quarta-feira, 23 de maio de 2007

Quarta

ALLONS Y! – E lá se foi LHS de novo viajar. À França, que é sempre um lugar legal para se ir. Acima, aproveito que o LHS andava de capa e chapéu nesses dias chuvosos, para trazer um pouco de cultura para meus leitores e leitoras. Assim como é bom ir à França, é bom conhecer o trabalho do Jacques Tati, diretor, autor e ator que deu vida ao personagem Monsieur Hulot (tem alguns filmes com ele nas locadoras). Um boa praça desajeitado e engraçado. Tirante a semelhança no trajar, não acho que os dois tenham muito em comum. Monsieur Hulot, por exemplo, fala muito pouco, quase nada e só o essencial, criando as situações engraçadas com seus gestos. O LHS é mais, por assim dizer, verbal, embora também tenha certo talento histriônico.
(Para ampliar as fotos é só clicar sobre elas)

SC É O MÁXIMO
A organização internacional que cuida da saúde dos rebanhos deu ontem a Santa Catarina um diploma e tanto: agora o estado é, para todos os efeitos internacionais, área livre de aftosa.

Isto é muito importante para os negócios, para a imagem da indústria agropecuária e também para recolocar, no noticiário, alguma coisa positiva.

Nos últimos tempos a coisa tem andado tão ruim que o governador chegou a ser fotografado até assistindo a jogo de “futilama” (acima). Isto mesmo, futebol na lama. Qualquer semelhança com o que aconteceu na secretaria da Fazenda (Aldinho), nas adjacências do poder (operação moeda verde) e em outros salões, foi mera coincidência. O LHS na torcida e a turma, na maior lama, se esforçando para fazer um gol.

A MÃO NA FIVELA
Vocês sabem que eu me divirto olhando as fotos oficiais e procurando motivo pra fazer molecagens. Ontem publiquei uma foto onde três autoridades pareciam estar disputando uma miniatura de um avião da TAM (é só rolar a tela pra achar, mais embaixo).

Na pressa, nem olhei direito a outra, onde um sujeito estava levantando a miniatura como se fosse uma taça. Mas depois, olhando com calma, vi uma coisa espantosa: a senadora Ideli Salvatti parecia que estava segurando a fivela do moço do aviãozinho.

E aí resolvi fazer uma continuação da molecagem de ontem (acima), não só para mostrar que o deputado Acélio Casagrande (candidatíssimo a prefeito de Criciúma) ganhou a disputa pela miniatura do avião e levanta o troféu como se fosse final de campeonato, mas principalmente registrar esse momento de encontro entre o PT e o PMDB, de verdadeira consolidação da base de apoio do governo Lula. (Clique na foto e veja os detalhes na ampliação)

Boa articuladora, a senadora que agora deu esse, digamos, suporte ao peemedebista empolgado, em outros momentos trocou beijinhos e confidências com o Ponticelli e outros pepistas, sempre ampliando a sua própria base.

SÓ TEM ESPERTO
Essa história de querer levar vantagem em tudo não é privativa dos brasileiros ou do Brasil. Mas aqui, com a lentidão da Justiça e a sensação geral de impunidade, a coisa fica meio por sobre o insuportável.

De vez em quando o ministério público enfia o dedo na cara de um ou de outro esperto, mas não dão conta de tudo. Coisas que às vezes que poderiam ser resolvidas apenas com bom senso e com a ajuda das entidades de classe, acabam virando casos em que o ministério público tem que atuar, quando não a polícia.

Casos recentes: a poderosa Havan, cujo dono é famoso fogueteiro, teve que ser chamada às falas pelo MPSC para retirar as placas onde dizia que não tinha responsabilidade por danos ou furtos de veículos no seu estacionamento (pago). Eles têm responsabilidade, sim, precisam proteger os veículos colocados sob sua guarda.

Aceitaram assinar um Termo de Ajuste de Conduta. E mesmo assim a Havan pediu 30 dias (um mês!) pra retirar a placas. Espero que não use o prazo para achar uma brecha legal, algum artifício pra continuar fugindo das suas reponsabilidades.

Em outro Ajuste de Conduta, o dono da boate El Divino Club, de Jurerê, se comprometeu ao óbvio: não vender mais ingressos que a capacidade da casa. O cliente, tratado como idiota, chegava na porta, tinha ingresso, mas não conseguia entrar por causa do “overbooking”. Levou uma multinha (só R$ 15 mil) e prometeu se comportar.

Gente sem noção que só cumpre a lei sob ameaça de multa ou cadeia.

Um comentário:

marcello disse...

Prezado Cesar;
Inclui seu blog entre os meu preferidos no post " Corrente do Bem"!
Eu me diverto com suas fotos.
Grande abraço!