quinta-feira, 1 de fevereiro de 2007

Quinta

CASANTUR
Pena que a Casan tenha distribuído umas fotinhos tão sem resolução do passeio de ontem. Senão vocês poderiam ver melhor esse momento lindo aí acima, em que o guia Walmor explica pros vereadores, e em especial pra vereadora bonitona do PCdoB, Ângela Albino (emoldurada pela velha ponte Hercílio Luz, ao fundo), com quantos buracos se faz uma rede de esgotos. Enquanto o professor Walmor dá sua aula (na foto parece que ele está mostrando o cartão vermelho pra alguém, seria pro Juarez Silveira?) a turma presta atenção porque pode ser que mais tarde tenha sabatina e ninguém quer ficar sem o almoço. Ou então sem água e esgoto.

Além dos dois vereadores já citados, foi também o João da Bega. Os outros vereadores não puderam ir porque estavam na praia.

SUAS EXCELÊNCIAS
Hoje inicia uma nova legislatura, o que quer dizer que deputados e senadores, eleitos ou reeleitos, tomam assento nas casas legislativas para mais um período de trabalho.

Os mais céticos e desiludidos dirão “trabalho? duvide-o-dó!”, mas na verdade, ruim com eles, muito pior sem eles. Não tenham disso a menor dúvida.

Vejam, por exemplo a coisa gravíssima que ocorreu ontem na Venezuela: o “Congresso” fez uma sessão ao ar livre e votou, levantando a mão, a favor de uma lei que transforma Chavez num imperador. O “Congresso” da Venezuela autorizou, em praça pública, que o presidente do País possa governar por decreto e fazer o que bem entender sem que o parlamento fiscalize ou examine cada medida.

Chavez ganhou um cheque em branco e o “Congresso” venezuelano, na prática, se auto-dissolveu. Reduziu-se a pó de traque.

Por melhor e mais sábio que seja o governante é bom, saudável e necessário que tenha fiscalização. Primeiro, porque ninguém é infalível. Depois, porque o poder corrompe e o poder absoluto corrompe absurdamente.

Claro que muita gente acha que, se é pra ter deputado que nem tem uns aí, melhor não ter. O problema é que esse tipo de raciocínio simplista (“fecha de uma vez essa baiúca”), além de não resolver os problemas principais, ainda cria um problemão: dá poder excessivo a uma pessoa só.

Portanto, a todos os deputados estaduais, federais e senadores que tomam posse hoje, quero desejar sorte e coragem. Sorte para poderem se manter longe das tentações e coragem para resistir, caso elas apareçam.

No mais, é só trabalhar sério e lembrar-se que vocês só estão aí porque milhares de eleitores, consciente ou inconscientemente, autorizaram. E, como representantes, vocês têm que representar. Não aproveitar, nem locupletar-se, nem arrumar-se na vida.

“ABOMINÁVEL FLORIPA”
O Chico Amante, que além de leitor é manezinho juramentado, mandou cartinha parabenizando pela nota de ontem em que eu criticava a RBS e sua esfomeada deglutição da Ilha.

O Chico conta que uma vez, ao perguntar pro Alceu Afonso Pickler o que é ser manezinho, recebeu a seguinte resposta: “Ser manezinho é pronunciar Florianópolis, e nunca Floripa”.

E pra não perder a viagem, o Chico aproveita pra descer o cacete nessas estações de “transbordo” de lixo que estão sendo instaladas ao lado do Teatro e ao lado do Direto do Campo (um mercadinho de verduras).

Pergunta onde estão as entidades culturais que não se manifestam, por que continuam caladas as inúmeras ONGs que dizem defender a cidade e reclama uma posição do Ministério Público, sempre tão cioso e atento.

Diz ele: “Lamentável que se prejudique a cidade em favor de uma meia dúzia de famílias migrantes, dando-lhes transporte por nossa conta, galpões, uniformes, ferramentas, tudo em detertrimento da cidade”. Ele acha, como tantos outros, que tanto cumprimento com chapéu alheio pode ter, como motivação, a construção da carreira política da Dona Rose.

AI MEUS CALOS!
Vem aí nova campanha de desmoralização do Conselho Nacional de Justiça. Afinal, contrariando todos os interesses, o CNJ decidiu, ontem que os Tribunais de Justiça estaduais não poderão pagar mais do que R$ 22,1 mil, para seus servidores.

Isso é uma cacetada, porque tem desembargador, em alguns estados, que ganha mais do que o dobro disso e vai ter redução do “salário”. E em alguns casos poderá ter que devolver.

São Tomé e eu, que não temos a infelicidade de ganhar acima do teto, vamos continuar tranqüilamente aqui, no bar da esquina, comendo ovo cozido, rolmops e tomando underberger, esperando pra ver. Porque, como vocês sabem, a gente só acredita vendo.

A Associação dos Magistrados, que é presidida por um catarinense, já se manifestou ontem mesmo, reclamando do corte. Até eu, se ganhasse R$ 50 mil por mês numa boquinha pública e alguém viesse querer cortar pela metade, botaria a boca no mundo em defesa do meu “direito adquirido” dos ovos de ouro. A coisa vai render.

