quarta-feira, 21 de setembro de 2005

QUARTA-FEIRA

DIA DAS ÁRVORES QUE AINDA RESTAM
[Se clicar na foto, abre uma ampliação]




Ilha de Santa Catarina e arredores: a ocupação avança morro acima.

NÓS E O AMBIENTE
Tem gente que ainda vive na idade da pedra lascada. Acha que o lixo desaparece automaticamente assim que é colocado num saco plástico na frente de casa, acha que a descarga desmancha magicamente tudo o que ela carrega e chama toda área coberta de vegetação de “terreno sujo”.

Pra essa gente, “limpar o terreno” é destruir e matar os seres vivos que estão ali, atrapalhando. A terra nua mata-nos a todos de vergonha, mas tem quem ache que é lindo e que isso é que é progresso.

A chuva abre sulcos dolorosos na terra descoberta, açoria os rios. E na terra coberta pelo “tapete preto”, ambição de tantos, progresso sabe-se lá copiado de onde, as enxurradas da água que não tem para onde ir carregam muros, carros e gente.

INTELIGÊNCIA ESCASSA
E as árvores? Vegetais preguiçosos que teimam em levar anos e anos para crescer e que sempre estão no meio do caminho. Bem fazem aqueles que derrubam tudo na calada da noite e de manhã colocam placa de loteamento: “sua vida junto à natureza”.
A gente chuta cachorro na rua, maltrata os bois na quaresma, mata e prende passarinho com a mesma cara de idiotas com que arrancamos e mutilamos árvores, passamos o trator na vegetação e envenenamos as águas.

Depois, fica todo preocupado e assustado porque 80% da água do estado está poluída, porque o clima está produzindo desastres cada vez maiores, porque os homens estão se matando como moscas.

A ESCOLHA É NOSSA
Esse ambiente de mau cheiro, de má criação, de violência e de desrespeito não estava aí. Está sendo criado por nós milímetro a milímetro. Caixão a caixão. Trauma a trauma. Árvore a árvore.

O ambiente em que a gente vive é um sistema complexo, que não pode ser respeitado aos pedaços: “amo as árvores, mas odeio passarinho”. Tudo faz parte. Da minhoca ao papagaio, do idiota bêbado ao musgo, da alface ao jacarandá, da formiga ao cachorro do vizinho. É nesse ambiente que vivemos e é a forma como o tratamos que vai fazer que a nossa vida seja melhor ou pior.

Você decide.

A ILHA PELADA
A Ilha de Santa Catarina ainda tem muita área verde. Mas se a gente prestar atenção, vai ver que nos últimos anos houve um avanço desastroso do ser humano, desmatando e ocupando áreas de preservação. Botei uma foto de satélite da Ilha, ali em cima, pra gente lembrar que daqui a pouco só vai sobrar o cocoruto dos morros.

PP SE ISOLA
Pode ser impressão minha (e eu, vocês sabem, não sou lá essas coisas como analista político), mas o PP (leia-se, cada vez mais, Esperidião Amin), não está muito preocupado em juntar forças. Pelo menos não agora.

Provavelmente espera para ver que País emergirá dessa confusão toda (e que PP, é claro). Mas de qualquer maneira, não tem dado qualquer demonstração de que esteja em busca de afeto.

O namoro com o PT (eu vi, ninguém me contou, Ideli e Ponticelli abraçados, trocando confidências, meses atrás) está em banho-maria. Não dá pra conversar a sério com um partido que está na muda.

O eterno caso de amor e ódio com o PFL está numa fase fria. De amuo mútuo.
E o PSDB é gato escaldado: coligou uma vez e não levou, agora não quer muita conversa.

TEMA DE CAMPANHA
Não há a menor dúvida que a descentralização será o principal tema da campanha para governador. Raimundo Colombo abriu os trabalhos, tentando fazer a ginástica de ser contra e a favor.

A frase, dita ontem na rádio CBN-Diário, é emblemática do dilema: “A descentralização é uma idéia correta, mas não da forma como foi feita”. Ou seja, não dá pra ir pro palanque apoiando, mas também não dá pra ir prometendo desfazer completamente.
Problemão pros marqueteiros.

JÁ VAI TARDE
Severino, representante emblemático de um tipo muito numeroso de político popular, despede-se hoje da Presidência da Câmara dos Deputados. Ano que vem voltará, para novo mandato, reeleito pelo seu curral de pobres almas.

Não pesa, em sua consciência, qualquer culpa. Acredito que ele é sincero quando se diz injustiçado, que sempre foi um homem bom e cumpridor dos seus deveres.
Toda cidade e todo estado tem seus Severinos. Nem todos são toscos, analfabetos funcionais. Muitos são até doutores. Em comum, têm a cara de pau.

POLÍTICA RASTEIRA
Eles acham que política é a arte de falar sem dizer nada e ajudar quem lhe ajuda. Uma troca de favores. O eleitor faz o favor de colocá-lo num bom emprego, onde ele pode arrecadar, aqui e ali, alguns ajutórios e ele (ou ela) faz alguns favores sempre que possível: um empreguinho aqui, uma passagem ali, um trocado mais adiante, um telefonema pra pessoa certa...

Resta-nos imitar Diógenes, que andava por Atenas, lanterna acesa em pleno dia, procurando um homem honesto. Alguém que nos respeite e que se dê ao respeito.

ESQUECI DA CHINA!
Ontem falei que o LHS ia viajar só em novembro, pros EUA. Esqueci completamente que em outubro ele vai à Alemanha e à China. Bem que eu estava achando muito tempo pra ele ficar aqui...

Claro que todas as viagens têm programações montadas com cuidado para que irresponsáveis, como eu, não fiquem pegando no pé de Sua Excelência. Negócios, divulgação do estado, aproximação empresarial, inserção numa economi globalizada, as justificativas são muitas. E longe de mim querer que os governantes sejam capiaus ignorantes que só vão até os limites da sua cidade.

Mas é quase uma viagem internacional por mês. O que, talvez, seja um pouco demais.

EUROPA SE DESPEDE DE MOREIRA E DARIO
O vice-governador Eduardo Moreira encerrou ontem sua visita à Itália e a Portugal e o prefeito de Florianópolis, Dário Berger (Messiê Darriô, em francês), encerrou sua visita ao país da Brigitte Bardot.

Ainda hoje, antes de embarcar, Messiê Darriô visita a embaixada brasileira em Paris, pra trocar uma idéia com o embaixador Sérgio Amaral. Ontem Moreira visitou a embaixada brasileira em Lisboa, pra dar uma força na cooperação entre Açores e Santa Catarina.

As comitivas, cansadas de tranto trabalhar e saudosas de casa, devem chegar na quinta-feira. Na bagagem, é claro, trazem a satisfação do dever cumprido. Em euro.

Um comentário:

Saint-Clair disse...

É isso aí. Notas vistas e encaminhadas aos (possíveis) interessados da minha área.

Abr. SClair