreendam o papel decisivo que cabe à escola como centro propulsor do desenvolvimento regional nesse processo de afirmação dos poderes locais”.

Em resumo: cada concorrente vai buscar argumentos favoráveis à descentralização, para poder ganhar os prêmios (tem até um playstation na jogada). Me parece uma baita ajuda (involuntária) à campanha de quem defender a descentralização nas próximas eleições. Certo?

A FATMA E OS POSTOS
A Fundação do Meio Ambiente e os postos de gasolina fizeram uma estranha parceria. Como velhos amigos, irmãos de fé, camaradas, quem abastece leva uma mudinha de árvore e doações são feitas para os necessitados.

É impressionante ver, de mãos dadas e trocando beijinhos, a Fatma (uma entidade que deveria fiscalizar o meio-ambiente) e o Sindicomb (um setor potencialmente poluidor. Seja porque vende combustível poluente, seja porque às vezes ocorrem vazamentos).

E o Sérgio Grando, presidente da Fatma, ainda diz todo orgulhoso que “é um programa inédito no País”. Claro, professor! Não é todo mundo que tem coragem de fazer essa aproximação perigosa entre órgão ambiental e postos de gasolina. Chama os bombeiros logo!

Um comentário:

Saint-Clair disse...

OK, tá muito 10, muito democrático, tipo assim "tem pra todo mundo!". E o clipping vespertino funcionando.
Abr.