E O DIÁRIO OFICIAL?
A notícia que o Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina vai começar a publicar na internet o Diário da Justiça lembrou-me da história do Diário Oficial do Estado, cuja edição on line foi até inaugurada com discurso e tudo, mas até agora, literalmente, não saiu do papel.

Acompanhei o caso no início porque, naquela época, fazia assessoria da imprensa para a Secretaria da Administração, que tinha a Imprensa Oficial como órgão vinculado. Em 2004, por ocasião do 70º aniversário da Imprensa (IOESC, para os íntimos), foi anunciada a versão on line do DOE. Entraria no ar dali a no máximo duas semanas.

Só que deve ter algum rolo muito grande ou então é mesmo uma caveira de burro enterrada no site da IOESC, que faz com que Santa Catarina não tenha seu Diário Oficial on line. Nem todo o esforço de modernização do LHS foi capaz de desatar o nó. Dizem que é coisa que vem enrolada desde o governo Amin, que é isto e aquilo.

Ninguém dá jeito e ninguém mais fala no assunto. Fica o dito pelo não dito.

APÓS APÓS – Quando a gente comete algum erro, num jornal, fica morrendo de vergonha porque só vai dar pra consertar no outro dia, quando outra edição for impressa. Mas na Internet é uma maravilha. Veja na foto acima: a turma do UOL iniciou três títulos com a mesma palavra, o que é um erro relativamente grave (demonstração de cochilo editorial) e ninguém se abalou. Dali a algumas horas, quando os leitores começarem a encher o saco, é só corrigir e pronto. Se não tivesse um chato dum leitor do DIARINHO que tivesse capturado a tela, ninguém nem ficaria sabendo que o todo-poderoso UOL também erra.

6 comentários:

Wladimir disse...

César, sobre o "cochilo" das entidades em relação a mais este ato absurdo do Dário, acredito que deva-se mais uma vez ao "modus operandi" do prefeito.
Ele sempre aguarda pelo verão, pelas férias, para ter estas grandes idéias.
Foi assim com o último aumento das passagens de ônibus, quando ele aproveitou-se do período de recesso escolar - e consequente dificuldade para os estudantes se mobilizarem - e repete a tática agora.
Mas ainda acredito que haverá uma reação em relação aos canteiros-floridos-lixões do Dário, assim como também creio que em breve a sociedade da capital irá se antenar para outra atrocidade que nos ronda: a construção de um metrô sobre a Hercílio Luz.

Anônimo disse...

Cesar,

Pior que o cochilo do uol e do aumento dos salarios dos magistrados ( mesmo pq juiz tem que ganhar bem ), o Eduardo Pinho Moreira ganhar do Estado salario de quase 50 mil por mes. Somando a pensao vitalicia que recebe por ter governado 8 meses o Estado ( 22.000,00 - maior que salario de juiz) e os proventos de Presidente da Celesc, eh dinheiro suficiente para poder pagar o papagaio que ele fez no Besc e transferido para a rubrica de creditos duvidosos. A Celesc eh uma empresa da Estado portanto o salario do Presidente eh pago com recursos do Estado. Isso sim eh salario de maraja, nao o dos Juizes.

Pedro de Souza

Anônimo disse...

Caro Cesar
Com relação as "obras" que o "vosso" digníssimo prefeito vem fazendo em Florianópolis, algum acessor VDM deveria avizá-lo que o desvio do tráfego para obras do viaduto da reta das três pontes, nessa época, vai dar m....
Ficou tudo parado uns 3 meses e agora, em pleno fevereiro (férias, carnaval,etc), vão desviar o trânsito naquela avenida?
Deus me livre...!!
Abraços
Antonio Carlos

Ilton disse...

Prezado Cesar: o CNJ já nasceu desmoralizado. Ele é uma coisa esdrúxula e sem sentido. Nasceu para "controlar" o Judiciário mas, como já disse várias vezes em meu blog, não há como fugir à realidade de que suas decisões não são definitivas e ele acaba sendo "controlado" pelo próprio Poder que controla. Nada pode ser desviado do controle judicial. Os desembargadores que recebem acima do teto - esclareço que estou entre eles - ajuizarão ações visando defender seus direitos que, bem ou mal, são constitucionalmente defensáveis exatamente sob a ótica do direito adquirido. Juridicamente, não há como fugir disso. O CNJ é um monstrengo inútil e cujas decisões são sempre provisórias. Um abraço.

Ilton disse...

Ops, ops! No comentário anterior um erro grave. EU NÃO ESTOU ENTRE OS DESEMBARGADORES QUE PERCEBEM ACIMA DO TETO. Esqueci um "não" na frase. Talvez Freud explique. Outro abraço.

Anônimo disse...

Primeiro para se escrever um blog com estilo jornalistico deveria no minimo saber escrever e sobre o que esta se escrevendo. No caso desse blog, de baixissimo nivel de conehcimento, deixa a desejar nos dois questios citados anteriormente. Aprenda a escrever melhor e se informar sobre o que e quem esta escrevendo. E claro que muitas pessoas que foram insultadas nesse texto de mau gosto são profissionais com um curriculo invejável que você jamais irá alcançar.